A formação do pedagogo para atuar no sistema penitenciário

Silvana Barbosa de Oliveira

Resumo


A Educação prisional tem evoluído no campo educacional com a contribuição conceitual da Pedagogia Social. Este texto versa sobre a formação dos pedagogos que atuam no sistema penitenciário do estado do Paraná. Assim, definimos como objetivo específico deste artigo analisar a prática pedagógica desenvolvida pelos pedagogos que atuam em unidades penais para, então, perseguir o objetivo geral de sistematizar princípios orientadores para a sua formação. Desenvolve-se numa abordagem qualitativa, apoiada no eixo epistemológico da teoria como expressão da prática (MARTINS, 2009), e toma como objeto de estudo a formação do pedagogo para o sistema prisional. Foram utilizados como instrumentos de coleta de dados o questionário semiestruturado e a entrevista episódica, aplicados a trinta e seis pedagogos dos regimes fechado, semiaberto e aberto do sistema penitenciário paranaense. Como referencial teórico foram adotadas concepções teorizadas por Brzezinski (1996); Garcia (2013); Gentili (1995); Julião (2012, 2014); Libâneo (2004); Martins (2009); Nóvoa (2014); Pimenta (2006); Romanowiski (2014); Saviani (2008, 2009), Silva (2003); Thompson (1981) e Vásquez (2007). O estudo possibilitou a sistematização de indicadores da formação do pedagogo para o sistema prisional: formação na e pela prática; afirmação da experiência como referência e da teoria como expressão da prática; estudos centrados nas especificidades do contexto prisional; formação permanente direcionada e em articulação com os demais profissionais que atuam nas unidades penais; formação de caráter político no sentido de assumir a condição de defensor dos direitos humanos em sua prática e na defesa do direito à educação.

Palavras-chave


Pedagogo. Educação. Educação Prisional. Direito

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n.7210 de 11 de julho de 1984: instituí a lei de execução penal. Brasília, 1984. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

BRASIL. Resolução nº 14, de 11 de novembro de 1994. Resolve fixar as regras mínimas para o tratamento do preso no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 20 de jun. 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 19 de maio de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade em estabelecimentos penais. Diário Oficial da União, Brasília, 20 maio 2010. Seção 1, p.20.

FERREIRA, Maria do Rocio Novaes Pimpão; VIRMOND, Sônia Monclaro. (Org.) Práticas de tratamento penal nas unidades penais do Paraná. Curitiba: SEJU, 2011. (Cadernos do Departamento Penitenciário do Paraná - DEPEN).

MARTINS, Pura Lúcia Oliver. A didática e as contradições da prática. Campinas, SP: Papirus, 2009.

MARTINS, Pura Lúcia Oliver. A relação conteúdo-forma: expressão das contradições da prática pedagógica na escola capitalista. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org). Didática: o ensino e suas relações. Papirus: Campinas, 2011. p.77-103.

PARANÁ. Estatuto Penitenciário do Estado do Paraná: Decreto Estadual nº. 1276 de 31 de outubro de 1995.Curitiba, 1995. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2013.

PIMENTA, Selma Garrido. (Coord.) Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez, 2006.

SACRISTÁN, Gimeno. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, António. Profissão Professor. Portugal: Porto Editora, 2014. p.63-92.

SANTOS, Oder José dos. Pedagogia dos conflitos sociais. Campinas: SP, Papirus,1992.

SILVA, Roberto da; SOUZA NETO, João Clemente de; MOURA, Rogério Adolfo de. Pedagogia Social. São Paulo: Expressão e Arte Editora, 2014. v.1. p.270-289.

SCHMIED-KOWARZIK, Wolfdietrich. Pedagogia dialética: de Aristóteles a Paulo Freire. Tradução: Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

VÁSQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – CLACSO; São Paulo: Expressão Popular, 2007. Tradução: María Encarnación Moya.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n48.13245

Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br