Análise da produção acadêmica sobre a ludicidade na prática docente: a educação infantil como etapa emergente

Marcio Antonio Raiol Santos, Humberto Pereira

Resumo


Objetivamos analisar a produção acadêmica sobre a ludicidade na prática docente da educação básica (2013 a 2016), a fim de compreendermos de que modo a educação infantil é caracterizada, quais os fenômenos investigados e suas orientações epistemológicas. Inicialmente, analisamos 269 pesquisas, mapeadas na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (BDTD/CAPES), com os descritores “ludicidade”, “jogo”, “brinquedo” e “brincadeira”. Pesquisa bibliográfica do tipo Estado da Arte, com análise de conteúdo firmada na abordagem qualitativa. Evidenciamos que a educação infantil assume condição privilegiada na produção do conhecimento sobre a ludicidade na prática docente, de modo que “o brincar na prática docente da educação infantil” é o fenômeno hegemônico, orientado, em sua maioria, pela epistemologia crítico-dialética. Ademais, constatamos que há heterogeneidade nos fenômenos investigados noutra parcela das pesquisas e, em menor fração, destaca-se a mediação na prática docente da educação infantil.


Palavras-chave


Educação infantil. Ludicidade. Prática docente. Estado da Arte

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Rita de Cássia Marinho de Oliveira. Creche: desafios e possibilidades. Uma proposta curricular para além do educar e cuidar. 2016. 185 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2016.

ANTUNES, D. A. O direito da brincadeira a criança. São Paulo: Summus, 2001.

ARAÚJO, Cláudio Márcio de; OLIVEIRA, Maria Cláudia Santos Lopes de; ROSSATO, Maristela. O sujeito na pesquisa qualitativa: desafios da investigação dos processos de desenvolvimento. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 33, p. 1-7. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2018.

AZEVEDO, Nair Correia Salgado de. Culturas lúdicas infantis na escola: entre a proibição e a criação. 2016. 266 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Sobre a Fenomenologia. In: BICUDO, M. A. V.; ESPOSITO, V. H. C. (orgs.). Pesquisa qualitativa em educação: um enfoque fenomenológico. Piracicaba: UNIMEP, 1994, p. 15-22.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (org.). Pesquisa qualitativa segundo uma visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011, p. 29-40.

BORGES, Maria Célia; DALBÉRIO, Osvaldo. Aspectos metodológicos e filosóficos que orientam as pesquisas em educação. Revista Iberoamericana de Educación, n.º 43/5 – 25 de julho de 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988, 305.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRITO, Ângela do Céu Ubaiara. Práticas de mediação de uma professora de educação infantil. 2013. 368 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. São Paulo, 2013.

CASTRO, Joselma Salazar de. A docência na educação infantil como ato pedagógico. 2016. 345 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Florianópolis, 2016.

CAMPOS, Daise Ondina de. Brincadeira e linguagem na educação infantil: uma relação apreendida a partir do fazer pedagógico do professor. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Florianópolis, 2015.

COELHO, Washigton Souza; BONATO, Giovanni. A mediação no contexto atual: um caminho para o diálogo transdisciplinar. Revista de Formas Consensuais de Solução de Conflitos. Salvador, v. 4, n. 1, p. 144–165, jan./jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2019.

CRUVINEL. Bruna de Paula. O jogo e a formação de sujeitos protagonistas na educação infantil: uma proposta coletiva de trabalho. 2016. 215 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Educação. Uberlândia, 2016.

CUNHA, Sandra Mara da. Eu canto pra você: saberes musicais de professores da pequena infância. 2014. 168 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. São Paulo, 2014.

DEBORTOLI, José Alfredo Oliveira. Com olhos de crianças: a ludicidade como dimensão fundamental da construção da linguagem e da formação humana. Licere, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 1 05-17, 1999.

DEMÉTRIO, Rúbia Vanessa Vicente. A dimensão corporal na relação educativa com bebês: na perspectiva das professoras. 2016. 170 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Florianópolis, 2016.

FARIA, Mariana de Oliveira. A teoria histórico-cultural e a brincadeira: (re)pensando a educação infantil a partir dos autores contemporâneos. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2016.

FEITOSA, Maria Rosemary Melo. Educação matemática e arte na infância: uma utopia transdisciplinar possível. 2015. 183 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2015.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 23, n. 79, p.257-272, ago. 2002. Disponível em: . Acessado em: Acesso em: 20 Jan. 2019.

GATTI, Bernadetti. Graduação e pesquisa em educação no Brasil, 1978/1981. Cadernos de Pesquisa, n. 44, p. 3-17, fev, 1983. Disponível em: . Acesso: 02 jan. 2019.

GAMBOA, Silvio Sánchez. Epistemologia da pesquisa em educação. Campinas: Práxis, 1998.

LARANJEIRA, Raymundo. Estado da Arte do direito agrário no Brasil. Anais do XI Seminário Internacional do direito agrário. Associação Brasileira de direito agrário. Maranhão, 2003. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: História das mulheres no Brasil / Mary Del Priore (org.); Carla Bassanezi (coord. de textos). 7. ed. – São Paulo : Contexto, 2004.

LUCKESI, Cipriano. Ludicidade e formação do educador. Revista Entreideias, Salvador, v. 3, n. 2, p. 13-23, jul./dez. 2014. Disponível em: https://rigs.ufba.br/index.php/entreideias /article/view File/9168/8976. Acesso: 22/02/2019.

LUEDKE, Ana Marieli dos Santos. A formação da criança e a Ciranda Infantil do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). 2013. 182 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2013.Florianópolis, 2013.

MARQUES, Anízia Araújo Nunes. A ludicidade e o simbolismo na infância: um estudo hermenêutico em uma biblioteca escolar do município de São Luís/MA. 2013. 194 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Maranhão, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, Programa de Pós-Graduação em Educação. São Luís, 2013.

MARTINS, Marcelo Salvador. As relações de gênero entre crianças nas brincadeiras. 2014. 62 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Sul de Santa Catarina. Tubarão, 2014.

MASSA, Mônica de Souza. Ludicidade: da etimologia da palavra à complexidade do conceito. APRENDER – Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação – Ano IX, n. 15, p. 111-130, 2015. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile /5485/pdf_39. Acesso: 22/02/2019.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

OLIVEIRA, Rogério Massaroto de. Dimensões lúdicas e marxismo: aproximações iniciais. In: Abordagens socioculturais em educação física / Larissa Michelle Lara (organizadora); prefácio Valter Bracht. - Maringá : Eduem, 2010.

PIMENTEL, A. Vygotsky: uma abordagem histórico-cultural da educação infantil. In: Pedagogia (s) da infância: dialogando com o passado, construindo o futuro / Júlia Oliveira-Formosinho; Tizuko Morchida KISHIMOTO; Mônica Appezzato Pinazza (Organizadoras). Porto Alegre: Artmed, 2007.

PONTES, Reinaldo Nobre. Mediação e serviço social. 7. ed. Rio de Janeiro: Cortez, 2010.

REVIÈRE, Angel. La psicologia de Vygotski: sobre la larga proyección de uma corta biografia. Revista Infancia y Aprendizaje, 1984, 27/28, 7-86. Madrid: Aprendizaje Visor, 1985. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

ROCHA, Eloisa Acires Candau. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia. 1998. 290 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, 1998.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte” em Educação. Diálogo Educ., Curitiba, v. 6, n.19, p.37-50, set./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2018.

SANTIN, Silvino. Educação física: da alegria do lúdico a opressão do rendimento. Porto Alegre: EST Edições, 2001.

SANTOS, Cássia Cristina Barreto. O brincar nas produções do conhecimento da creche UFF. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Educação. Rio de Janeiro, 2013.

SILVA, A. M.; MOREIRA, M. A. Falar e escrever de formação e mediação no contexto atual. In: ______ (orgs.). Formação e mediação sócio-educativa: perspectivas teóricas e práticas. Porto: Areal Editores, 2009.

SOUZA, Letícia Rodrigues de. O brinquedo na educação infantil: algumas reflexões do uso do brinquedo à luz da sociedade disciplinar foucaultiana. 2014. 137 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro. Rio Claro, 2014.

SOUZA, Natálya Camargo de. Rotinas e Mediações na pré-escola. 2013. 156 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2013.

TOMÁS, Catarina; FERNANDES, Natália (orgs.). Brincar, brinquedos e brincadeiras: modos de ser criança nos países de língua oficial portuguesa. Maringá: EDUEM, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2018.

VIEIRA, Izabel Carvalho da Silva. As práticas de professoras de Berçário no contexto da proposta pedagógica de uma creche municipal do interior de São Paulo: a interação e a brincadeira em destaque. 2016. 140 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2016.

VOLPATO, Gildo. Jogo, brincadeira e brinquedo: usos e significados no contexto escolar e familiar. Florianópolis: Cidade futura, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N31.11454

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.