A sexta meta do pne 2014-2024: um diálogo possível em busca de uma educação integral e(m) tempo integral

Gustavo José Albino de Sousa, Nathália Cortes do Espírito Santo, Elisangela da Silva Bernado

Resumo


Este artigo se propõe a realizar uma análise sobre as objetivações apresentadas na Meta 6 do novo Plano Nacional de Educação (PNE) (2014-2024). Esta ambiciosa Meta estipula que, até o fim de vigência do Plano, 50% das escolas públicas brasileiras ou 25% dos estudantes estejam matriculados tempo integral na escola. Para realizar estas reflexões, nos debruçamos sobre a temática da ampliação da jornada diária escolar. Dentre as possíveis conclusões alcançadas, entendemos que a educação oferecida em tempo integral não corresponde a apenas ampliar o tempo de permanência dos educandos na escola ou sob responsabilidade dela. Significa também realizar um salto qualitativo na oferta educacional. Além disso, a pretensão esboçada na Meta 6 necessita também romper com históricas marcas da política brasileira pós-redemocratização, como a não consolidação de regime de colaboração. 

Palavras-chave


educação em tempo integral; educação integral; Plano Nacional de Educação;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n37.5556

Direitos autorais



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br