Narrativas e tessituras adolescentes: metodologia e desafios de uma pesquisa(dora)

Rebeca Lloyd Gonçalves, Licinia Maria Corrêa

Resumo


O presente artigo discute as possibilidades da entrevista narrativa como recurso teórico-metodológico na pesquisa qualitativa em que a autora posiciona suas leituras acerca das representações construídas por adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa. Relata-se o percurso investigativo e os exercícios contínuos que intencionaram traduzir com inteligibilidade o que as adolescentes pesquisadas trouxeram nas suas narrativas. A utilização das entrevistas narrativas orientou-se pela necessidade de compreender como as adolescentes (re)significavam o cumprimento da medida socioeducativa. Focalizando as experiências singulares de cada adolescente, observou-se que as narrativas provocam mudanças nas formas como os sujeitos compreendem a si próprios, aos outros e, por este motivo, são importantes estratégias causadoras de reflexão numa perspectiva emancipatória e de protagonismo juvenil. Conclui-se que essa metodologia possibilitou a aproximação entre a pesquisadora e as adolescentes, evidenciando a dimensão subjetiva no processo narrativo.


Palavras-chave


Entrevista narrativa; Pesquisa qualitativa; Adolescentes; Medidas socioeducativas

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Simone G.; CONSTANTINO, Patrícia. Filhas do Mundo: infração juvenil no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2004.

BRASIL. Lei n. 6.697, de 10 de outubro de 1979. Institui o Código de Menores. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Resolução n. 119, de 11 de dezembro de 2006. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo e dá outras providências. Disponível em:

. Acesso em: 20 jan. 2020.

CLANDININ, D. Jean; CONELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

FACHINETTO, Rochele Fellini. A “Casa de Bonecas”; um estudo de caso sobre a unidade de atendimento sócio-educativo feminino do RS. Dissertação (Mestrado em Sociologia) RS: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

FAZENDA, Ivani. (Org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez. 2010. 135p.

FERRER CERVERÓ, Virgínia. La crítica como narrativa de las crisis de formación. In: LARROSA, Jorge. Déjame que te cuente. Barcelona: Editorial Laertes, 1995.

FOUCALT, Michel. Ditos e escritos II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOCAULT, Michel. A palavra e as coisas. Rio de janeiro: Martin Fontes, 2016.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. NUNES, Márcia Bandeira de Mello Leite (Trad.). Rio de Janeiro: LTC, 1971.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 6. ed. São Paulo: Perspectiva,. 2004.

HAGUETTE, Teresa Maria Frota. Metodologias Qualitativas na Sociologia. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista Narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 11ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p 90-113.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

LUDKE, Menga; ANDRÉ Marli E.D.A. Pequisa em Educação – Abordagens Qualitativas. São Paulo: Eidtora Pedagógica e Universitária, 2013.

MINAYO, M.C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Índice de Qualidade de Vida Urbano de Belo Horizonte. Belo Horizonte: IQVU/BH, 2016. Disponível em: . Acesso em 15 fev. 2020.

______. Índice de Vulnerabilidade Juvenil de Belo Horizonte. Belo Horizonte: IVJ/BH, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2020.

SALLES, Mione Apolinario. (In)visibilidade perversa: adolescentes infratores como metáfora da violência. São Paulo: Cortez, 2007. 360p.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.n34.16706

Direitos autorais 2020 Dialogia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.