Diferentes modos de ser menina e de ser menino na Educação Infantil

Zinia Fraga Intra, Ivone Martins de Oliveira

Resumo


Neste trabalho, buscamos compreender a constituição do eu entre meninas e meninos na Educação Infantil em uma abordagem histórico-cultural: baseamo-nos em Vigotski para entendermos o papel do outro na constituição do sujeito e em Wallon para compreendermos os percursos do desenvolvimento infantil. A pesquisa constituiu-se em um estudo de caso de uma turma de crianças de cinco a seis anos de uma unidade de Educação Infantil. As análises priorizaram a interação entre as crianças, com enfoque nos modos de ser menina e ser menino nas relações com os outros; os diferentes papéis assumidos pelas crianças; e os conflitos gerados nessa interação. A pesquisa evidenciou a importância do papel mediador do professor nas interações entre as crianças, proporcionando-lhes maior riqueza de possibilidades de vivenciar novos papéis e de questionar e refletir sobre valores e padrões cristalizados. 

Palavras-chave


Constituição do eu; Interação. Gênero;Educação infantil

Texto completo:

PDF

Referências


BUSS-SIMÃO, M. Gênero como possibilidade ou limite da ação social: um olhar sobre a perspectiva de crianças pequenas em um contexto de educação infantil. Revista Brasileira de Educação. v. 18 n. 55, p. 939-1.64, 2013.

CARVALHO, A. M. A; RUBIANO, M. R. B. Vínculo e compartilhamento na brincadeira de crianças. In: CARVALHO, A. M. A. et al. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 171-188.

CARVALHO, R. S; GUIZO, B. S. Políticas curriculares de educação

Infantil: um olhar para as interfaces entre gênero, sexualidade e escola. Revista da FAEBRA. Salvador, v. 25, n. 45, p. 191-201, 2016.

CHARLOT, B. A criança no singular. Revista Pedagógica. São Paulo, v. 2, n. 10, p. 5-15, 1996.

CIPOLLONE, L. Diferença sexual, dimensão interpessoal e afetividade nos contextos educacionais para a infância. Pró-posições, Dossiê educação infantil e gênero, Campinas, v.1, n. 3, p. 25-40, 2003.

COSTA, A. Cenas de meninas e meninos no cotidiano institucional da Educação Infantil: um estudo sobre as relações de gênero. 2004. 157f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

FELIPE, J., GUIZZO, Bianca S. Erotização dos corpos infantis na sociedade de consumo. Pró-posições. Dossiê educação infantil e gênero. Campinas, v. 1, n. 3, p.119-132, 2003.

FINCO, D. Faca sem ponta, galinha sem pé, homem com homem, mulher com mulher: relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na pré-escola.2004, 184f. Dissertação. (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas: 2004.

GOBBI, M. A. Lápis vermelho é de mulherzinha: desenho infantil, relações de gênero e Educação Infantil. 1997. 157f. Dissertação. (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

GÓES, M. C.R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Caderno Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES). CEDES: São Paulo, ano XX, n. 50, p. 9-25, 2000.

______. A formação do indivíduo: nas relações sociais: Contribuições teóricas de Lev S. Vigotski e Pierre Janet. Educação e Sociedade, Revista Quadrimestral de Ciência da Educação/Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES), Campinas, nº 71, p. 116-131, 2000a.

JOBIM e SOUZA, S. Ladrões de sonhos e sabonetes. Sobre os modos de subjetivação da infância na cultura do consumo. In: JOBIM E SOUZA, S. (org.). Subjetividade em questão: a Infância como crítica da cultura.Rio de Janeiro: 7 Letras, 2005. p.99-116.

KRAMER, S. Autoria e autorizações: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.116, p. 41-59, jul. 2002

OLIVEIRA, Z. M. R. Discutindo o conceito de “jogos de papel”: uma interface com a “teoria do posicionamento”. In: CARVALHO, A. M. A. et al. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PINO, A. O social e o cultural na obra de Lev S. Vigotski. Educação e Sociedade, Revista Quadrimestral de Ciência da Educação/Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES), Campinas, nº 71, p. 45-78,2000.

RUIS, F.F; PERES, M.C.A. Ouvindo meninos: relações de gênero na educação infantil. Rev. Bras. Psicol. Educ., Araraquara, v.19, n.2, p. 283-294, 2017.

SARMENTO, M. J. O estudo de caso etnográfico em educação. In: ZAGO, N; CARVALHO, M. P. VILELA, R. A. T. (Org.) Itinerários de pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SAYÃO, D. T. A construção de identidade e papéis de gênero na infância: articulando temas para pensar o trabalho pedagógico da educação física infantil. Pensar a prática. Goiânia, v. 5, p. 1-14, 2002.

______. Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas? Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Pró-posições. Dossiê educação infantil e gênero. Campinas, v. 1, n. 3, p. 67-88, 2003.

SOUZA, F. C. Meninos e meninas na escola: um encontro possível? Porto Alegre: Zouk, 2006.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia. São Paulo, Martins Fontes, 1996.

______. Manuscrito de 1929. Educação e Sociedade, Revista Quadrimestral de Ciência da Educação/Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES), Campinas, nº 71, p. 21-44, 1929/2000.

WALLON. H. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Editorial Estampa, 1980.

______. A evolução psicológica da criança. Lisboa, Edições 70, 1995.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v18n1.13209

Direitos autorais 2019 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
ISSN da versão online: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br