Violências escolares e justiça restaurativa na escola básica estadual de São Paulo na visão dos professores – o papel do diálogo

Eduardo Santos, Sara Xavier dos Santos

Resumo


As escolas estaduais paulistas, que compõem a maior rede de ensino do Brasil, vivenciam diariamente atos e fatos de violência envolvendo estudantes com estudantes, estudantes com professores, professores com gestores e gestores com famílias.  A tendência é que os impactos dessas ocorrências prejudiquem o ingresso, a permanência e, especialmente, o sucesso da aprendizagem dos estudantes. Em resposta, as autoridades educacionais do estado passaram a implantar programas e projetos para auxiliar no trato de tais violências escolares. Entre eles, a partir de 2010, passa a ser estudada e recomendada a Justiça Restaurativa (JR), implantando-se, em 2016, um projeto-piloto de intervenção, que se mantém atualmente e tem envolvido professores em práticas orientadas por essa abordagem. Tendo em vista que o diálogo constitui instrumento fundante de tal abordagem, neste artigo buscamos responder à seguinte questão de pesquisa: Qual o estatuto teórico do diálogo na implantação da JR, segundo as percepções dos professores das escolas da região da Brasilândia, Zona Norte do município de São Paulo, na prevenção às violências escolares? São analisados, por meio da Análise de Discurso, dados resultantes de sessões de grupo focal realizadas com professores dessa região que se utilizaram da abordagem para intervir nos fatos de violência nas escolas em que atuam. As categorias de análise empregadas foram Violências Escolares, Justiça Restaurativa e Diálogo, baseadas em referencial teórico extraído dos formuladores originais da JR, nas áreas do Direito e da Educação; da produção teórica sobre violência escolar e da estratégia do diálogo proposta por Paulo Freire, ademais de Prandis e Brancher. Os resultados de nossa investigação indicaram que os professores tendem a perceber o diálogo como elemento fundante da Justiça Restaurativa e a validá-lo positivamente nas ações de trato com as violências no ambiente escolar.


Palavras-chave


Diálogo. Justiça Restaurativa. Rede Estadual Paulista. Violências Escolares.

Texto completo:

pdf

Referências


ABRAMOVAY, M. Violência nas escolas. Brasília: UNESCO, 2002.

______. Cotidiano das escolas: entre violências, Brasília: UNESCO, Observatório de Violência, Ministério da Educação, 2005. 404 p.

______. Violências nas escolas: versão resumida. Brasília: UNESCO, 2003. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000145265. Acesso em: 10 março de 2018.

______. (org).Violência nas escolas: situação e perspectiva. Boletim 21, Brasília/DF, 2005.

APEOESP. Observatório da Violência. Disponível em: http://www.apeoesp.org. br/publicacoes/observatorio-da-violencia. Acessado em 20/07/2016.

BOYES-WATSON, C.; PRANIS, K. No coração da esperança: guia de práticas circulares. [Projeto] Justiça para o século 21: Instituindo Práticas Restaurativas. Porto Alegre: AJURIS. Brasil. Brasil, 2011.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 15. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BRANCHER, L. (2008). Iniciação em Justiça Restaurativa: formação de lideranças para a transformação de conflitos. [Projeto] Justiça para o Século 21: Instituindo Práticas Restaurativas. Porto Alegre: AJURIS.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Temas transversais. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BRASIL. LEI Nº 9.394 - Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF Senado, 1996.

CHARLOT, B. Violência nas escolas: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, n. 8, jul./dez. 2002, p. 432-443 Disponível em< http/www.scielo.br >. Acesso em: 20/setembro/2018

FREIRE, Paulo Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 92

______. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Editora, 2005.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Indicadores Sociais municipais, 2010 Disponível em . Acsesso em 02/01/18.

MENEZES, Lívia. Violência escolar: o professor sob ameaça. Folha Dirigida, out. 2013. Disponível em: < www.apeoesp.org.br/d/sistema/publicacoes/571/arquivo/pagina-16.pdf>

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso – princípios & procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2014.

PRANIS, Kay. Processos Circulares. São Paulo: Palas Athena, 2010.

ROSENBERG, Marshal, B. Comunicação Não Violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. 4 ed. São Paulo: Ágora, 2006.

SÃO PAULO (ESTADO). Centro de Apoio Operacional Cível e de Tutela Coletiva do Ministério Público do Estado de São Paulo. Área: educação, Curso de Introdução à Justiça Restaurativa para Professores Mediadores Escolares e Comunitários, 2012.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE n. 19, de 12-2-2010. Instituiu o Sistema de Proteção Escolar na rede estadual de ensino de São Paulo e criou a função do Professor-Mediador Escolar e Comunitário, para implementar as respectivas ações específicas. Diário Oficial Poder Executivo, Seção I, São Paulo, 120 (30), p. 29.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE n. 7, de 19-1-2012. Dispõe sobre o exercício das atribuições de Professor Mediador Escolar e Comunitário do Sistema de Proteção Escolar, e dá outras providências. Diário oficial Poder Executivo, Seção I, São Paulo, 122, p. 14.

SÃO PAULO. Resolução SE 2, de 06 -1-17. Altera a Resolução SE 19, de 12.2.2010, que institui o Sistema de Proteção Escolar na rede estadual de ensino de São Paulo, a Resolução SE 7, de 19.1.2012, que dispõe sobre o exercício das atribuições de Professor Mediador Escolar e Comunitário do Sistema de Proteção Escolar e a Resolução SE 53, de 22.9.2016, que dispõe sobre a consolidação das normas que regulam e regulamentam o Programa Escola da Família – PEF, nas escolas da rede pública estadual, e dá outras providências. (REVOGADA).

SÃO PAULO. Resolução SE 41, de 22-9-2017. Institui o Projeto Mediação Escolar e Comunitária, na rede estadual de ensino de São Paulo, e dá providências correlatas (REVOGADA, EXCETO CAPUT DO ARTIGO 1º)

SÃO PAULO. Resolução SE 8, de 31-1-2018. Dispõe sobre o Projeto Mediação Escolar e Comunitária, na rede estadual de ensino de São Paulo, e dá providências correlatas.

SÃO PAULO. Resolução SE nº 43, de 28 de setembro de 2017 – Dispõe sobre a consolidação das diretrizes e procedimentos do Programa Escola da Família e dá providências correlatas. FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Disponível em: . Acesso em 06/07/18

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Normas gerais de conduta escolar: sistema de proteção escolar. São Paulo: SEESP, 2009.

SÃO PAULO. Tutorial de Recursos Humanos Programa de Ensino Integral – Governo do Estado de São Paulo, 2012

SHOR, Ira, FREIRE, Paulo. Medo e Ousadia – O cotidiano do professor. tradução de Adriana Lopez; revisão técnica de Lólio Lourenço de Oliveira. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

ZEHR, Howard. Justiça Restaurativa. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2012.

______. Trocando as lentes: um novo foco sobre o crime e a justiça. Tradução de Tonia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N32.14352

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br