Políticas públicas para a educação no Brasil: do terceiro setor ao processo de privatização do ensino superior

Patrícia Lakchmi Leite Mertzig, Camila Tecla Mortean Mendonça, Maria Luisa Furlan Costa

Resumo


Neste artigo, objetivamos refletir sobre a influência de organismos internacionais, como o Banco Mundial (BM), o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) nas políticas públicas para o Ensino Superior no Brasil. A adoção de políticas neoliberais teve início na década de 1990 e, desde então, estamos assistindo a uma série de mudanças que vão desde o incentivo e proliferação de Organizações não Governamentais (ONGs), enquanto terceiro setor, até aquelas que estão nos levando à privatização de todas as etapas da educação, de modo a chegar ao Ensino Superior. Por meio de uma abordagem bibliográfica e documental, o artigo realiza uma breve reflexão sobre o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (BRASIL, 1995) e as recomendações do BM, FMI e da Unesco para a Educação. Autores como Netto e Braz (2010), Mészáros (2008), dentre outros, clarificam a influência de uma política pública baseada no ideário neoliberal para a Educação. Como exemplos, ponderamos sobre a Lei nº 11.769 de agosto de 2008, que versa sobre a obrigatoriedade do ensino de música nas escolas brasileiras e quanto à oferta desse ensino realizado por diversas ONGs. Observamos que, da mesma maneira, são semelhantes os discursos em prol da privatização do Ensino Superior que utilizam, inclusive, a Educação a Distância (EaD). Concluímos que essas agências internacionais primam por manter vantagens ao mercado em detrimento de benefícios humanos, alterando, sobremaneira, as relações entre Estado, mercado e sociedade.


Palavras-chave


educação; ensino de música; ensino superior; neoliberalismo

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Volume I: síntese. Novembro, 2017.

BORGES, Maria Creuza de Araújo. A visão de educação superior do Banco Mundial: recomendações para a formulação de políticas educativas na América Latina. RBPAE, Brasília, v. 26, n. 2, p. 367-375, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org.). Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em:

http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9057.htm. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2009]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Lei n° 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei n°9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11769.htm. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC/SEF, 2000.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Censo Demográfico 2017. Resultados gerais da amostra. IBGE. Brasília, DF: Secretaria de Política Econômica, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF: MP, 1995. Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/ editoria.asp?p=editoria&index=25&ler=t524. Acesso em: 20 nov. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A crise da América Latina: consenso de Washington ou crise fiscal? Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 5-22, 1991.

CARINHATO, Pedro Henrique. Neoliberalismo, reforma do estado e políticas sociais nas últimas décadas do século XX no Brasil. Revista Aurora, Marília, v. 2, n. 3, p. 37-49, 2008.

FIORI, José Luís. Ajustes e milagres latino-americanos. In: FIORI, José Luís. Os Moedeiros Falsos. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 47-59.

LARA, Angela Mara de Barros; SILVA, Jani Alves da. Políticas públicas para a educação infantil no Brasil: qualidade, descentralização e focalização. In: AZEVEDO, Mário Luiz Neves de (org.). Políticas Públicas: debates contemporâneos e educação. Maringá: Eduem, 2008. p. 107-137.

MENDONÇA, Camila Tecla Mortean. O Estado do conhecimento na educação superior a distância e a intervenção dos organismos internacionais nas políticas públicas (2001 a 2014). 2016. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. Tradução: Isa Tavares. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PERES, José Roberto Pereira. Questões atuais do Ensino de Arte no Brasil: o lugar da Arte na Base Nacional Comum Curricular. Revista de Educação, Desenho e Artes Visuais do Colégio Pedro II, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 24-36, 2017.

ROBERTSON, Susan Lee. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educação, [S. I.], v. 17, n. 50, p. 283-302, 2012.

ROMERO, Ana Paula Hamerski; NOMA, Amélia Kimiko. “Novos” movimentos da sociedade civil, no final do século XX: o terceiro setor na educação. In: AZEVEDO, Mário Luiz Neves de (org.). Políticas Públicas: debates contemporâneos e educação. Maringá: Eduem, 2008. p. 81-105.

SANTOS, Ademar Sousa dos. A reforma administrativa do Estado brasileiro nos anos 90 e a proposta de descentralização educacional. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 7, n. 11, p. 53-72, 2011.

TORRES, Rosa Maria. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, Lívia; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio (org.). O Banco mundial e as políticas educacionais. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003. p. 125-193.

UNESCO/MEC. Educação, um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC/UNESCO, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.10781

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional