Gestão de projetos no terceiro setor angolano: uma análise para 6 ONGS

Raíza Fernandes Aragão, Danielle Evelyn de Carvalho

Resumo


Buscar compreender como Organizações Não Governamentais angolanas gerenciam seus projetos e como a aplicação das boas práticas em gestão pode impulsionar a atuação dessas é fundamental para se alcançar um maior nível de profissionalização e, consequentemente, uma melhor resposta social dessas organizações. O presente trabalho tem por objetivo compreender quais aspectos da gestão de projetos preconizada pelo PMI são incorporados no dia a dia de projetos desenvolvidos por ONGs angolanas. O delineamento da pesquisa fundamentou-se, sobretudo, no estudo de caso, utilizando a análise documental, entrevista e observação, em que se apoiou em uma pesquisa qualitativa/exploratória. As entrevistas foram guiadas e aplicadas por meio de questionário online, enviado via e-mail, para membros de seis ONGs angolanas que desenvolvem projetos em diversos setores sociais na cidade de Luanda. Como resultado, foi analisada a adoção das práticas sugeridas pelo PMBOK no que tange ao Gerenciamento do Escopo, do Tempo, dos Custos e das Partes Interessadas. Observou-se um cenário promissor e receptivo às boas práticas em Gestão de Projetos, mas com uma realidade de aplicação ainda inaugural em boa parte das entidades. Um dos principais desafios apontados pelos entrevistados das ONGs é na captação de recursos, seguida pela falta de pessoal qualificado para gerir os projetos e número reduzido de equipe. Também foram encontradas dificuldades em relação ao gerenciamento dos stakeholders, notando-se uma fraca aplicação da gestão de projetos no que toca à prestação de contas para as partes interessadas, além das divergências entre funcionários em relação à situação de pessoas contratadas pelas ONGs.

 


Palavras-chave


Angola; Organizações da sociedade civil; Projetos sociais; Gestão de projetos

Texto completo:

PDF

Referências


Assis, J. (2015). Práticas sociais e políticas das ONGs em Angola. Metodologias e relações de poder: O caso da ADRA e da Visão Mundial. Mulemba, (5 (10), 261-288. doi: https://doi.org/10.4000/mulemba.2037

Bomfin, D. F, Nunes, P., & Hastenreiter, F. (2012). Gerenciamento de Projetos Segundo o Guia PMBOK: Desafios para os Gestores. Revista De Gestão E Projetos, 3(3), 58-87. doi: https://doi.org/10.5585/gep.v3i3.78

Bose, M., & Schoenmaker, L. (2006). Especificidades da gestão de pessoas no terceiro setor. Revista Eletrônica De Ciências Administrativas, 5(2), 1-16. doi: https://doi.org/10.5329/recadm.20060502004

Ehlers, E. M., & Calil, L. P. (2004). Monitoramento e avaliação: uma oportunidade de aprendizagem. In: Voltolini, R (Org.) Terceiro setor: planejamento e gestão, 2, 103-120. São Paulo: Editora Senac.

Campos, L. F. R. (2012). Gestão de Projetos. Curitiba-PR: Instituto Federal Paraná.

Cardoso, R. (2004). Sustentabilidade, o desafio das políticas sociais no século 21. São Paulo em perspectiva, 18(2), 42-48. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-88392004000200005

Carrilho, T. (2008). Conceito de parceria: três projectos locais de promoção do emprego. Análise Social, 81-107.

Carvalho, C. M. S., & Felizola, M. P. M. (2009). A importância do marketing na captação de recursos para o terceiro setor. In UNIT–Universidade Tiradentes (SE). Intercom–Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste, Brasília/DF (pp. 4-6).

Central Intelligence Agency (CIA). 2018. The World Factbook. Disponível em: https://www.cia.gov/library/publications/resources/the-world-factbook/fields/370.html

Acesso em: 17 jun. 2020.

Conceição, A. F., & Silva, A. P. H. (2019). Project Management and Resource Management in The Third Sector: The Case of TV OVO. Brazilian Journal of Management & Innovation, 7(1), 24-44.

Cruz, C. M., & Estraviz, M. (2000). Captaçäo de diferentes recursos para organizaçöes sem fins lucrativos. In: Captaçäo de diferentes recursos para organizaçöes sem fins lucrativos. (pp. 158-158).

Garcia, Cláudia Maria Serpa (2016) - Governança: uma estratégia para o terceiro setor face ao contexto de austeridade. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente. ISSN 1647-4120. 7:1-2 (jan.-dez. 2016) 171-191.

Gil, A. (2018). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hernandez, Y., & Cormican, K. (2016). Towards the effective management of social innovation projects: Insights from project management. Procedia Computer Science, 100, 237-243.

Hitt, M. A.; Ireland, R. D.; Hoskisson, R. E. (2012). Strategic management cases: competitiveness and globalization. California: Cengage Learning.

Instituto Nacional de Estatística (INE). 2019. Folha de Informação rápida IEA. Disponível em: https://www.ine.gov.ao/. Acesso em: 17 jan. 2020.

Jha, K. N., & Iyer, K. C. (2006). Critical determinants of project coordination. International Journal of Project Management, 24(4), 314-322. doi: https://doi.org/10.1016/j. ijproman.2005.11.005.

Keleckaite, M., & Meiliene, E. (2015). A importância das metodologias e ferramentas de gestão de projetos em organizações não governamentais: estudo de caso da Lituânia e da Alemanha. PM World Journal, 4 (7), 1-17.

Maximiano, A. C. A. (2014). Administração de projetos: como transformar ideias em resultados. São Paulo: Atlas.

Mendonça, L. R. de, & Machado Filho, C. A. P. (2004). Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(4).

Ministério da Economia e Planeamento. 2018. Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022. Disponível em: http://www.mep.gov.ao/VerPublicacao.aspx?id=1590. Acesso em: 17 jan. 2020.

Ministério da Economia e Planeamento. 2019. Aproveitar o potencial da juventude para colher o dividendo demográfico em Angola. Luanda, Angola. Disponível em: https://www.afidep.org/publication/aproveitar-o-potencial-da-juventude-para-colher-o-dividendo-demografico-em-angola/ Acesso em: 17 jan. 2020.

Nemoto, M. C. O., Silva, D. A., & Pinochet, L. H. C. (2018). Avaliação de aplicações das boas práticas na gestão de projetos sociais para instituições do terceiro setor. Revista de Gestão e Projetos, 9(3), 67-80.

OGC (Office of Government Commerce). (2009). Managing Successful Projects with PRINCE2. United Kingdom: The Stationary Office.

Oliveira, B., Ross, E. S., & Altimeyer, H. Y. (2005). Proposta de um modelo de planejamento estratégico para instituições sem fins lucrativos. Revista da FAE, 8(1), 69–80.

Pedrosa, A. C. G., Cabral, A. C., Pessoa, M. N. M., Parente, T. C., Penha, E. D. S., & Alves, R. A. (2009). Competência gerencial no terceiro setor: um estudo em Organizações Não Governamentais na cidade de Fortaleza-Ceará. In: XXXIII Encontro da ANPAD. São Paulo/SP.

Pereira, R.S.; Moraes, F.C.C.; Mattos Junior, A.B.; Palmisano, A. (2013). Especificidades da Gestão no Terceiro Setor. Revista Organizações em Contexto. 9(18): 167-195.

Prado, D. (2016). Maturidade em gerenciamento de projetos (Vol. 7). Nova Lima: Falconi Editora.

Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). (2018). Relatório de Desenvolvimento Humano. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/library/idh/relatorios-de-desenvolvimento-humano/relatorio-do-desenvolvimento-humano-2018.html. Acesso em: 17 jan. 2020.

PMI - Project Management Institute. (2017). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos [Guia PMBOK]. Newtown Square, PA: Project Management Institute.

Ribeiro, B. A. (2011). Os passos metodológicos para a elaboração de projetos sociais. Conexão ciência (Online), 5(1), 11-22.

Silva, L. B. C. (2017). GESTÃO DE PROJETOS NO TERCEIRO SETOR: Estudo de caso da ONG GACC em São Luís-MA. Monografia de graduação. Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

Silveira, R. B. da, de Souza Campos, L. M., & Marcon, R. (2006). A segmentação e a promoção na captação de recursos: um estudo em fundações do terceiro setor. Revista de Administração FACES Journal.

Siqueira, L. D., Crispim, S. F., & Gaspar, M. A. (2017). A influência do escritório de projetos e da estrutura organizacional projetizada no alinhamento dos projetos de tecnologia da informação aos modelos de negócios. Revista Gestão & Tecnologia, 17(2), 66-92. doi: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2017.v17i2.1132

Tenório, F. G. (2015). Gestão de ONGs: principais funções gerenciais. Rio de Janeiro: Editora FGV.

The Standish Group. (2010). Chaos Summary for 2010. The Standish Group, Boston, MA.

Tuzzo, S. A., & Braga, C. F. (2016). O processo de triangulação da pesquisa qualitativa: o metafenômeno como gênese. Revista Pesquisa Qualitativa, 4(5), 140-158.

Valadão, V. M., Malaquias, R. F., & de Sousa, E. G. (2008). Controladoria como uma opção à sustentabilidade econômica nas organizações de Terceiro Setor: o caso de uma associação. Revista Contemporânea de Contabilidade, 5(9), 131-152.

Vargas, R. V. (2005). Gerenciamentode projetos: estabelecendo diferenciais competitivos. Rio de Janeiro: Brasport.

World Health Organization (WHO) (2017). Tracking universal health coverage: 2017 Global Monitoring Report. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/259817/9789241513555-eng.pdf. Acesso em: 03 mai. 2021.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v12i3.19549

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2022 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional