Rousseau e Marx – dois românticos do pensamento educacional

Sandra Regina Gomes, Sérgio Lourenço Simões

Resumo


Neste trabalho, pretende-se explorar, em estudo comparativo, a evolução da educação em escolas, com base em abordagens dos clássicos Rousseau e Marx, que, aplicadas aos nossos dias, identificam características, analisando, sob o olhar de terceiros, o significado das ideias expostas de cada um dos autores pesquisados. Neste artigo, consideramo-los como dois “românticos” do pensamento educacional, guardadas as devidas diferenças do contexto histórico em que viveram – séculos XVIII e XIX, respectivamente – na medida em que se opuseram aos modelos de sua época, como sonhadores do mundo, conhecedores profundos de suas realidades, sujeitos históricos inconformados que não só denunciaram uma sociedade legitimadora da desigualdade, mas também ousaram propor uma nova ordem social.

Palavras-chave


Clássicos. Escola e trabalho. Romantismo pedagógico. Rousseau e Marx.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.v8i2.2053

Direitos autorais



Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.