Formação dos próprios educadores: um princípio educativo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Cláudio Rodrigues da Silva, Neusa Maria Dal Ri

Resumo


Este texto aborda a formação de educadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e tem como principal objetivo demonstrar que a formação dos próprios educadores é um princípio educativo essencial do projeto educacional desse Movimento. Articulada a outros princípios, a formação dos próprios educadores é fundamental para a educação dos Sem Terra, em conformidade com a pedagogia e as diretrizes político-econômicas do MST, que tem registrado avanços importantes nesse quesito recorrente na história da educação e presente em iniciativas teórico-práticas de diferentes movimentos sociais de trabalhadores desde o século XIX. Esta investigação está integrada a projeto mais amplo e foi efetuada a partir de pesquisa bibliográfica e documental. Os procedimentos realizados foram o levantamento, seleção e leitura de obras e textos relativos à temática e de documentos publicados pelo MST. Após, operou-se a sistematização e interpretação dos dados coletados.

Palavras-chave


Autoeducação; Educação e trabalho; Educação em movimentos sociais; Formação de professores; MST.

Texto completo:

PDF

Referências


BASBAUM, L. Alienação e humanismo. 5 ed. São Paulo: Global, 1982.

BAUER, C. Educação, terra e liberdade: princípios educacionais do MST em perspectiva histórica. São Paulo: Pulsar; Xamã, 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2013.

______. Lei n° 9.394, de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2012.

CALDART, R. S. Educação em movimento: formação de educadoras e educadores no MST. Petrópolis: Vozes, 1997.

CAMINI, I. O cotidiano pedagógico de professores e professoras em uma escola de assentamento do MST: limites e desafios. 1998. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

DAL RI, N. M. Consciencia social, redes y nueva cidadanía: la experiencia educativa del Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST) de Brasil. Rizoma Freireano, Xàtiva, v. 18, p. 1-12, 2015.

______. Educação democrática e trabalho associado no contexto político-econômico do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. 2004. 315 f. Tese (Livre-Docência) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2012.

______. Movimentos sociais e educação democrática: antecedentes da pedagogia do trabalho associado. In: ELISALDE, R.; DAL RI, N. M.; AMPUDIA, M.; FALERO, A., PEREYRA, K. (Org.). Movimientos sociales, educación popular y trabajo autogestionado en el Cono Sur. Buenos Aires: Buenos Libros, 2013, v. 1, p. 97-132.

______. Movimentos sociais e educação democrática: antecedentes da pedagogia do trabalho associado. Projeto de Pesquisa. Marília, 2012.

______; VIEITEZ, C. G. Educação democrática e trabalho associado no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e nas fábricas de autogestão. São Paulo: Ícone; FAPESP, 2008.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2008.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010. Disponível em . Acesso em: 6 jun. 2014.

GOHN, M. G. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 47, p. 333-361, 2011.

INSTITUTO TÉCNICO DE CAPACITAÇÃO E PESQUISA DA REFORMA AGRÁRIA (ITERRA). Proposta metodológica curso Magistério turma VI – etapa preparatória. Veranópolis, 1997.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1992.

MARX, K. O capital – crítica da economia política. São Paulo: Difel, 1985.

______. Teses contra Feuerbach. In: MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã (I-Feuerbach). 11 ed. São Paulo: Hucitec, 1999, p. 10-14.

MENEZES NETO, A. J. Movimentos sociais e políticos do campo frente a institucionalização: estudo comparado entre o MST e o Zapatismo. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE TEORIA MARXISTA, 2014, Uberlândia. Anais..., Uberlândia, 2014.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST). Como fazemos a escola de educação fundamental. Caderno de Educação. MST, s. l., n. 9, 1999.

______. MST – Lutas e conquistas. São Paulo: MST, 2010.

______. MST Nossos frutos: educação. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2016.

______. Pedagogia do Movimento Sem Terra – Acompanhamento às escolas. Boletim da Educação. Porto Alegre, n. 8, jun., 2001.

______. Princípios da educação no MST. Porto Alegre: MST, 1996.

_____. O embrião do MST. Site do MST. São Paulo. 2019. Disponível em: http://www.mst.org.br/nossa-historia/70-82/.

PONCE, A. Educação e luta de classes. 2 ed. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1981.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009, p. 143-155.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, C. R. Educação e trabalho em movimentos sociais: princípios educativos transcendentes e comuns ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), aos Socialistas Utópicos Owenistas e aos Cartistas Britânicos. Marília, 2014. 202 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Campus de Marília.

STEDILE, J. P.; FERNANDES, B. M. Brava gente – a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, mai./ago, 2000, p. 61-88. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2013.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a força dos trabalhadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987a. v. 3

______. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987b. v. 2

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VICENTINI, P. P.; LUGLI, R. G. História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.

VIEITEZ, C. G.; DAL RI, N. M. A educação no movimento social: a luta contra a precarização do ensino público. In: LIMA, F. C. S.; SOUSA, J. U. P.; CARDOZO, M. J. P. B. (Org.). Democratização e Educação Pública: sendas e veredas. São Luís: Edufma, 2011. p. 133-165.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n49.7581

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br