Tensões entre as pedagogias sócio-emancipadora e tradicional: um estudo do sistema socioeducativo com adolescentes privados de liberdade

Telmo Marcon, Lisiane Ligia Mella, Marcio Tascheto da Silva

Resumo


Este artigo é resultante de pesquisa bibliográfica e empírica e objetiva problematizar as tensões entre as pedagogias socioemancipadora e tradicional no espaço de atendimento socioeducativo com adolescentes privados de liberdade. Tem como base empírica pesquisa realizada, por meio de entrevistas semi-estruturadas, com agentes socioeducativos que atuam no Centro de Assistência Socioeducativa (CASE), localizado ao norte do estado do Rio Grande do Sul, que atende em torno de 70 adolescentes. Do conjunto amplo de questões tratadas pela pesquisa o presente artigo incide sobre o modo tenso como as duas pedagogias referidas convivem no cotidiano dos agentes que atuam na instituição quando se trata de ressocialização. Essa tensão, além de refletir perspectivas políticas e pedagógicas distintas, tem implicações importantes no sentido da formação para a cidadania e a efetiva inserção dos adolescentes em novas relações sociais. Buscando dar conta dessa problemática, o texto propõe uma problematização de caráter mais geral sobre o tema, traz elementos para compreensão das orientações teóricas dos agentes socioeducativos das duas perspectivas pedagógicas e as problematiza à luz da Lei do SINASE e do campo teórico da Pedagogia Social. Na conclusão, afirma-se a tese de que somente uma pedagogia social emancipadora tem potencial para ressocializar adolescentes infratores e criar as condições para uma reinserção social democrática e cidadã.

Palavras-chave


Educação democrática. Educação opressora. Emancipação. Lei do SINASE. Pedagogia Social.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Vigilância líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BIESTA, G. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BRASIL. Lei n. 8.069 de 13 de julho de 1990. Institui o Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário oficial da União, Brasília, 16/07/1990.

BRASIL. Decreto-lei n. 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Diário Oficial da União, Brasília, n. 14, p. 3-8, 19 jan. 2012. Seção I.

CALIMAN, Geraldo. Paradigmas da exclusão social. Brasília: Universa/Unesco, 2008.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

CHARLOT, Bernard. Relação com a escola e o saber nos bairros populares. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 20, p. 17-34, jul./dez.2002.

CHAUI, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. 5. reimpressão, São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

COSTA, Antônio Carlos Gomes. Aventura pedagógica: caminhos e descaminhos de uma ação educativa. Belo Horizonte: Modus Faciendi, 2001.

DEWEY, John. Experiência e educação. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 4. ed. São Paulo: Nacional, 1979.

DICK, Philip. Realidades Adaptadas. São Paulo: Aleph, 2012.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FERNANDES, Fernandes. A integração do negro na sociedade de classes. Vol. I. São Paulo: Ática, 1978.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FRANCA, Leonel. O Método Pedagógico dos Jesuítas: o Ratio Studiorum. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1952.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GARGARELLA, Roberto. Castigar al prójimo: por una refundación democrática del derecho penal. Buenos Aires: Siglo Veinteuno Editores, 2016.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social. São Paulo: Cortez, 2010.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KAFKA, Franz. Na Colônia penal. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

REGO, Teresa Cristina. A indisciplina e o processo educativo: uma análise na perspectiva vygotskiana. In: AQUINO, Júlio Groppa (org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996, p. 83-101.

SILVA, Juremir Machado. Raízes do conservadorismo brasileiro: a abolição na imprensa e no imaginário social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: Leya, 2015.

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira: quem é e como vive. 2.ed. Belo Horizonte: Ed UFMG, 2016.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. São Paulo, Leya, 2017.

SOUZA, Jessé. A classe média no espelho: sua história, seus sonhos e ilusões, sua realidade. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n48.11538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br