Língua inglesa como terceira língua: considerações sobre o ensino de línguas estrangeiras para estudantes surdos na educação básica brasileira

Felipe Flores Kupske

Resumo


Ainda são poucos os estudos no Brasil que buscam deslindar o desenvolvimento de línguas estrangeiras em contextos formais de instrução por estudantes surdos. Como consequência, o ensino de língua inglesa na escola inclusiva ainda se constitui como uma prática norteada por poucas bases teóricas. Nesse sentido, este trabalho busca discutir o ensino de língua inglesa para estudantes surdos na educação básica, trazendo à tona questões de motivação, transferência linguística e de interpretação no processo de ensino. Em nosso levantamento empírico  e bibliográfico, percebemos que o ensino de língua inglesa é mais complexo para o estudante surdo, pois é considerada sua terceira língua, dependente do sistema de Libras e do português. Notamos que o estudante surdo continua à margem educacional e, no caso do ensino de línguas, a situação é agravada, pois, nem sempre, tem oportunidades de interagir organicamente ou vê a língua estrangeira como relevante, dada sua configuração metodológica usual.

Palavras-chave


Surdez. Língua inglesa. Educação Básica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N28.6722

Direitos autorais



Dialogia

ISSN da versão online: 1983-9294
ISSN da versão impressa: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.