Escola e interculturalidade: elementos para pensar a diversidade no currículo

Luciana Pacheco Marques, Gabriela Silveira Meireles

Resumo


O objetivo é pensar que a interculturalidade, enquanto mecanismo entre diferentes culturas, tornou-se uma perspectiva de se pensar a educação na sua globalidade. A perspectiva da interculturalidade contraria o discurso etnocêntrico, evidenciando as contradições nas práticas curriculares explícitas e implícitas, operando uma “rachadura” no sistema escolar e educacional, levando os/as profissionais que nele estão envolvidos/as a uma reflexão que propõe à necessidade de mudança e de desconstrução. Cabe-nos reconhecer que a complexidade dos enunciados denuncia a necessidade do enfrentamento das relações dominantes de poder na escola, visando torná-la um lugar de encontro, de aproximação e de articulação das diferenças, a partir da incorporação das relações interculturais e da promoção do diálogo entre os padrões culturais existentes e suas múltiplas significações. Torna-se um desafio à construção de uma nova relação com o currículo entendido como processo de construção social.

Palavras-chave


Escola. Currículo. Diferenças. Interculturalidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N30.8783

Direitos autorais 2018 Dialogia



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br