v. 3, n. 2 (2014)

Julho-Dezembro

Editorial RGSS Vol.3, N.2 – 2014


A saúde é uma das áreas caracterizadas por intensa intersetorialidade, uma vez que para a execução de suas atividades quer seja na esfera pública ou suplementar depende de diversos fatores, que extrapolam em muito os aspectos puramente técnicos que, pela sua natureza, já são de elevada complexidade. Tendo essa característica ímpar, impactos em outros setores, como por exemplo no âmbito econômico podem ter reflexos na saúde nem sempre facilmente mensuráveis ou mesmo passíveis de estudo.

Neste número da RGSS, apresentamos um trabalho de Portela & Fernandes (2014) que conduziram elegante pesquisa abordando o potencial impacto da crise financeira global na saúde analisando a acessibilidade aos sistemas de saúde de diferentes países europeus antes e pós crise. Esses autores avaliaram ainda possível associação entre aplicação de medidas econômicas austeras, desemprego e necessidades médicas não atendidas em alguns países mas não em outros tais como Portugal, Grécia e Irlanda.

 O artigo supra mencionado, além de sua relevância global é também o primeiro artigo internacional publicado na RGSS, tendo sido elaborado pelos Professores Maria da Conceição Constantino Portela (Universidade Católica Portuguesa e da Escola Nacional de Saúde Pública de Portugal) e por Adalberto Campos Fernandes  (Universidade Nova de Lisboa).

A importância dessa colaboração pioneira se faz ainda mais evidente no atual cenário global em que vários desafios têm que ser enfrentados na saúde como a recente epidemia do vírus Ebola que assola vários países da África; o nível de obesidade que tem atingido níveis alarmantes em diversos países, incluindo o Brasil; as intensas mudanças climáticas que tem causado perdas consideráveis na lavoura e consequente aumento de preços e disponibilidade de alimentos; número crescente de pacientes com câncer, o que exige, habitualmente tratamentos dispendiosos e nem sempre acessíveis a indivíduos em países de baixo /médio IDH.

Como consequência destes fatos, torna-se imperativo uma análise da saúde em várias regiões e países, observando-se a grande diversidade entre sociedades quanto a normas, valores, cultura e interesses, assim como pela ampla inequidade na distribuição de recursos e de equipamentos de saúde. 

Uma resposta a esse quadro complexo requer um aprimoramento da governança dos sistemas de saúde em todos os níveis de atuação na busca incessante por resultados, melhor qualidade e menores custos para toda população.

Com esse intuito, convidamos os leitores a fazerem uma reflexão quanto à compreensão pela qualidade na saúde pública, à avaliação do desempenho, o estudo da eficiência do SUS, à inovação tecnológica na gestão em saúde e aos desafios dos gestores de saúde para desenvolverem as ações sanitárias de sua reponsabilidade.

Boa leitura!

 

Referência Bibliográfica

Portela, M.C.C.; Fernandes, A.C. Does austerity drives healthcare accessibility? (2014). Revista Gestão em Sistemas de Saúde - RGSS, 3(2),01-10.

 

 

Profa.Dra.Márcia Cristina Zago Novaretti

Editora Executiva da Revista Gestão em Sistemas de Saúde-RGSS

Professora Mestrado Profissional Gestão em Sistemas de Saúde

Universidade Nove de Julho

 

Prof.Dr.César Augusto Biancolino

Editor Adjunto Diretor do Programa de Mestrado Profissional Gestão em Sistemas de Saúde

Universidade Nove de Julho


Sumário

Artigos

Maria da Conceição Constantino Portela, Adalberto Campos Fernandes
PDF
01-10
Luis Hernan Contreras Pinochet, Aline de Souza Lopes, Jheniffer Sanches Silva
PDF
11-29
Flávia Fernandes, Maria Edneia Ferreira, Eduardo Ribeiro Rodrigues
PDF
30-44
Leandro Politelo, Vitor Paulo Rigo, Nelson Hein
PDF
45-60
Gracieli Aparecida Wolfart, Geisiane Michelle da Silva, Carla Maria Schmidt
PDF
61-74
Sheila Jeane Schulz, Vanderlei Gollo, Fabricia Silva da Rosa, Jorge Eduardo Scarpin
PDF
75-86
Antônio Carlos Rodrigues, Noel Torres Júnior
PDF
87-101
Isabel Barros Rasia, Pelayo Munhoz Olea, Gustavo Rosa Borges, Cristine Hermann Nodari
PDF
102-113
Simone Aquino
PDF
114-124