Educação infantil em tempo integral: “mérito da necessidade” ou direito?

Vania Carvalho de Araújo, Franceila Auer, Kalinca Costa Pinto Neves

Resumo


Tomando por referência o estudo exploratório realizado por Araújo (2015) sobre as práticas e as estratégias de atendimento da educação infantil em tempo integral em vinte instituições públicas do estado do Espírito Santo, este artigo problematiza a condição de vulnerabilidade e risco social das crianças e de suas famílias utilizada como critério predominante de matrícula, segundo relato de 90% dos gestores entrevistados. Chama a atenção para a necessária discussão sobre o modo como a demanda por vagas no tempo integral tem resultado em formas controversas de acesso ao manter as crianças mais próximas do “mérito da necessidade” do que das prerrogativas do direito. Conclui-se que, quando o “mérito da necessidade” se estabelece como critério predominante de acesso à educação infantil em tempo integral, uma visão reducionista do direito se interpõe, subvertendo-o como recurso equalizador de oportunidades e instância de mediação societária.


Palavras-chave


Direito à Educação; Educação Infantil em Tempo Integral; Mérito da Necessidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Vania Carvalho de. O tempo integral na educação infantil: uma análise de suas concepções e práticas. In: ARAÚJO, Vania Carvalho de. (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. Vitória: EDUFES, 2015.

ARAÚJO, Vania Carvalho de; TAQUINI, Rennati; NEVES, Kalinca Costa Pinto das; AUER, Franceila; SANTOS, Mara Pereira dos. Matrículas de educação infantil em tempo integral: uma análise descritiva de âmbito nacional (2007 a 2017). Trabalho apresentado no VI Seminário de Grupos de Pesquisa sobre Crianças e Infâncias, Pará, 2018.

AGUIAR, Odílio. A. Filosofia, política e ética em Hannah Arendt. Ijuí: Ed. Unijuí, 2009.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 436996. Recorrente: Ministério Público do Estado de São Paulo. Recorrido: Município de Santo André. Relator: Ministro Celso de Mello. Julgamento: 26 de outubro de 2005. Diário de Justiça da União, Brasília, 07 nov. 2005.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização de Profissionais da Educação – FUNDEB. Brasília, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, n. 65, 5 abr. 2013. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, n. 120,26 jun. 2014. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Relatório do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2018. Disponível em:. Acesso em: 18 mar. 2019.

CAMARA, Sônia. As damas da assistência à infância e as ações educativas, assistenciais e filantrópicas (Rio de Janeiro/RJ, 1906-1930). Hist.Educ. (Online), Porto Alegre, v.21, n.53, 2017, p. 199-218.

CARVALHO, Levindo Diniz. Crianças e infâncias na educação (em tempo) integral. Educação em Revista, Belo Horizonte, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

CAVALIERE, Ana Maria. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, out. 2007, p. 1015-1035.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, n. 242, 18 dez. 2009.Seção 1, p. 18.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, n. 133, 14 jul. 2010. Seção 1, p. 824.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 17/2002, de 6 de junho de 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

INNERARITY, Daniel. O novo espaço público. Lisboa: Editorial Teorema, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS (INEP). Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024: Linha de base. Brasília: Inep, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS (INEP). Censo Escolar (2007 a 2017). Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

______. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, maio/jun./jul./ago.2000, p. 5-18.

QVORTRUP, Jean. A dialética entre a proteção e a participação. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 1, jan./abr. 2015, p. 11-30.

SIERRA, Vania Morales; MESQUITA, Wania A. Vulnerabilidades e fatores de risco na vida de crianças e adolescentes. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 20, n. 1, jan./ mar. 2006, p. 148-155.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez, 1996.

SPOSATI, Aldaíza. Vida urbana e gestão da pobreza. São Paulo: Cortez, 1988.

SPOSATI, Aldaíza. Assistência social: de ação individual a direito social. Revista Brasileira de Direito Constitucional, São Paulo, n. 10, jul./dez. 2007, p. 435-458.

TAPOROSKY, Barbara Cristina Hanauer; SILVEIRA, Adriana Dragone. A judicialização das políticas públicas e o direito à educação infantil. EccoS Rev. Cient., São Paulo, n. 48, jan./mar. 2019, p. 295-315. Disponível em: . Acesso em 20 mai. 2019.

TELLES, Vera da Silva. Direitos sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

VIEIRA, Evaldo. Os direitos e a política social. São Paulo: Cortez, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n50.14015

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica

e-ISSN: 1983-9278
ISSN: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

EccoS – Revista Científica ©2020 Todos os direitos reservados.