O espaço maker em universidades: possibilidades e limites

Ivanise Monfredini, Renato Frosch

Resumo


O texto se desenvolve como um ensaio elaborado a partir de pesquisa exploratória sobre a produção do conhecimento em laboratórios de fabricação digital instalados em universidades e compreendidos a partir dos pressupostos da cultura maker, da mobilização do conhecimento e do neoliberalismo. O objetivo é analisar criticamente os espaços maker considerando o seu aspecto político, que é tensionado pelo acirramento das contradições no neoliberalismo que restringe os espaços públicos. O estudo de caráter qualitativo teve como base a análise de informações públicas sobre a implementação de laboratórios de fabricação digital em universidades brasileiras, visitas a alguns desses laboratórios, entrevistas com participantes desses laboratórios, experiência pessoal de um dos autores, na implantação laboratórios de fabricação digitale, finalmente, análise de referências bibliográficas sobre cultura maker, mobilização do conhecimento, laboratórios de fabricação digital e neoliberalismo. A dinâmica de cooperação entre indivíduos e o modo próprio de gestão do conhecimento nos espaços maker, aponta a hipótese que este modo de produção do conhecimento produz conhecimento aberto, público e democrático, processos vinculados, no caso, ao uso público de recursos tecnológicos. Na perspectiva da mobilização do conhecimento as análises apontam para possibilidades que vão além dos aspectos curriculares no ensino superior, indicando uma via de aplicação da cultura maker na produção de conhecimentos, que remete à relação da universidade com a sociedade. Porém, tais possibilidades enfrentam os limites impostos pelo neoliberalismo que restringe a esfera pública, a democracia e a política, perspectivas presentes na proposta maker.


Palavras-chave


Espaço maker; Mobilização do conhecimento; Neoliberalismo; Universidade.

Texto completo:

PDF

Referências


GERSHENFELD, Neil. (2005). Fab: The Coming Revolution on your Desktop – from Personal Computers to Personal Fabrication. EUA: Basic Books.

HATCH, Mark. The maker movement. Manifesto. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2017.

DARDOT, Pierre e LAVAL, Christian. (2016). A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo Editorial.

DARDOT, Pierre e LAVAL, Christian. (2017). Comum. Ensaio sobre a revolução no Século XXI. São Paulo: Boitempo Editorial.

MONFREDINI, Ivanise (2016). Universidade como espaço de formação de sujeitos. Editora Universitária Leopoldianum, UNISANTOS, Santos, São Paulo.

NAIDORF, Judith e PERROTTA, Daniela. (2015). La ciencia social politizada y móvil de una nueva agenda latinoamericana. In: Revista de la Educación Superior. ANUIES. Vol. xliv (2); No. 174, abril-junio del 2015. issn electrónico: 2395 9037. p. 19-46.

NEVES, Heloisa. (2014). Maker innovation. Do open design e fab labs...às estratégias inspiradas no movimento maker. 261 f. Tese (Doutorado) - Curso de Design e Arquitetura, Fauusp, São Paulo.

PRETTO, Nelson. (2010). Redes colaborativas, ética hacker e colaboração. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p.305-316, 10 dez.

PINTO, Álvaro Vieira. (1979). Ciência e Existência. Problemas filosóficos da pesquisa científica - Conhecimento, saberes e ciência. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

RIFKIN, Jeremy. (2011). A Terceira Revolução Industrial – Como o poder lateral está transformando a energia, a economia e o mundo. São Paulo: M. Books do Brasil.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da (2005). A mobilização colaborativa e a teoria da propriedade do bem intangível. 123 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciência Política, Universidade de São Paulo, São Paulo.

TORVALDS, Linus; DIAMOND, David. (2001). Só por prazer: Linux, os bastidores da sua criação. Rio de Janeiro: Campus.

WIKIHOUSE (2018). About wikihouse. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n49.13341

Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br