A literatura fantástica na educação brasileira: preconceitos, desafios e esperanças

Adriano Messias de Oliveira

Resumo


A chamada literatura fantástica é presença marcante nas escolas brasileiras e uma atraente temática aos jovens leitores. Ainda que amparada por terminologias como “folclore” e “conto maravilhoso”, ela resiste ao antigo esforço de se tornar o ensino da literatura mais próximo ao gosto “realista”. O panorama cultural contemporâneo faz com que o livro impresso assuma um lugar de fetiche e de objeto cultuado, por um lado, ou de objeto substituído e em vias de esquecimento, por outro. Como se não bastassem os precários vínculos históricos dos brasileiros com os livros, somam-se aqui dificuldades de várias ordens e gradações para que uma obra literária chegue a seu provável leitor. Neste artigo, no qual escrevo como pesquisador, mas também como escritor de livros para crianças e jovens, apresento alguns pontos de reflexão sobre particularidades da relação da escola com a leitura e a escrita, em amplo espectro. 


Palavras-chave


literatura fantástica; psicanálise; semiótica; monstros; educação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/dialogia.N26.7339

Direitos autorais



Dialogia

e-ISSN: 1983-9294
ISSN: 1677-1303
www.revistadialogia.org.br

Dialogia ©2020 Todos os direitos reservados.