A infância perdida: o corpo vivido pede passagem nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Daniela Fantoni de Lima Alexandrino, Cintia Lucia de Lima, Maria Elisa Caputo Ferreira

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo refletir, através de um levantamento bibliográfico, a vivência corporal nas séries iniciais do ensino fundamental. Observamos que a maior preocupação de nosso governo, e porque não dizer de nossa sociedade, é com a sistematização de nosso ensino. Fala-se muito nas instituições, infraestrutura, a organização do ensino-aprendizagem, mas pouco se fala da vivência corporal. Sabemos que as crianças nessa faixa etária necessitam de grande movimentação, precisam de brincar, de gestualizar seus sentimentos, pois, é assim que o ensino-aprendizagem acontece. Para tanto, devemos (re)pensar a forma como nossa Educação é estruturada e trazer de volta o corpo vivido. Corpo este, considerado como o lugar onde as experiências, as subjetividades, as emoções e o aprender vão emergir, influenciando assim como o futuro adulto vai se comportar no mundo. Enfim, devemos resgatar o conceito de infância que vai se tecer e se alimentar através do corpo vivido pela criança.

Palavras-chave


Criança; Ensino Fundamental; Corpo Vivido.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N19.3071

Direitos autorais



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br