O corpo para o capital: revisitando a história da Educação Física no Brasil

Sandro Mello Justo

Resumo


O presente estudo tem como objetivo revisitar a história da Educação Física no Brasil tendo como foco a análise das principais tendências conservadoras que a influenciaram ao longo de sua cristalização no cenário escolar: a tendência higienista, militarista e tecnicista. Localizando-as na construção de uma Educação Física escolar a serviço dos interesses da classe burguesa brasileira, analisamos como tais tendências serviram de pauta para a efetivação deste componente curricular a partir das necessidades materiais históricas que surgiram para a consolidação do capitalismo em nosso país. Percebemos, portanto, que a Educação Física escolar possuiu um papel fundamental na conformação da classe trabalhadora com a dominação burguesa, papel este que, na medida em que construiu uma visão conservadora da Educação Física escolar, também fez surgir a reflexão sobre a necessidade de sua superação a partir do diálogo desta área com teorias sociais críticas.

Palavras-chave


Educação Física; Higienismo; Militarismo; Tecnicismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N14.2950

Direitos autorais



Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.