Travestilidades no espaço socioeducativo: (des)patologização, monstruosidade, violência, abjeção e negação das identidades transgêneras

Jonas Alves da Silva Junior, Maria de Lourdes Silva, Leandro Silva

Resumo


Este ensaio pretende tecer uma reflexão sobre as identidades trans no espaço socioeducativo. Tendo como base uma pesquisa empírica, realizada em uma unidade masculina de privação de liberdade do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (DEGASE/RJ), e tendo como aporte teórico autores/as dos Estudos Culturais/pós-estruturalistas, busca-se compreender de que maneira pessoas travestis ou transexuais circulam em espaços cuja homo/transfobia é difundida ao grau máximo. Assim, a partir da metáfora do corpo monstro/abjeto, analisamos como a socioeducação opera no sentido de não desbaratar os engessamentos de gênero e os estereótipos de masculinidade vigentes entre os adolescentes acautelados. Como resultado deste trabalho, sinaliza-se que práticas discursivas referendadas pela cisheteronormatividade determinam ao sujeito uma única forma de construção da masculinidade, que são explícita e implicitamente impostas. A presença (ou pressuposição) de sujeitos não-cisheterossexuais em instituições de privação de liberdade impulsiona subjetividades normativas reproduzidas por práticas de intolerância, medo e violências.


Palavras-chave


Identidades trans; Travesti; Gênero; Socioeducação; Privação de liberdade

Texto completo:

pdf

Referências


BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: Edufba, 2017.

BOURDIEU, Pierre. Dominação Masculina. 4°ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BRASIL. Lei Federal, de 05 de outubro de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em:

____. Estatuto da criança e do adolescente: Lei Federal n° 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

____. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE/ Secretaria Especial de Direitos Humanos – Brasília – DF: CONANDA: 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

____. “Corpos que pensam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 151-172.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros. Belo Horizonte: Autêntica. 2000, p. 23-60.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 7°. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GONÇALVES, Camila de J.M. Transexualidade e Direitos Humanos: o reconhecimento da identidade de gênero entre os direitos da personalidade. Curitiba: Juruá, 2014.

HALL, S. “A questão da identidade cultural”. In: HALL, S.; HELD, D & McGREW, T. (Orgs.) Modernity and its futures. Cambridge: Polity/ Open University, 1992.

JORGE, Marco Antonio C.; TRAVASSOS, Natalia P. Transexualidade: o corpo entre o sujeito e a ciência. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LEITE JUNIOR, J. “Transitar para onde? Monstruosidade, (des)patologização, (in)segurança social e identidades transgêneras”. Estudos feministas, Florianópolis, v. 20, n° 2, p. 559-568, ago., 2012.

____. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 11°. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

LAURETIS, T. “A tecnologia do gênero”. In: HOLLANDA, H. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo. São Paulo: Annablume, 2009.

PAECHTER, Carrie F. Meninos e meninas: aprendendo sobre masculinidades e feminidades. Tradução, consultoria e supervisão Rita Terezinha Schmidt. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PERES, Wiliam Siqueira. “Travestilidades nômades: a explosão dos binarismos e a emergência queering”. Estudos feministas, Florianópolis, v. 20, n° 2, p. 539-549, ago., 2012.

TUCHERMAN, Leda. Breve história do corpo e de seus monstros. Lisboa: Veja, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N32.13641

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.