Língua inglesa no Brasil, reformas educativas e métodos de ensino: aspectos de uma trajetória disciplinar

sofia bocca

Resumo


O presente artigo expõe brevemente a trajetória da língua inglesa como disciplina escolar no Brasil, para que possamos, assim, entender aspectos de sua inserção, suas características e finalidades no decorrer da história de sua inclusão em processos de escolarização. Por meio da pesquisa bibliográfica histórica, são expostos também aspectos de reformas ocorridas no âmbito educacional desde sua inserção nos programas e currículos brasileiros, bem como os diferentes métodos e abordagens concebidos para o seu ensino. Dessa forma, podemos observar que, por vezes, essa disciplina recebe importância no ambiente escolar e em outras é desprestigiada. Tudo indica que, mesmo decorrido tanto tempo, o ensino da língua sofre mudanças sutis, mas que não são capazes de causar mudanças efetivas no ensino.

Palavras-chave


Língua inglesa; Disciplinas escolares; Ensino-aprendizagem de línguas

Texto completo:

pdf

Referências


BARROS, J. D. A história cultural e a contribuição de Roger Chartier. Diálogos, v. 9, n. 1, 2005, p. 125-141.

BITTENCOURT, C. M. F. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, Marcus A. Taborda.; RANZI, Serlei. M. Fisher. (Org.) História das disciplinas escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança: Ed. Univ. São Francisco, 2003. p. 9-39.

BOURDIEU, P. A Ilusão Biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Morais e AMADO, Janaína (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio Brasileiro, 1999.

CASIMIRO, G. S. A língua inglesa no Brasil: contribuições para a história das disciplinas escolares. Campo Grande: Editora da Uniderp, 2005.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difusão Editora, 2002, p.13-28.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, v. 2, 1990, p. 177-229.

CUNHA, L. A; GOES, M. O Golpe na Educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 7ed. 1991.

FARIA FILHO, L; GONÇALVES, I; VIDAL, D; PAULILO, A. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação & Pesquisa, 30 (1), 2004, p. 139-159.

FRAGO, A. V. Fracasan las reformas educativas? La respuesta de un historiador. In: Sociedade Brasileira de História da Educação (Org.). Educação no Brasil: história e historiografia. Campinas: Autores Associados, 2001, p. 21-52.

_________. A História das Disciplinas Escolares. Revista Brasileira de História da Educação, n.18, set/dez, 2008, p.172-215.

GEERTZ, C. As interpretações das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, p. 13-41, 1989.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas/SP, n. 1, p. 9-44, 2001.

LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de línguas. In BOHN, Hilário; VANDRESEN, Paulino (orgs). Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1988, p. 211-236

LIMA. G. P. Breve Trajetória da Língua Inglesa e do Livro Didático de Inglês no Brasil. Anais: VII Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas. Londrina, 2008. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/sepech/sepech08/arqtxt/resumos-anais/GislainePLima.pdf. Acesso em: 21 de março de 2019

MELO, T. S. R. Estereótipos de gênero em livros didáticos de inglês das décadas de 1960, 1970 e 1990: implicações na prática docente. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2014

OLIVEIRA, L. E. M. de. A historiografia brasileira da literatura inglesa: uma história do ensino de inglês no Brasil (1809-1951). Dissertação (Mestrado em Linguística) Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

QUEVEDO-CAMARGO, G; SILVA, G. O inglês na educação básica brasileira: sabemos sobre ontem; e quanto ao amanhã? Ensino e Tecnologia em Revista. Londrina, v. 1, n. 2, jul./dez. 2017, p. 258-271. Disponível em: . Acesso em: 21 de março de 2019.

SANTOS, E. S. S. O Ensino da Língua Inglesa no Brasil. BABEL: Revista Eletrônica de Línguas e Literaturas Estrangeiras. v. 01, p. 01, 2011, p.39-46.

TABORDA DE OLIVEIRA, M. A. Os estudos históricos sobre o currículo e as disciplinas escolares: das preocupações com as práticas escolares para o mundo da pesquisa acadêmica. Pensar a Educação em Revista, v. 3, p. 3-41, 2017.

UPHOFF, D. A história dos Métodos de Ensino de Inglês no Brasil. In: BOLOGNINI, Carmen Zink (org). A língua inglesa na escola. Discurso e ensino. Campinas: Mercado de Letras, 2008, p. 9-15.

VIDAL, D. G. Cultura e práticas escolares como objeto de pesquisa em História da Educação. In: ROCHA, Marlos Bessa Mendes da (org) Cultura e história da educação: intelectuais, legislação, cultura escolar e imprensa. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2009, p. 103 – 110.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v18n2.14594

Direitos autorais 2019 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2020 Todos os direitos reservados.