Educação Básica: Base Nacional Comum e infraestrutura escolar

Paulo Sérgio Garcia, Leandro Campi Prearo, Maria Carmo Romeiro

Resumo


A discussão atual sobre a Base Nacional Comum é legitima quando a questão é tornar a escola mais democrática e de qualidade. No entanto, espera-se que suas consequências não ampliem ainda mais o controle e a pressão sobre as escolas e professores. Neste artigo, examina-se, utilizando dados do Censo Escolar de 2013, a questão da infraestrutura das escolas municipais e estaduais brasileiras e sua relação com o desenvolvimento dos conhecimentos da Base. Verifica-se inicialmente que a discussão sobre a Base não foi precedida ou mesmo concomitante de outra sobre a infraestrutura escolar. Sem tal debate, que deveria inclui as questões de investimentos, a infraestrutura continuará a ser um fator potencializador para alguns jovens e limitante ou excludente para outros. A Base somente poderá auxiliar na redução das desigualdades escolares se considerar a discussão da infraestrutura das escolas. 


Palavras-chave


Base Nacional Comum. Infraestrutura. Ensino Fundamental.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N24.6055

Direitos autorais



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br