Pesquisas da pós-graduação brasileira: diálogos com a avaliação institucional na educação infantil

Maria Nilceia de Andrade Vieira, Valdete Côco

Resumo


Este texto problematiza a avaliação institucional na educação infantil diante dos desafios e possibilidades que a compõem e busca analisar essa ação avaliativa por diferentes perspectivas, articulando-a ao direito das crianças a uma educação de qualidade. Com princípios teórico-metodológicos bakhtinianos que concebem a formação humana constituída no contexto social de interação entre os sujeitos e seus enunciados, o estudo se propõe a dialogar com ideias que circulam em produções acadêmicas brasileiras. Caracteriza-se por uma abordagem qualitativa e de caráter exploratório com produção de dados decorrente de levantamento bibliográfico de teses e dissertações defendidas no período de 2014 a 2017 e disponíveis no site da Capes. As análises indicam a necessidade de compreensão da avaliação institucional como evento complexo, enfatizando seu caráter coletivo, sua dimensão política e ainda sua interlocução com processos de formação inicial e continuada e seus impactos e repercussões no trabalho pedagógico na educação infantil. 


Palavras-chave


Avaliação Institucional. Educação Infantil. Pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Liliane de Alcantara. O discurso de gestores, professores e pais sobre a qualidade das creches municipais no Rio de Janeiro. 2016. 183f. Dissertação (Mestrado em educação) - Pontifícia Universidade Católica Do Rio De Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução de Michel Lhud e Yara Frateschi Vieira. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BALL, Stephen Joseph. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, p. 10-32, jul./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.

BARRETTO, Elba Siqueira de Sá et al. Avaliação na educação básica nos anos 90 segundo os periódicos acadêmicos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 49-88, nov. 2001.

BONDIOLI, Anna. A participação como objeto e estratégia de pesquisa. In: BONDIOLI, Anna; SÁVIO, Donatella (org.). Participação e qualidade em educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Tradução de Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: Ed. UFPR, 2013. p. 159-170.

BRASIL. Decreto Nº 9.432, de 29 de junho de 2018. Regulamenta a Política Nacional de Avaliação e Exames da Educação Básica. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2018.

BRASIL. Lei n.º 13.005, de 25 de junho de 2014. Institui o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 26 de junho de 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2014.

BRASIL. Portaria n.º 981/2016. Revoga a portaria n.º 369/2016. Brasília, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2017.

BRASIL. Portaria nº 369/ 2016. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SINAEB). Brasília, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2017.

CALDERÓN, Adolfo Inácio; BORGES, Regilson Maciel. Avaliação educacional: uma abordagem à luz das revistas científicas brasileiras. Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa, Madrid, v. 6, n. 1, p. 167-183, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2017.

CALDERÓN, Adolfo Inácio; POLTRONIERI, Heloísa. Avaliação da aprendizagem na Educação Básica: as pesquisas do estado da arte em questão (1980-2007). Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 13, p. 873-893, set./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2017.

DAL COLETO, Andrea Patapoff. Percursos para a construção de indicadores da qualidade da educação infantil. 284 f. Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2017.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.

GLAP, Graciele. Avaliação na/da educação infantil: estado da arte 2000-2012. 2013, 198 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal De Ponta Grossa. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2016.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr.2006.

MENDES, Geisa et al. Autoavaliação como estratégia de resistência à avaliação externa ranqueadora. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1283-1298, dez., 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2018.

MINHOTO, Maria Angélica Pedra. Política de Avaliação da Educação Brasileira: limites e perspectivas. Jornal de Políticas Educacionais, v. 10, n. 19, p. 77-90, jan/jun 2016. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/jpe/article/download/50214/30869>. Acesso em: 16 maio 2017.

MORAES, Sandro Ricardo Coelho de. Avaliação institucional na educação infantil de Campinas/ SP: a experiência de três instituições públicas. 259 f. Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2017.

MORO, Catarina de Souza; SOUZA, Gizele de. Produção acadêmica brasileira sobre avaliação em educação infantil: primeiras aproximações. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 58, p. 100-125, maio/ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2015.

NÓVOA, A. Comunicação do representante da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação no XIII Congresso do MEM em Lisboa. In: VILHENA, G.; SOARES, J.; HENRIQUE, M. (Orgs.). Nos 25 anos do Movimento da Escola Moderna Portuguesa. Lisboa: MEM, 1992. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2015.

NÓVOA, António. O regresso dos professores. Pinhais: Melo, 2011.

OLIVEIRA, Larissa Fernanda dos Santos. A autoavaliação institucional na Escola Municipal Estudante Emmanuel Bezerra: construindo uma dinâmica de participação. 189 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

PIMENTA, Cláudia Oliveira. Avaliações municipais da educação infantil: contribuições para a garantia do direito à educação das crianças brasileiras? 2017. 652 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2017.

SOARES, Silvia Lucia. A avaliação para as aprendizagens, institucional e em larga escala em cursos de formação de professores: limites e possibilidades de interlocução. 277 f. Tese (Doutorado) Universidade de Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

SOUSA, Sandra Maria Zákia Lian. Avaliação da aprendizagem nas pesquisas no Brasil de 1930 a 1980. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 94, p. 43-49, ago. 1995.

SOUSA, Sandra Maria Zákia Lian. Avaliação da aprendizagem: análise de pesquisas produzidas no Brasil, no período 1980 a 1990. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 111-144, jan./jun. 1996.

TUSCHI, Ana Paula Carra. A participação das famílias no processo de avaliação institucional participativa na educação infantil. 2014. 175 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: . Acesso em 28 out. 2017.

VIEIRA, Maria Nilceia de Andrade. Avaliação institucional na Educação Infantil: percursos formativos. 254 f Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: .Acesso em: 22 dez. 2015.

VIEIRA, Maria Nilceia de Andrade; CÔCO, Valdete. Educação Infantil e avaliação institucional: percursos e desafios. Roteiro, Joaçaba, p. 209-240, dez. 2018. Edição Especial. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N31.11471

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br