Os ardis da hipermodernidade:jovens, cotidiano escolar,educação, consumo e integração social

Rafael Lopes Sousa

Resumo


Resumo

Este artigo apresenta, no contexto das investigações que vêm ocorrendo sobre a cultura de aproximação e distanciamento dos jovens com a educação formal, a perspectiva de uma leitura que procura entender qual política-pedagógica é oferecida para os jovens da hipermodernidade. Analiso paisagens em transição, e momentos de rupturas que se evidenciam nas intervenções e questionamentos que educadores e educando apresentam para combater os pressupostos da humanização pelo consumo. A análise decorre da problematização do caráter simbólico ou estratégico que a mercadoria desempenha na existência dos jovens, estará considerando as possibilidades ou não da sociedade brasileira correr o risco de viver novas experiências e formulações de cidadania que a agenda da democratização escolar trouxe para pensar algumas questões cruciais do Brasil contemporâneo. Considerando tal perspectiva, problematizo as práticas de intervenção no espaço escolar e destaco a importância que o fetiche da mercadoria desempenhou e desempenha na reorientação do papel e da posição social da escola para a hipermodernidade. 


Palavras-chave


Educação; Ciências humanas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n34.4803

Direitos autorais



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br