Transatlântico cinematográfico: aproximações e distanciamentos na formação do instituto nacional de cinema educativo

Rafael Fermino Beverari

Resumo


Este artigo aborda a influência da cinematografia educativa internacional na formação do Instituto Nacional de Cinema Educativo (INCE). Reconhecido como primeiro órgão oficial voltado ao audiovisual em território nacional, o INCE funcionou de 1936 a 1966 no interior do Ministério da Educação e Saúde Pública com uma produção total de 407 obras entre curtas e médias metragens voltados à educação popular. Mediante uma pesquisa documental do Arquivo Gustavo Capanema, a pesquisa busca esboçar as aproximações e distanciamentos, nos primórdios deste órgão brasileiro, das experiências de cinema educativo na França, Itália, Alemanha e Estados Unidos em um período marcado por distintos projetos políticos do entreguerras.


Palavras-chave


pandemia; ensino remoto; coronavirus; educação

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Joaquim Canuto Mendes de. Cinema Contra Cinema. São Paulo: Editora Limitada, 1931.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas - reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

AZEVEDO et al. Manifestos dos pioneiros da Educação Nova. Recife: Massangana, 2010.

BERNARDET, Jean-Claude. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 1980

BRASIL. Decreto nº21.240, de 4 de abril de 1932 in Diário Oficial da União - Seção 1 - 15 de abril de 1932, p. 7146, 1932.

BRASIL. Lei nº 378, de 13 de janeiro de 1937 in Diário Oficial da União - Seção 1 - 15 de janeiro de 1937, p. 1210, 1937.

BRASIL. Decreto nº 20301, de 2 de janeiro de 1946 in Diário Oficial da União - Seção 1 - 10 de janeiro de 1946, p. 403, 1946.

CARVALHAL, Fernanda Caraline de Almeida. Luz, câmera, educação! - O Instituto Nacional de Cinema Educativo e a formação da cultura áudio-imagética escolar. Dissertação (Mestrado) Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2008.

GOMES, Angela de Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

IANNI, Octávio. Estado e planejamento econômico no Brasil. São Paulo: Civilização Brasileira, 1971.

LESSA, Renato. A invenção republicana: Campos Sales, as bases e a decadência da Primeira República brasileira. Rio de Janeiro:Topbooks, 2015.

MARTINS, Luciano. A gênese de uma intelligentsia; os intelectuais e a política no Brasil, 1920-1940. São Paulo: Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 4, 1987.

ROQUETTE-PINTO, Edgard. Notas Sobre os tipos antropológicos do Brasil. In: Actas e Trabalhos do I Congresso Brasileiro de Eugenia, Rio de Janeiro, vol. I, 1929.

SERRANO, Jonathas e VENÂNCIO FILHO, Francisco. Cinema e Educação. São Paulo, Cayeiras, Rio: Melhoramentos, vol. XIV, 1930a.

SERRANO, Jonathas. The educational cinema at Rio de Janeiro. International Review of Educational Cinematography, p.1186-1188, out 1930b, n. 10.

SIMIS, Anita. Estado e cinema no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

SOUZA, Carlos Roberto de. Catálogo filmes produzidos pelo INCE. Rio de Janeiro : Fundação do Cinema Brasileiro, 1990.

TOMAIM, Cássio dos Santos. Janela da Alma: Cinejornal e Estado Novo -fragmentos de um discurso totalitário, São Paulo: Annablume, 2006.

VARGAS, Getúlio. O cinema nacional, elemento de aproximação dos habitantes do País. In: A nova política do Brasil. Rio de Janeiro : José Olympio, 1938.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v20n2.19683

Direitos autorais 2021 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional