Ciclo profissional da docência universitária: percepções sobre qualidade incorporada pelo capital cultural

Bruna Telmo Alvarenga, Gionara Tauchen, Sirlei Nádia Schirmer

Resumo


Neste estudo, objetivamos analisar e compreender as experiências profissionais, construídas ao longo do ciclo de desenvolvimento profissional da carreira docente, e seus efeitos para o (des)investimento da carreira universitária, bem como analisar a aquisição do capital cultural (incorporado, objetivado e institucionalizado) para a qualificação das atividades que integram a docência universitária. O estudo é qualitativo, de natureza narrativa. Por meio da análise dos dados produzidos, concluímos que o capital cultural construído ao longo do desenvolvimento profissional docente, reconfigurado durante o desinvestimento da carreira, constitui um patrimônio ou capital simbólico que pode e deve ser socializado e compartilhado nos espaços institucionais, gerando impactos qualitativos sobre as aprendizagens da docência junto às demais etapas do ciclo de vida profissional. Entendemos que o capital cultural, em seu estado objetivado e institucionalizado, evidenciado por meio da titulação e dos artefatos culturais que integram o currículo do docente universitário, é um tipo de capital que demanda autonomia e capacidade de (trans)formação do seu portador, pois apenas registra um valor convencional e jurídico. O capital cultural incorporado, construído ao longo da trajetória docente, expresso por meio do respeito, prestígio ou reputação docente, reveste-se de poder simbólico, podendo subsidiar ações institucionalizadas de qualificação da docência e das atividades universitárias.

Palavras-chave


ciclo profissional, capital cultural, qualidade, universidade

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Lei Nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal.

BORGES, D. S.. Docência iniciante na universidade: interações auto-eco-organizadoras da formação. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) – Instituto de Educação, Universidade Federal do Rio Grande, 2018.

BOLÍVAR, Antonio. (Org.). Profissão professor: o itinerário profissional e a construção da escola: Bauru: EDUSC, 2002.

BOURDIEU, P. Os três estados do capital cultural. Trad. de Magali de Castro. In:

______. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (Org.). A Sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’água, 2003.

CARLINDO, E. P. Formação docente: angariação de capital cultural para o exercício da profissão. Curitiba. Editora CRV, 2016.

______; SILVA, M. Tornar-se professora: da incorporação de capital cultural à estruturação do habitus professoral. Educação em Foco, ano 20 - n. 30 - jan/abr. 2017 - p. 83-104.

CAVACO, M. H. Ofício do professor: o tempo e as mudanças. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto, 1999.

CORSI, A. M. Professoras iniciantes: situações difíceis enfrentadas no início da prática docente no ensino fundamental. Reunião anual da associação nacional de pós-graduação e pesquisa em educação, 28, Anais..., Caxambú/MG, 2005.

CUNHA, M. I. O campo da iniciação à docência universitária como um desafio. In: Reunião anual da anped, 33., 2010, Caxambu/MG. Anais... Caxambu/MG: Anped, 2010.

_____. Aula universitária: inovação e pesquisa. In: LEITE, D.; MOROSINI, M. (Org.) Universidade futurante. Campinas: Papirus, 1997.

____. Aprendizagem da docência em espaços institucionais: é possível fazer avançar o

campo da formação de professores?. Avaliação (Campinas) [online], vol.19, n.3, pp. 789-802, 2014.

_____.; ZANCHET, B. M. B. A.; RIBEIRO, G. M. Qualidade do ensino de

graduação: culturas, valores e seleção de professores. Práxis Educativa. Ponta Grossa, v.8, n.1, p. 219-241, 2013.

DEPS, V. L. A transição à aposentadoria, na percepção de professores recém-aposentados da Universidade Federal do Espírito Santo. 1994. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 1994.

FORMOSINHO, J.. Ser professor na escola de massa In: FORMOSINHO, J. (Org.) Formação de professores: Aprendizagem profissional e ação docente. Porto: Porto Editora Ltda, 2009.

GARCÍA. M. A. Formação de professores: Centro de atenção e pedra-de-toque. In: NÓVOA, António (Org.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

_____. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto

Editora, 1999.

_____. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 03, n. 03, p. 11-49, ago./dez. 2010.

GIBBS, G.. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GONÇALVES, J. A. A carreira das professoras do ensino primário. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A.. (Org). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000.

IMBERNÓN, F. La formación y el desarrollo profesional del profesorado: hacia uma nueva cultura profesional. 3. ed. Barcelona: Editorial Graó, 1998.

ISAIA, S. M. A.; BOLZAN, D. P. V. Compreendendo os movimentos construtivos da

docência superior: construções sobre pedagogia universitária. Linhas Críticas, Brasília, v. 14, n. 26, p. 43-59, jan./jun. 2008.

____. Professor universitário no contexto de suas trajetórias como pessoa e profissional, In: MOROSINI, M. org. Professor do ensino superior: Identidade, Docência e Formação. 2 ed. Brasília: Plano, 2001.

MORIN, E. O método 2: A vida da vida. 5ªed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2015.

MACIEL, A.M.R. A geratividade docente na Educação Superior e os movimentos (trans)formativos para o desenvolvimento profissional. In: ISAIA, S.M.A; BOLZAN, D.P.V. (Org.). Pedagogia Universitária: desenvolvimento profissional docente. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

MARAFON, M. R. C.. Articulação Pós-Graduação e Graduação: desafio para a educação superior. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, 2001.

MASETTO, M. (org.). Docência na Universidade. Campinas, SP: Papirus, 1998.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. – São Paulo: Hucitec, 2008.

MOROSINI, M. C.. Docência Universitária e os Desafios da Realidade Nacional. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000.

NONO, M. A.; MIZUKAMI, M. G. N.. Processos de formação de professores iniciantes. In: Reunião anual da ANPED, 29., Anais... Caxambu: ANPEd, 2006.

NUÑEZ, I. B.; RAMALHO, B. L.. A profissionalização da docência: um olhar a partir da representação de professoras do ensino fundamental. Revista Iberoamericana de Educación, n.º 46, 2008.

PACHANE, G. G.. Políticas de formação pedagógica do professor universitário: reflexões a partir de uma experiência. In: Grupo de Trabalho Política da Educação Superior da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação. Rio de Janeiro/RJ, 2011.

PAPI, S. de O.; MARTINS, P. L. As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas

aproximações. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.26, n.03, p.39-56, dez.2010.

_____. Professores iniciantes: as pesquisas e suas bases teórico-metodológicas. Linhas Críticas, Brasília, v. 14, n. 27 p. 251-269, jul./dez. 2009.

PIMENTA, S. G. (org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. (Orgs.). Pedagogia universitária. São Paulo: EDUSP, 2009.

PINEAU, G. Temporalidades na formação: rumos e novos sincronizadores. São Paulo: TRIOM, 2003.

SANTOS, M. F.. Identidade e Aposentadoria. São Paulo, EPU, 1990.

SCHEIN, E. H. Career dynamics: matching individual and organizational needs. Reading: Addison-Wesley, 1978.

SEVERINO, A. J.. Premissas e desafios da pesquisa na Pós-Graduação em Educação: da relevância social ao cuidado epistemológico. In: Encontro de pesquisa discente do programa de Pós-Graduação em Educação, 4., Anais... São Paulo: UNINOVE, 2006.

SILVA, M. Habitus professoral: o objeto dos estudos sobre ensino na sala de aula. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 29, p. 152-163, 2005.

SILVA. M. Metáforas e Entrelinhas da Profissão Docente. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

SOARES, S.R.; MARTINS, E.S. Apresentação. In: SOARES, S.R.; MARTINS, E.S. Qualidade do ensino: tensões e desafios para os docentes universitários na contemporaneidade. Salvador, EDUFBA, 2014.

STANO, R. C. M. T. Identidade do Professor no Envelhecimento. São Paulo: Cortez, 2001.

TAUCHEN, G.. O princípio da indissociabilidade universitária: um olhar transdisciplinar nas atividades de ensino, de pesquisa e de extensão. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis/RJ: Vozes, 2002.

VEENMAN, S.. El proceso de llegar a ser profesor: um análisis de la formación inicial. In: VILLA, Alberto (coord.) Perpectivas y problemas de la función docente. Madrid – Espanha: Narcea, 1988.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ZANELLI, J. C. SILVA N. Programa de Preparação para Aposentadoria. [S.l.]: Insular, 1996.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n51.15871

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica 

ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br