Política de permanência e êxito na educação superior: perspectivas docentes sobre a reprovação escolar

Simone Braz Ferreira Gontijo, Mariana Rocha Fortunato, Juliana Harumi Chinatti Yamanaka

Resumo


A reprovação na educação superior constitui o objeto de pesquisa deste artigo. Partiu-se do princípio de que a percepção docente sobre a reprovação influencia a intencionalidade da ação pedagógica e as políticas de permanência e êxito dos estudantes. A investigação valeu-se do modelo quanti-qualitativo para coleta, organização e análise dos dados. Na coleta documental, foram analisados os diários de classe do curso de Letras/Espanhol do IFB do período 2013-2016 (correspondente a um ciclo formativo) com a intenção de identificar quantidades e índices de reprovação em disciplinas e semestres letivos, representando o objetivo específico da pesquisa. Dos diários inferiu-se que a reprovação não manteve padrão preponderante. Na coleta de campo, foram realizadas entrevistas com os docentes do curso buscando compreender suas percepções em relação à reprovação, o que constituiu o objetivo geral da investigação. O corpus relativo à percepção dos professores foi submetido a um software de análise de dados textuais e apontou a existência de três categorias relativas às percepções docentes sobre reprovação: relação professor-estudante e sucesso acadêmico; motivadores da reprovação e sentido pedagógico; e reflexões sobre a prática pedagógica quanto à reprovação. Destaca-se a influência do relacionamento interpessoal como fator promotor do sucesso e o uso de estratégias de enfrentamento da reprovação que se configuram como políticas a serem adotadas para permanência e êxito, tais como: atendimento individualizado; monitoria; iniciação à docência e pesquisa; bolsas de assistência estudantil; acompanhamento pedagógico; espaços de estudos e investimento em formação docente.

Palavras-chave


Permanência. Êxito. Reprovação. Educação superior.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, D. M. de; MIRANDA, F. A. N. Teoria das representações sociais e ALCESTE: contribuições teórico-metodológicas na pesquisa qualitativa. Em: Revista Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 3, n. 4, p. 3-10, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 de nov. 2014.

BRASIL. Diplomação, retenção e evasão nos cursos de graduação em instituições de ensino superior públicas. Relatório da Comissão Especial de Estudos sobre Evasão nas Universidades Públicas Brasileiras. Brasília: ANDIFES/ABRUEM/SESu/MEC, 1997.

BRASILIA. Política de assistência estudantil do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. Brasília: IFB, 2014.

BROPHY, J. Grade Repetition. Paris/Brussels: The International Institute for Educational Planning (IIEP) and The International Academy of Education (IAE), 2006. Disponível em: Acesso em: 1º de mai. de 2016.

CAMORLINGA, R. A distância da proximidade: A dificuldade de aprender uma língua fácil. Intercâmbio. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. ISSN 2237-759X, [S.l.], v. 6, out. 2010. ISSN 2237-759X. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2017.

DONOSO, S; SCHIEFELBEIN, E. Análisis de los modelos explicativos de retención de estudiantes en la universidad: una visión desde la desigualdad social. Estudios Pedagógicos, vol. XXXIII, núm. 1, 2007, pp. 7-27. Universidad Austral de Chile. Valdivia, Chile.

FARIA, L. Motivação para a competência: O papel das concepções pessoais de inteligência no desempenho e no sucesso. Porto: Livpsic. 2008.

FLIK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FRANCO, A. de P. Ensino Superior no Brasil: cenário, avanços e contradições. In: Jornal de políticas educacionais. N° 4 | julho–dezembro de 2008 | pp. 53–63. Disponível em: . Acesso em 25 de mai. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. 18 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GRILLO, M. O professor e a docência: o encontro com o aluno. In: ENRICONE, D. (org.) Ser professor. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 73-89.

LEFFA, V. J. Pra que estudar inglês, profe?: Auto-exclusão em língua-estrangeira. Claritas, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 47-65, maio 2007.

LIMA, V. M. Percepções de estudantes de primeiro período sobre o serviço educacional: análise empírica de uma IES privada na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Faculdade Ibmec, 2006.

MOSQUERA, J. J. M.; STOBÄUS, C. D. O professor, personalidade saudável e relações interpessoais: por uma educação da afetividade. In: ENRICONE, D. (org.). Ser professor. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 91-107.

NORONHA, B.N.; CARVALHO, B.M.; SANTOS, F.F.F. Perfil dos alunos evadidos da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade campus Ribeirão Preto e avaliação do tempo de titulação dos alunos atualmente matriculados. Documento de Trabalho 01/2001, 57 p. NUPES – Núcleo de Pesquisa sobre Ensino Superior, Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 25 de mai. 2018.

OLIVEIRA, J. H. B. Psicologia da Educação: Aprendizagem – Aluno. Porto: Livpsic. 2005.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T.A. Queiroz, 1990.

PEREIRA, A. S.; Carneiro, T. C. J. BRASIL, G. H.; CORASSA, M. A. de C. Perfil dos alunos retidos dos cursos de graduação presencial da Universidade Federal do Espírito Santo. Florianópolis, SC, 2014. Disponível em: Acesso em: 7 de set. 2017.

RISSI, M. C.; MARCONDES, M. A. S. (org.). Estudo sobre a reprovação e retenção nos Cursos de Graduação – 2009. Londrina: UEL, 2011. 163 p.: il. Disponível em: Acesso em: 2 de mai. 2016.

RODRIGUES, H.W. Avaliação da aprendizagem nos cursos de Direito: novas e velhas possibilidades. In: Rodrigues, H.W.; Arruda Júnior, E. L. de. (Org.) Educação jurídica: temas contemporâneos. 2. ed. corr. Florianópolis: FUNJAB, 2012. 392p. Disponível em: . Acesso em: 11 de ago. 2017.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 11.ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2010.

VASCONCELOS, A. L. F. de S.; SILVA, M. N. Uma investigação sobre os fatores contribuintes na retenção dos alunos no curso de ciências contábeis em uma IFES: um desafio à gestão universitária. Registro Contábil, v. 2, n. 3, p. 21-34, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n48.7845

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica 

ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.