O direito à qualidade da/na educação Infantil: entre a maximização do direito e as intencionalidades do privado

Camila Maria Bortot, Elisangela Alves da Silva Scaff

Resumo


O presente texto objetiva analisar a qualidade como princípio do Direito à Educação Infantil, a fim de compreender as intencionalidades no debate entre o público e privado. Por meio de um estudo bibliográfico e documental, tivemos por problemática: quais os fundamentos e implicações sobre à qualidade da Educação Infantil entre o público e o privado? Apresentamos a qualidade como princípio do Direito à Educação Infantil na perspectiva maximizadora e como ela vem sendo detalhada pelas bases legais. Nesse contexto, a Nova Gestão Pública se destaca e o diálogo com o Terceiro Setor se acirra. Dessa forma, analisamos as intencionalidades e encaminhamentos do privado por meio do documento “Educação Infantil em debate: a experiência de Portugal e a realidade brasileira”, produzido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e pela Fundação Itaú Social, em 2014. Concluímos que as intencionalidades propaladas não convergem com a preocupação com a qualidade do atendimento educativo que será oferecido, nem com o nível de formação dos que estiverem envolvidos em sua consecução, muito menos com as características específicas do contexto brasileiro. O que se apresentam são enunciados à implementação das parcerias público-privadas para a oferta das políticas sociais focalizadas, contrapondo a toda discussão levantada sobre a maximização do conceito de qualidade, sobretudo para as crianças de zero a três anos.

Palavras-chave


Direito à Educação Infantil; Políticas Educacionais; Público e Privado; Qualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ADRIÃO, Theresa; GARCIA, Teise; BORGHI, Raquel; BERTAGNA, Regiane; PAIVA, Gustavo; XIMENES, Salomão. Sistemas de Ensino Privado na Educação Pública Brasileira: consequências da mercantilização para o direito à educação. Relatório de Pesquisa. GREPPE, Ação Educativa. 2015. Disponível em: http://acaoeducativa.org.br/wpcontent/uploads/2016/10/sistemas_privados_pt.pdf. Acesso em 24 de julho de 2018.

AFONSO, Almerindo Janela. Avaliação educacional - regulação e emancipação. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. 5 ed. (Tradução de: Virgílio Afonso da Silva). São Paulo: Malheiros, 2015.

ALVES, Giovanni. Trabalho e mundialização do capital. São Paulo: Editora Práxis, 1999.

BALL, S.; MAINARDES, J. (org.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011. p. 222-248.

BALL, Stephan; YODELL, Debora. Privatización encubierta en la educación pública, Internacional de la Educación, V Congreso Mundial. 2007. Disponível em: http://www.joanmayans.com/privatizacion_encubierta_de_la_educacion_publica.pdf. Acesso em: 24 de junho de 2018.

BASSI, Marcos Edgar. Financiamento da Educação Infantil em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 142, jan. /abr. 2011. p. 116-141.

BEISIEGEL, Celso de Rui. A qualidade do ensino na escola pública. Brasília: Liber Livro, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Parecer CNE/CEB nº 8, aprovado em 5 de maio de 2010. Estabelece normas para aplicação do inciso IX do artigo 4o da Lei no 9.394/96 (LDB), que trata dos padrões mínimos de qualidade de ensino para a Educação Básica pública. 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Congresso Nacional, 5 out. 1988.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI.. Brasília, 12 nov. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm. Acesso em: 22 jan. 2019.

BRASIL. Lei Federal 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013: altera a Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 2013.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 2014.

CAMPOS, Maria Malta; COELHO, Rita de Cássia; CRUZ, Silvia H. Vieira. Consulta sobre qualidade da Educação Infantil: relatório técnico final. São Paulo: FCC/DPE,

CAMPOS, Maria Malta; HADDAD, Sérgio. O direito humano à educação escolar pública de qualidade. In HADDAD, Sérgio; GRACIANO, Mariângela. A educação entre os direitos humanos. Campinas: Autores Associados, 2006. P. 95-125.

COSSETIN, Márcia. As políticas educacionais no Brasil e o Movimento Todos pela Educação: parcerias público-privadas e as intencionalidades para a educação infantil. 337 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A qualidade da educação brasileira como direito. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p.1053-1066, out. 2014. Trimestral. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2018

DUARTE, Clarice Seixas. Direito público subjetivo e políticas educacionais. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 18, n. 2, 2004. p. 113-118.

EVANS, David K.; KOSEC, Katrina. Educação Infantil: Programas para a geração mais importante do Brasil. São Paulo: Editor: Ex-Libris Comunicação Integrada, Tradução para o português: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, 15 de jun. de 2011.

FMCSV; FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL. Educação Infantil em debate: a experiência de Portugal e a realidade brasileira. São Paulo: Fundação Itaú Social; Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, 2014.

INEP. DADOS DO CENSO ESCOLAR – Número de matrículas na Educação Infantil cresceu 11,1% de 2014 a 2018. 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/dados-do-censo-escolar-numero-de-matriculas-na-educacao-infantil-cresceu-11-1-de-2014-a-2018/21206. Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.

GROSO, Camilla; MAGALHÃES, Giovanna Modé. Privatização da Educação América Latina e no Caribe: tendências e riscos para os sistemas públicos de ensino. Educação e Sociedade, v. 37, nº 134, p. 17-33, jan-mar., 2016.

INEP. 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2018. – Brasília, DF: Inep, 2018.

KRAWCZYK, Nora Rut. O ensino médio no Brasil. São Paulo: Ação Educativa, 2009.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Direito subjetivo e direitos sociais: o dilema do judiciário no estado social de direito. In: FARIA, José Eduardo (Org.). Direitos Humanos, Direitos Sociais e Justiça. São Paulo: Malheiros Editores, 2002.

NUNES, Deise Gonçalves. Expandir vagas por meio de convênios com creches privadas pode ser um grave retrocesso no PNE. Observatório da Educação: Ação Educativa. 2011. Disponível em: . Entrevista concedida em 19 de dezembro de 2011.Acesso em: 21 de janeiro de 2019.

OLIVEIRA, Romualdo Portela de; ARAÚJO, Gilda C. Qualidade do Ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, (28), jan-abr, 2005. p. 5-23.

OSBORNE, David; GAEBLER, Ted. Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação, 1994.

PERONI, Vera Maria; OLIVEIRA, Regina Tereza Cestari de; FERNANDES, Maria Dilnéia. Estado e Terceiro Setor: As novas Regulações entre o Público e o Privado na Gestão da Educação Básica Brasileira. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 108, out. 2009. p. 761-778.

PINTO, José Marcelino Resende. A política recente de fundos para o financiamento da educação e seus efeitos no pacto federativo. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, out. 2007. p. 877-897.

ROBERTSON, Susan L. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educação, v. 17 n. 50 maio-ago. 2012.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, Estado e políticas de Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 115, março, 2002. p. 25-63.

ROSEMBERG, Fúlvia. São Paulo, uma cidade hostil aos bebês. In: ARTES, Amélia; UNBEHAUM, Sandra. Escritos de Fúlvia Rosemberg. Cortez: São Paulo, 2015. p. 210-215.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Rolenane Fátima; GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Conversão das “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do discurso do movimento Todos pela Educação. In: BALL; Stephen; MAINARDES, Jefferson. (Org.). Políticas Educacionais: questões e dilemas. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2011, v. 1. p. 174-197.

TAPOROSKY, Barbara Cristina Hanauer. O controle judicial da qualidade da oferta da Educação Infantil: um estudo das ações coletivas nos tribunais de justiça do Brasil (2005-2016). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2017. 202 f.

TOMASEVISK, Katatina. Human Rights obligations: making education avaliable, accesible, aceptable and adaptable. Right to Education n° 3. SIDA; Raoul Wallenberg Institute of Human Rights and Humanitarian Law: Gothemburg, 2001.

UNESCO. Educação 2030 Declaração de Incheon rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. 2015. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002331/233137POR.pdf. Acesso em: 9 jan. 2019.

XIMENES, Salomão Barros. O Conteúdo Jurídico do Princípio Constitucional da Garantia de Padrão de Qualidade do Ensino: uma contribuição desde a teoria dos direitos fundamentais. Educ. Soc., [s.l.], v. 35, n. 129, dez. 2014a. p.1027-1051.

XIMENES, Salomão De Barros. Direito à qualidade na educação básica: teoria e crítica. São Paulo: QuartierLatin, 2014b.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n52.13269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.