As poéticas de cuidado com o meio ambiente na literatura infantil e juvenil brasileira

Eliane Santana Dias Debus, José Carlos dos Santos Debus

Resumo


O artigo busca problematizar a temática do meio ambiente na literatura para infância e juventude, em particular naquelas narrativas que apresentam e representam a relação das personagens com os recursos hídricos, levando em conta o contexto da discussão da preservação natural como primícia, recaindo sobre títulos que têm as águas como força potencializadora: Os rios morrem de sede (1976), de Wander Piroli, e Água de anil (2014), de Nilma Lacerda. Procuramos evidenciar nestas narrativas uma poética de cuidado com o meio ambiente, para isso nos apoiamos nos estudos da Ecoliteracia (RAMOS; RAMOS, 2013) e os estudos da Ecocrítica (CAPRA, 2008; GARRARD, 2006). Constatamos na análise a recorrência do cuidado de forma diversa, porque diferentes são os momentos históricos da escrita e o contexto da produção afeta o resultado para esse leitor que já não é mais o mesmo. No entanto, não impossibilita a experiência leitora com as questões ambientais. 


Palavras-chave


Literatura. Temática do meio ambiente. Poética de cuidado

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N30.10420

Direitos autorais 2018 Dialogia



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br