Cham. artigos/Call for papers 2020

Disponível em português e inglêsAvailable in portuguese and english 


 Título: Comuns urbanos em disputa 

 

Há um interesse crescente no campo dos estudos urbanos sobre o tema dos comuns, tanto em  abordagens teóricas quanto em estudos que descrevem experiências que se aproximam de sua aplicação. A ideia do comum como bandeira de luta e reivindicação do mundo contra as privatizações e cercamentos – ou seja, para além da lógica da mercadoria e da propriedade – é retomada no imaginário político de movimentos e ativistas a partir dos movimentos altermundialistas dos anos 1990 e se consolida com o novo ciclo de protestos globais que ocorreram durante a segunda década do século XXI. A luta pelo direito à cidade por meio da defesa de recursos comuns, geridos coletivamente, emerge como uma forma de resistência e de construção coletiva e também caracteriza um princípio político, não a ser atribuído, mas a ser instituído. Ao propor um poder político comunitário – ou um sujeito político coletivo, baseado na articulação local, numa certa comunalidade da vida urbana construída no cotidiano –, esse tipo de ação deixou de ver o Estado como único instrumento de provisão e regulação. A questão dos comuns urbanos é bastante ampla e coloca uma série de questões e desafios a serem aprofundados, que vão desde pensar articulações possíveis entre o marco legal e as experiências concretas, buscando consolidar as conquistas da ação coletiva, a inovações jurídicas que subsidiem o franqueamento da cidade aos cidadãos; aos próprios desafios intrínsecos ao comum, como a cogestão e o processo de constituição da comunidade, que não preexiste, mas se estabelece durante a experiência. A partir desta reflexão, a revista GeAS – Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade abre uma chamada para artigos a fim de compor o dossiê “Comuns urbanos em disputa”. São bem-vindos todos os artigos que investiguem a questão desde suas mais variadas perspectivas, incluindo abordagens descritivas ou conceituais que proponham outras maneiras de existir neste devir-mundo, a potência transformadora do comum, as fissuras e possibilidades que ele promove, bem como suas implicações territorializadas como horizonte utópico. Diretrizes para Autores.

Prazo: 15 de outubro de 2020.

 

Organizadoras

Cintia de Castro Marino (UNINOVE) 

Maria Carolina Maziviero (UFPR).

 

Contato para suporte

Gabryela Medeiros - Assistente editorial

e-mail: revistageas@uninove.br

http://www.revistageas.org.br/

______________________________________________________________________

 Title: Urban commons in dispute 

 

There is a growing interest in the field of urban studies on the subject of commons, both in theoretical approaches and in studies that describe experiences that are close to its application. The idea of the common as a motto in the struggle for a world against privatizations and fences – that is, beyond the logic of merchandise and private property – is taken up in the political imagery of movements and activists from the alterglobalism of the 1990’s and consolidates with the new cycle of global protests that took place during the second decade of the 21st century. The struggle for the right to the city through the defence of common resources to be managed collectively emerges as an instrument of resistance and collective construction, and also as a political principle, not to be attributed, but to be instituted. By proposing a community political power – or a collective political subject, based on local articulation, on a certain communality of urban existence built in a daily life –, this type of action no longer sees the State as the only instrument of provision and regulation. The issue of urban commons is quite broad and poses a series of questions and challenges to be deepened, ranging from thinking of possible articulations between the legal framework and concrete experiences, seeking to consolidate the achievements of collective action, to legal innovations that subsidize the franchising of the city to citizens; to the very challenges intrinsic to the commons – such as co-management and the process of constituting the community – they do not pre-exist, but they should be established during the experience. Based on this reflection, the journal GeAS – Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade opens a call for papers in order to compose the dossier “Urban commons in dispute”. We welcome articles that examine the question from different perspectives, including descriptive or conceptual approaches that propose other ways of existing in this becoming-world, the transforming power of the common, the fissures and the possibilities that it fosters, and its territorialized implications as a utopian horizon. Author Guidelines.

Deadline: October 15, 2020.

 

Editors of this issue

Cintia de Castro Marino (UNINOVE)

Maria Carolina Maziviero (UFPR)


Support contact

Gabryela Medeiros - Editorial assistant

e-mail: revistageas@uninove.br

http://www.revistageas.org.br/