Inclusão de Pessoas com Deficiência na Escola Básica: Realidade ou utopia? Realidade, para os professores que aceitam inovar os paradigmas educacionais

Ladimari Toledo Hoeppler

Resumo


A discussão em torno a inclusão escolar não é mais novidade no meio educacional. Leis, declarações e direitos foram instituídas. Cursos de formação de professores originaram-se abordando a temática da deficiência e da inclusão, no intuito de auxiliar o professor ao entendimento de como trabalhar com as pessoas com deficiência. No entanto compreende-se que para a inclusão ser efetivada, onde o aluno participe ativamente no grupo, não depende somente de reestruturações educacionais ou de formação de professores, mas sim, de como este aluno seja visto, aceito e recebido pelo professor. A inclusão não se concretiza a partir de normas, mas a partir do querer do professor. O instinto, a aptidão, a qualidade, a capacidade, bem como a disposição, são fatores que auxiliam o professor a estabelecer um novo paradigma de inclusão, onde, é possível trabalhar com as pessoas com deficiência, porque elas, como qualquer aluno apresentam limitações e capacidades. 

Palavras-chave


Inclusão, Educação Básica, Professores, pessoas com deficiência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v16n1.7263

Direitos autorais



Cadernos de Pós-graduação
ISSN da versão online: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.