Educação como mecanismo de superação das relações de opressão atravessadas pela fragilidade do Ego

Alexandre Patricio de Almeida, Mateus Vitor dos Santos

Resumo


Diante da análise teórica e histórica sobre as relações de opressão e os mecanismos de defesa do Ego, com embasamento nas obras de Paulo Freire e Freud, pode-se afirmar que há uma significativa relação entre a fragilização do Ego, a consciência hospedeira e a manutenção de ideologias como mecanismo fundamental para tal processo de fragilização. Com a consolidação das cadeias de opressão que se fazem diante das realidades sociais, mantidas como imutáveis e afetadas pelas dificuldades apresentadas como intransponíveis, a educação é uma alternativa de transformação e criadora de possibilidades reais para todas as camadas sociais. Nesse sentido, o artigo discorre sobre a compreensão da necessidade do acesso à educação, bem como alguns dos fatores que permeiam a ausência desta.


Palavras-chave


Educação; Freud; Paulo Freire; Opressão; Psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. P. Psicanálise e educação escolar: contribuições de Melanie Klein. São Paulo: Zagodoni, 2018.

ADORNO, T. W. Ensaios sobre psicologia social e psicanálise. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 58. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

FREUD, S. (1914). Introdução ao narcisismo. In: Sigmund Freud. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Vol. 12. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREUD, S. (1921). Psicologia das massas e análise do eu. In: Sigmund

Freud. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). Vol. 15. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

FREUD, S. (1926). O futuro de uma ilusão. In: Sigmund Freud. Inibição, sintoma e angústia, o futuro de uma ilusão e outros textos (1926-1929). Vol 17. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GUARESCHI, P. A. Relações comunitárias, relações de dominação. In: CAMPOS, Regina Helena de Freitas. (Org.). Psicologia social comunitária: Da solidariedade à autonomia. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. pp. 81-99.

HERF, J. Modernismo reacionário: tecnologia, cultura e política em

Weimar e no Terceiro Reich. Trad. Cláudio Frederico da S. Ramos. Campinas: Ensaio/Editora da Unicamp, 1993.

HERZOG, R. Do preconceito à intolerância: quando se rouba a humanidade do outro. Ágora (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 273-279, dez. 2019.

HOOKS, B. Educação democrática. In: CÁSSIO, Fernando. et al (org.). Educação contra a barbárie: Por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019. pp. 198-207.

KEHL, M. R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n34.16008

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.