Indicadores de altas habilidades/superdotação em aluno com síndrome de asperger: um estudo de caso

Sarah Carolina Furucho Silva, Rosemeire de Araújo Rangni

Resumo


Pessoas com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e Altas Habilidades/Superdotação são público-alvo da Educação Especial, respaldadas pela legislação brasileira. Essas pessoas necessitam de atendimento complementar e suplementar para desenvolverem suas potencialidades, inclusive as que possuem dupla excepcionalidade, ou seja, altas habilidades/superdotação, associada a outra especificidade. O objetivo geral da pesquisa foi o de verificar indicadores de Altas Habilidades/Superdotação em um aluno diagnosticado com Síndrome de Asperger; como objetivo específico, verificou se a professora de Arte do aluno, seu responsável (pai) e o próprio aluno reconheciam seus potenciais artísticos. A pesquisa caracterizou-se como Estudo de Caso, utilizando-se de três instrumentos para identificação de tais indicadores. As respostas obtidas com a aplicação dos instrumentos aos três participantes foram convergentes na indicação de altas habilidades/superdotação.


Palavras-chave


Educação Especial; Altas Habilidades/Superdotação; Síndrome de Asperger; Dupla Excepcionalidade; Identificação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S.; REZENDE, D. V. Desafios no diagnóstico de dupla excepcionalidade: um estudo de caso. Revista de Psicologia, v. 34, n.1, p. 61-84, 2016. Disponível em: < http://revistas.pucp.edu.pe/index.php/psicologia/article/view/14558>. Acesso em: 30 nov. 2016.

ALENCAR, E. M. L. S.; GUIMARÃES, T. G. Estudo de caso de um aluno com características de superdotação e transtorno de Asperger. In: ALENCAR, E. M. L. S; FLEIT, D. S. (Orgs.) Superdotados: trajetórias de desenvolvimento e realizações. Curitiba: Juruá Psicologia, 2013. p.109-120.

ALVES, R. J. R.; NAKANO, T. C. A dupla-excepcionalidade: relações entre altas habilidades/superdotação com a síndrome de Asperger, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e transtornos de aprendizagem. Revista Psicopedagogia, v. 32, n. 99, p. 346-360, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: texto revisado (DSM-IV-TR). Washington: Artmed; 2002. Disponível em:< https://justines2010blog.files.wordpress.com/2011/03/dsm-iv.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2016.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: texto revisado (DSM-V-TR). Washington: Artmed; 2014. 948p. Disponível em: < http://c026204.cdn.sapo.io/1/c026204/cld-file/1426522730/6d77c9965e17b15/b37dfc58aad8cd477904b9bb2ba8a75b/obaudoeducador/2015/DSM%20V.pdf>. Acesso em: ago. 2016.

BENITO, Y. Superdotacion y Asperger. Madrid: Eos Gabinete de Orientacion Psicologica, 2009. 226p.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de Agosto de 1971. Dispõe sobre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 1 ago. 2017.

______. Lei nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2017.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.

______. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2016.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 86 p. Acesso em: 1 dez. 2017.

DELOU, C. M. C. A Formação de Professores Para Estudantes com Altas Habilidades/Superdotação no Brasil. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A. (Orgs.) Dimensões Pedagógicas nas Práticas de Inclusão Escolar. Marília: ABPEE, 2012. p. 333-345.

DIAS, S. Asperger e sua síndrome em 1944 e na atualidade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 18, n. 2, p. 307-313, 2015. Disponível em . Acesso em: 2 ago. 2017.

GERLACH, J. Brilliant chaos: understand twice exceptional students. Tempo, v. XXVIII, n. 4, 2008.

KLIN, A. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 28, n. 1, p. S3-s11, 2006. Disponível em . Acesso em: 2 ago. 2017.

NEWFOUNDLAND; L. Teaching students of gifted and talented. A handbook for teachers. St. John’s, NL, Canada, 2013. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2014.

OUROFINO, V. T. A. T. Altas habilidades e hiperatividade: a dupla excepcionalidade. In: FLEITH, D.S.; ALENCAR, E. M. L. S. (Orgs.) Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007. p.51-66.

PÉREZ, S. G. P. B. Ser ou não ser, eis a questão: o processo de construção da identidade da Pessoa com Altas habilidades Superdotação adulta. 230f. 2008. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

______. Políticas públicas para altas habilidades/superdotação: incluir ainda é preciso. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A. (Orgs.) Dimensões pedagógicas nas práticas de inclusão escolar. Marília: ABPEE, 2012. p.347-362.

______; FREITAS, S. N. Manual de identificação de Altas Habilidades/Superdotação. Guarapuava: Apprehendere, 2016. 121p.

RENZULLI, J. S. The Three-ring conception of giftedness: A Developmental Model for Creative Productivity. In: RENZULLI, J. S.; REIS, S. M. (Eds). The Triad Reader. Connecticut: Creative Learning Press, 1986.

______. Schools for talent developement: a pratical plan for total school improvement. Mansfield: Creative Learning, 1994.

______. O que é essa coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação, v. 1, n. 52, p. 45-130, 2004. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2017.

______. Modelo de enriquecimento para toda a escola: um plano abrangente para o desenvolvimento de talentos e superdotação. Revista Educação Especial, v.27, n.50, p. 539-562, 2014. Disponível em: < https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/14676>. Acesso em: 9 jan. 2017.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas habilidade/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. 70 p. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2016.

______. Contribuição dos instrumentos de investigação de Joseph Renzulli para a identificação de estudantes com Altas Habilidades/Superdotação. Revista Educação Especial, v.27, n.50, p. 581-610, 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2017.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. Disponível em: < https://saudeglobaldotorg1.files.wordpress.com/2014/02/yinmetodologia_da_pesquisa_estudo_de_caso_yin.pdf>. Acesso em: 2 dez. 2016.

______. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman. 2015. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n51.8334

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica 

ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br