Estado e política educacional: o receituário do liberalismo social-democrata

Roberto Antonio Deitos, Angela Mara de Barros Lara

Resumo


Examinamos, neste artigo, algumas proposituras contidas nos receituários do liberalismo social-democrata no campo das tendências para a política educacional, com especial destaque para as proposituras no campo da política educacional brasileira. O foco de análise recai sobre as proposituras empreendidas para justificar ideológica e economicamente as reformas educacionais que ganharam corpo a partir da década de 1990 e foram sendo implementadas com o aval gerencial e político-coercitivo de vários Organismos Internacionais, com destaque, para o caso da América Latina, o BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Banco Mundial, como agências proeminentes do processo de globalização do capital.

Palavras-chave


Estado e política educacional. Liberalismo social-democrata

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n29.3682

Direitos autorais



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br