Práticas pedagógicas em terreiros de quimbanda: escritas sobre educação de crianças e infâncias

Rodrigo Lemos Soares, Denise Marcos Bussoletti

Resumo


As práticas pedagógicas em terreiros de Quimbanda indicam os modos, pelos quais, os sujeitos, são ensinados nesses locais. Este texto apresenta algumas ações educativas com a atenção voltada às crianças e infâncias de seis terreiros de Quimbanda de Rio Grande, no interior do Rio Grande do Sul. O estudo que segue possui caráter narrativo, escrito, a partir de excertos de diários de campo, produzidos em seis terreiros, segundo os quais as práticas pedagógicas são da ordem da liberdade de escolha, veiculadas por meio das brincadeiras e das rotinas de cada local. Também, percebeu-se que em relação às crianças, elas são compreendidas como parte dos terreiros e por meio dos rituais elas são pedagogizadas. Além disso, elas possuem livre circulação nos terreiros sendo responsabilidades dos adultos mediar situações e orientar a verbalização de saberes, sem que isso as impossibilite de expressarem seus pensamentos.


Palavras-chave


Educação; Práticas pedagógicas; Terreiros; Crianças; Infâncias.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. C.; DELGADO, A. S.; TOMAS, C. Estudos da Infância, Estudos da Criança: Quais Campos? Quais Teorias? Quais Questões? Quais Métodos? Interação, UFG, 2016.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2006.

CAPUTO, S. G. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé/ Stela Guedes Caputo. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CASCUDO L. da C. Dicionário do Folclore Brasileiro - Edição Revista, Atualizada e Ilustrada. 12a ed. São Paulo: Global, 2012.

COHN, C. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CONCEIÇÃO, L. A. A. da. A Pedagogia do Candomblé: aprendizagens, ritos e conflitos. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação. Universidade do Estado da Bahia. Salvador: 2006.

CONNELLY, M.; CLANDININ, J. Relatos de Experiência e Investigação Narrativa. In: LARROSA, J. B. Déjame que te Cuente. Barcelona: EDITORIAL LAERTES, 1995.

CORSARO, W. A. A reprodução interpretativa no brincar ao “faz-de-conta” das crianças. Educação, Sociedades & Culturas, Porto, n. 17, p. 113-134. 2002.

FALCÃO, C. R. Ele já nasceu feito: o lugar da criança no Candomblé. Dissertação de Mestrado em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Recife: 2010.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Cóllege de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970/ Michel Foucault; [Trad.] SAMPAIO, L. F. de A. 23 ed. São Paulo: Loyola, 2013.

FOUCAULT, M. Em defesa da Sociedade: curso no Collége de France. [Trad.] GALVÃO, M. E. A. P. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. Nietzsche a genealogia e a História. In. Microfísica do poder. [Trad.] MACHADO, R. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

FOUCAULT, M. Sobre as maneiras de escrever história: entrevista a R. Bellour. In: MOTTA, M. da [Org.]. Ditos e escritos II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense. p. 62-77. 2000.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas / Michel Foucault; [Trad.] MUCHAIL, S. T. — 8ª ed. — São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, p. 128-138. 1999.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões Éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 41-59, julho/ 2002.

NUNES, G. H. L. A construção social da infância nas políticas públicas, nos discursos científicos e nas práticas sociais. Revista eletrônica de Educação, vol. 9, nº 2, p. 597 -614, 2015.

RABELO, M. C.; SANTOS, R. M. B. Notas sobre o aprendizado no Candomblé. Revista FAEEBA, Salvador, v. 20, n. 35, p. 187-200, 2011.

SARMENTO, M. J.; PINTO, M. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: SARMENTO, M. J; PINTO, M. [Org.]. As crianças contexto e identidades. Braga: Universidade do Minho, 1997. p. 09 – 30

SARMENTO, M. J. A sociologia da infância e a sociedade contemporânea: desafios conceituais e praxeológicos. In: ENS, R.; GARANHANI, M. [Org.]. Sociologia da infância e a formação de professores. Curitiba: Champagnat, p.13 - 46, 2013.

SOARES, R. L. “Quero ver balanciar!” o ensino de danças de exus e pombagiras em terreiros de Quimbanda do Rio Grande/RS. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em História, Rio Grande/RS, 2018.

STEINBERG, S. Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In: SILVA, L. H. da; AZEVEDO, J. C. de; SANTOS, E. S. dos. [Orgs.]. Identidade social e construção do conhecimento. Porto Alegre, PMPA, 1997.

STEINBERG, S.; KINCHELOE, J. [Orgs.] Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2001.

VEIGA - NETO, A. Olhares... In: COSTA, M. V. [Org.]. Caminhos Investigativos: novos olhares na pesquisa em Educação. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 23-38.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n34.11648

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.