Aplicação de entrevistas em pesquisa qualitativa

Luciano Ferreira da Silva, Rosária de Fátima Segger Macri Russo

Resumo


Este comentário editorial tem como objetivo discutir o processo aplicação de entrevistas em pesquisa qualitativa. A entrevista é uma rica fonte de evidências desde que seja bem empregada, o que gera validade, com análise e interpretação adequada, resultando em uma pesquisa confiável. Um aspecto relevante nesse método é o grau de interação e profundidade na “conversa direcionada” com o entrevistado. Este diálogo proporciona compreender a intersubjetividade do entrevistado, permitindo ao pesquisador descrever a realidade social pesquisada. Contudo, essa compreensão depende da competência e do preparo do entrevistador. Entrevistas mais objetivas permitem depreender frações superficiais dos sentimentos, percepções e atitudes dos entrevistados. Por outro lado, entrevistas em profundidade e Focus Group permitem compreender a realidade do entrevistado a partir da sua perspectiva. Esperamos contribuir na obtenção de pesquisas com uma melhor aplicação de entrevistas, o que contribuirá com o processo de análise e construção dos achados, melhorando a qualidade de artigos recebidos.


Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Berg, B. L. (2001). Qualitative research methods for the social sciences. Pearson.

Bringer, J. D., Johnston, L. H., & Brackenridge, C. H. (2006). Using computer-assisted qualitative data analysis software to develop a grounded theory project. Field methods, 18(3), 245-266.

Charmaz, K. (2006). Constructing grounded theory: A practical guide through qualitative analysis. London: Sage.

Creswell, J. W. (2010). Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. London: Sage.

Dilley, P. (2000). Conducting successful interviews: Tips for intrepid research. Theory into practice, 39(3), 131-137.

Edwards, R., & Holland, J. (2013). What is qualitative interviewing? London: Bloomsbury.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de saúde pública, 24, 17-27.

Fowler Jr, F. J. (2011). Pesquisa de Levantamento. 4a. Ediçãp. Porto Alegre: Penso Editora.

Friese, S. (2014). Qualitative data analysis with ATLAS. ti. 2nd Edition. London: Sage.

Gamboa, S. A. S. (2003). Pesquisa qualitativa: superando tecnicismos e falsos dualismos. Revista Contrapontos, 3(3), 393-405.

Gioia, D. A., Corley, K. G., & Hamilton, A. L. (2013). Seeking qualitative rigor in inductive research: Notes on the Gioia methodology. Organizational Research Methods, 16(1), 15-31.

Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (1967). The discovery of Grounded Theory: Strategies for qualitative research. Chicago: Aldire.

Glesne, C. (2015). Becoming qualitative researchers: An introduction. 5th Edition. London: Pearson.

Kovács, G., & Spens, K. M. (2005). Abductive reasoning in logistics research. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 35(2), 132-144.

Mack, N., Woodsong, C., MacQueen, K. M., Guest, G., & Namey, E. (2005). Qualitative research methods: A data collector’s field guide. USAID, Family Health International.

Mason, J. (2018). Qualitative researching. 3rd Edition. London: Sage.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Minayo, M. C. S., & Costa, A. P. (2018). Fundamentos Teóricos das Técnicas de Investigação Qualitativa. Revista Lusófona de Educação, 40 (40).

Orlandi, E. P. (2012). Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes.

Saillard, E. K. (2011). Systematic versus interpretive analysis with two CAQDAS packages: NVivo and MAXQDA. In Forum Qualitative Sozialforschung/Forum: Qualitative Social Research, 12(1).

Silva, A. B., Godoi, C. K., & Bandeira-de-Mello, R. (2000). Pesquisa Qualitativa Em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Saraiva.

Silva, L. F., Russo, R. D. F. S. M., & de Oliveira, P. S. G. (2018). Quantitativa ou qualitativa? um alinhamento entre pesquisa, pesquisador e achados em pesquisas sociais. Revista Pretexto, 19(4), 30-45.

Westerman, M. A. (2011). Conversation analysis and interpretive quantitative research on psychotherapy process and problematic interpersonal behavior. Theory & Psychology, 21(2), 155-178.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v10i1.13285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
http://www.revistagep.org