Apenas brincando? Brinquedos e brincadeiras na educação infantil: o que dizem as educadoras?

Marta Regina Paulo da Silva, Luciene Franceschini

Resumo


O artigo compartilha os resultados de uma pesquisa de mestrado que objetivou compreender como o brincar está inserido na educação infantil de um município da Região do Grande ABC Paulista/SP. A opção metodológica foi por uma pesquisa qualitativa que teve como procedimentos: análise documental, estudo exploratório e realização de grupos focais com professoras e formadoras. O trabalho dialogou com os estudos e pesquisas da pedagogia e da sociologia da infância. A análise dos dados revelou poucos momentos do cotidiano destinados ao brincar, sendo tal fato justificado em função de uma organização que privilegia atividades voltadas à alfabetização e à matemática, demarcando um modelo escolarizado que termina por marginalizar a iniciativa, a expressão e a criatividade de meninos e meninas. Conclui com a necessidade de se pensar uma formação docente dialógica, sendo esta uma reivindicação das professoras, de modo a construir práticas pedagógicas brincantes que primem pelas descobertas, criatividade e maravilhamento.


Palavras-chave


Brincar; Educação Infantil; Formação docente

Texto completo:

pdf

Referências


BARBOSA, Maria Carmen S. Culturas infantis: contribuições e reflexões. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 43, p. 645-667, set./dez. 2014.

BARBOSA, Maria Carmem S. Prefácio. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; MELLO, Suely Amaral. (org.). Territórios da infância: linguagens, tempos e relações para uma pedagogia para as crianças pequenas. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007, p. 5-10.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 1988. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei Federal nº 8069/90, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. 1990.

BRASIL Lei nº 9.394, de 20 de dez.1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação. 1996.

BRASIL Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BROUGÈRE, Gilles. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

CORSARO, William A. Sociologia da Infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FARIA, Ana Lúcia G. de. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma pedagogia da educação infantil. In: Faria, Ana Lucia G. de, Palhares, Marina S. (Org.). Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. São Paulo: Autores Associados, 1999, p. 67-99.

GATTI, Bernardete A. Grupo Focal na Pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

KISHIMOTO, Tizuko M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

KISHIMOTO, Tizuko M. Brinquedos e brincadeiras na Educação Infantil. Anais do I Seminário Nacional: Currículo em movimento – Perspectivas Atuais. Belo Horizonte, novembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2018.

KISHIMOTO, Tizuko M. Escolarização e brincadeira na educação infantil. Labrinjo: Laboratório de Brinquedos e Jogos, s/d. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2018.

MALAGUZZI, Loris. História, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a abordagem italiana de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999, p. 59-104.

MARCELLINO, Nelson C. Pedagogia da Animação. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2003.

PRADO, Patrícia D. Educação e Cultura Infantil em Creche: um estudo sobre as brincadeiras de crianças pequenininhas em um CEMEI de Campinas/SP. 1998. 201 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

AUTOR, 2017.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na educação infantil: uma história que se repete. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N33.15412

Direitos autorais 2019 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.