Contribuições da concepção de aprendizagem significativa de David Ausubel na formação de jovens aprendizes.

Marcelo Silva Oliveira, Marco Antônio de Carvalho, Sangelita Miranda Franco Mariano

Resumo


O presente artigo tem como propósito refletir sobre as contribuições da concepção de Aprendizagem Significativa de David Ausubel (1982) para a formação de aprendizes.  Objetiva analisar a constituição do processo de ensino e aprendizagem do Programa Jovem Aprendiz (PJA) a partir de práticas educativas influenciadas pelas múltiplas contradições que permeiam a ação educacional demarcada por um espaço-tempo histórico, social e cultural.  Este estudo bibliográfico estrutura-se a partir de: apontamentos iniciais sobre o PJA, aprendizagem e metodologia utilizada; discussão sobre aprendizagem significativa e prática educativa; caracterização do PJA e suas diretrizes bem como a interlocução entre estas e alternativas pedagógicas formativas. Conclui-se que a aprendizagem significativa resulta de uma prática pedagógica, que auxilia a formação da jovem classe trabalhadora, pois alicerçada ao conhecimento prévio, na análise crítica e intencionalidades garante o sucesso das ações realizadas, impedindo que o ensino fique restrito à esfera da idealização e desconectado de sua objetivação.

Palavras-chave


Aprendizagem Significativa; Jovem Aprendiz; Práticas Educativas

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL. D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

AUSUBEL, D. P., NOVAK, J. D., HANESIAN, H. Psicologia educacional. Tradução Eva Nick. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARBOSA, I. G. Prática Pedagógica na educação infantil. In: OLIVEIRA. D. A.; DUARTE, A. C.; VIEIRA, L. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Faculdade de Educação, UFMG, 2010.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF. Disponível em:

. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Lei Ordinária nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Lei Ordinária nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Lei Nacional da Aprendizagem. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.598 de 1 de Dezembro de 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Decreto nº 9.579 de 22 de Novembro de 2018. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2019.

FILATRO, A; CAVALCANTI, C. C. Metodologias Inov-ativas na educação presencial, a distância e corporativa. Disponível em: [Minha Biblioteca]. . Acesso em: 10 jan. 2020.

FRANCO, M. A. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. RBEP, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016.

FRENZEL, H. S.; BARDAGI, M. P. Adolescentes Trabalhadores Brasileiros: um breve estudo bibliométrico. Psicologia, Organizações e Trabalho. Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 79-88, 2014.

KOCHHANN, A.; MORAES, A. C. Aprendizagem Significativa na perspectiva de David Ausubel. Anápolis: Editora UEG, 2014.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Katálysis. Florianópolis, v. 10 n. esp. p. 37-45, mar/abr. 2007.

MANUAL DA APRENDIZAGEM PROFISSIONAL. O que é preciso saber para contratar o aprendiz. Brasília: SINAIT, 2019.

MINAYO, M.C.S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOREIRA, M.A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora UNB, 2006.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

NOVAK, J. D. Uma teoria de educação. São Paulo: Pioneira, 1981.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

ORVALHO, L.; ALONSO, L. A estrutura modular nos cursos profissionais das escolas secundárias públicas: do modelo curricular às práticas. Uma investigação colaborativa. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, Porto, v. 10, p. 79-121, fev/2011.

RIZZO, C. B. S.; CHAMON, E. M. O sentido do trabalho para o adolescente. Educação & Saúde, Rio de Janeiro, v. 8 n. 3, p. 407-417, nov/fev. 2011.

ROLDÃO, M. C. Estratégias de ensino. O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia, PT: Fundação Manuel Leão, 2009.

SILVA, J.; RAMOS, M. M. Prática Pedagógica numa perspectiva interdisciplinar. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

TAKEUCHI, M. Y. Estudo do uso de mapa conceitual na promoção de aprendizagem significativa de conteúdo de neurociência na graduação. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil, 2009.

VEIGA. I. P. A. A prática pedagógica do professor de didática. Campinas, Papirus, 2002.

WANTOWSKY, G. Trabalho do menor aprendiz é também uma questão de responsabilidade social. Boletim Jurídico, Uberaba-MG, v. 3, n. 99. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n34.16704

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.