O exercício da autonomia: um caminho para a resistência e construção de significados

Sônia Regina Guaraldo, Alberto Albuquerque Gomes

Resumo


O presente artigo pretende discutir o exercício da autonomia dos profissionais de educação na construção de significados frente a propostas formuladas em nível macro nas estruturas de governo. Para tanto, à luz dos pressupostos foucaultianos, parte-se da contextualização das questões educacionais no conjunto da sociedade do desempenho, buscando-se compreender as múltiplas interferências da economia neoliberal na educação como também compreender como o sujeito se constitui frente às relações de poder, no sentido de “conduzir ações de outrem”. Tais pressupostos, são ampliados por Basil Bernstein, buscando-se compreender como mecanismos de poder e controle interferem nas relações entre os sujeitos de um mesmo ou de diferentes níveis hierárquicos, gerando a partir de vozes específicas a reprodução/produção de determinadas mensagens. Conclui-se que o exercício da autonomia e uso consciente da razão são possíveis a partir de um posicionamento racional, teórico e ético frente às grandes problemáticas atuais.


Palavras-chave


Autonomia; Poder; Controle; Política de Formação.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico. Classes, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1990.

BERNSTEIN, Basil. Poder, Educacion y Conciencia: Sociología de la Transmisión Cultural. Santiago: Cide Ediciones, 1988.

BRANCO, Castelo Guilherme; Veiga-Neto, Alfredo (org.). Foucault: Filosofia e Política. Belo Horizonte : Autêntica Editora, 2011.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: Uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Campinas: Educação e Sociedade, vol. 27, n. 94 p. 47- 69, jan/abr. 2006.

MORAIS, Ana Maria; NEVES, Isabel. A teoria de Basil Bernstein: alguns aspectos fundamentais. Ponta Grossa: Práxis Educativa, v2, n. 2, p. 115-130, jul-dez. 2007.

DUARTE, André. Foucault e a governamentalidade: genealogia do liberalismo e do Estado moderno. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (Orgs.). Foucault, filosofia e política. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

FOUCAULT, Michel. O que são as luzes? In: FOUCAULT, Michel.. Ditos e escritos II. Arqueologia das ciência e história dos Sistemas do Pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008, p. 235 – 351.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert. Uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, Michel. O olho do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In: FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Direito de morte e poder sobre a vida. In: FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. A vontade de saber. Edições Graal: Rio de Janeiro, 1988.

HAN, Buyng-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

LEFEBVRE, H. La presencia y la ausencia – contribuición a la teoria de las representaciones. México: Fondo de Cultura Económica, 1983. edição original: 1980.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v19n1.11403

Direitos autorais 2020 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2020 Todos os direitos reservados.