Mulheres na escuta de crianças: considerações acerca do perfil de quem pesquisa com crianças nas ciências humanas e sociais brasileiras

Renata Lopes Costa Prado, Marcos Cezar de Freitas

Resumo


Os estudos sociais da infância evidenciam a intenção crescente de abordar diferentes temas sob a ótica das crianças. Salvo em casos muito específicos, crianças não participam da condução de pesquisas. Quem, então, as escuta, interpreta e amplifica suas vozes? Buscando responder a essa pergunta, realizou-se um levantamento dos artigos que relatam pesquisas com crianças nas áreas de Antropologia, Educação, Psicologia e Sociologia publicados por revistas brasileiras classificadas como Qualis A pela CAPES. Partindo das técnicas da análise de conteúdo, tais artigos foram, em seguida, categorizados, inclusive em relação às características de seus autores. Os números mostram que são, quase sempre, pesquisadoras mulheres. O artigo reflete sobre implicações desse entrelaçamento entre mulheres e crianças e argumenta ser fundamental fortalecer linhas de pesquisa direcionadas a apreender as maneiras pelas quais o fato das crianças se constituírem como uma “temática feminina” impacta o nosso conhecimento sobre infância e, mais indiretamente, a própria vida das crianças.


Palavras-chave


Infância; Gênero; Produção acadêmica

Texto completo:

PDF

Referências


ALDERSON, P. As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Educ. Soc., v. 26, n. 91, ago., 2005, p. 419-442.

BACCINI, B. L. S. Conselhos Tutelares: uma questão de gênero? Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2000.

BARDIN, L. Análise de conteúdo.Lisboa: Edições 70, 2002.

BARTHOLOMAEUS, C.; SENKEVICS, A. S. Accounting for gender in the sociology of childhood: Reflections from research in Australia and Brazil. SAGE Open, v. 5, 2015, p. 1-9.

BHABHA, H.K. The location of culture. London: Routledge, 2001.

BOURDIEU, P. O campo econômico: a dimensão simbólica da dominação. Campinas: Papirus, 1999.

BURMAN, E. Deconstructing development psychology.New York: Routledge, 1999.

CALAZANS, G. J. O discurso acadêmico sobre a gravidez na adolescência: uma produção ideológica. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2000.

CASTRO, L. R. Conhecer, transformar (-se) e aprender: pesquisando com crianças e jovens. In: CASTRO, L. R.; BESSET, V. L. (Org.).Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ, 2008.

CORSARO, W. A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S. H. V. Ouvir crianças: uma tarefa complexa e necessária. In: SOUZA, M. P. R. (Org.). Ouvindo crianças na escola: abordagens qualitativas e desafios metodológicos para a psicologia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010, p. 11-19.

CUNHA, B.; ARAUJO, M. F.; GOMES, R. Infância e diversidade: significações de gênero no brincar de crianças em uma brinquedoteca. NUPEM, v.3, n.5, ago./dez. 2011, p. 23-37.

DELGADO, A. C. C.; MÜLLER, F. Apresentação. Educação e Sociedade, v. 26, n. 91, maio/ago. 2005, p. 351-360.

FERREIRA, M. “Branco demasiado” ou reflexões epistemológicas, metodológicas e éticas acerca da pesquisa com crianças. In.: SARMENTO, M.; GOUVEA, M. C. (Org.). Estudos da Infância: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 143-162.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pró-Posições, v. 14, 2003, p. 89-101.

FREITAS, M. C.; PRADO, R. L. C. O professor e as vulnerabilidades infantis. São Paulo: Cortez, 2016.

GALVÃO, B. R.A criança pequena, seu cuidado e educação em discursos de homens-pais. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2008.

GEERTZ, C. Local knowledge. San Francisco: Harper Collins Publisher, 2010.

GOBBI, M. Desenhos e fotografias: marcas indiciárias das culturas infantis. Contexto & Educação, v. 23, n. 79, jan./jun. 2008, p. 119-221.

GOFFMAN, E. Ritual de interação. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

______. Frame analysis. Chicago: Harper Colophon Books, 2001.

GUEDES, M. C.; AZEVEDO, N.; FERREIRA, L. O. A produtividade científica tem sexo? Um estudo sobre bolsistas de produtividade do CNPq. Cadernos Pagu, v. 45, jul./dez. 2015, p. 367-399.

HENDRICK, H. A criança como ator social em fontes históricas: problemas de identificação e de interpretação. In: CHRISTENSEN, P.; JAMES, A. (Org.). Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, 2005, p. 29-54.

JAMES, A.; PROUT, A. Introduction. In: ______ (Org.). Constructing and reconstructing childhood: contemporary issues in the Sociological study of childhood. New York: RoutledgeFalmer, 1997,p. 1-7.

JAMES, Allison. Agency. In: QVORTRUP, J.; CORSARO, W. A.; HONIG, M.The Palgrave handbook of childhood studies.Basingstoke, Hampshire [etc.]: Palgrave Macmillan, 2009, p. 34-45.

JENKS, C. Constituindo a criança. Educação, Sociedade & Cultura, n. 17, 2002, pp. 185-216.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

MARCHI, R. C. Gênero, infância e relações de poder: interrogações epistemológicas. Cad. Pagu,n. 37, dez.2011, p. 387-406.

MARON, N. M. W. A relação entre a feminização do magistério e a atuação da pedagoga na fábrica. VIII Congresso Ibero-americano de ciência, tecnologia e gênero, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 5 a 9 de abril de 2010.

MAYALL, B. Towards a sociology for childhood. Philadelphia: Open University Press, 2002.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/INEP. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro – com base nos resultados do Censo Escolar 2007. Brasília: INEP/MEC, 2009.

NASCIMENTO, M. L. et al. Infância e Sociologia da Infância: entre a invisibilidade e a voz. São Paulo: FEUSP, 2013.

OLSSON, L. Taking children’s questions seriously: the need for creative thought. Global StudiesofChildhood, v. 3, n. 3, 2013, p. 230-253.

PRADO, R. L. C. O silêncio de grupos específicos de crianças em pesquisas. Educar em Revista, n. 64, jun. 2017, p. 215-230.

______. A participação de crianças em pesquisas brasileiras das ciências sociais e humanas. 293 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

______. O pesquisador e as crianças em investigações sobre a infância: algumas considerações. Revista Veras, v. 1, n. 1, 2011, p. 86-99.

______. O tema trabalho infanto-juvenil em artigos acadêmicos de psicólogos(as): uma interpretação ideológica. 284 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

PROUT, A. Reconsiderando a nova sociologia da infância. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, set./dez. 2010, p. 729-750.

QVORTRUP, J. A dialética entre a proteção e a participação. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 1, jan./abr. 2015, p. 11-30.

ROCHA, E. A. C. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de uma consolidação de uma Pedagogia. 262 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

ROSEMBERG, F. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In: BENTO, M. A. S. (Org.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho – CEERT, 2011, p. 10-46.

______. Crianças e adolescentes na sociedade brasileira e a Constituição de 1988. In: OLIVE, R. G.; RIDENTI, M.; BRANDÃO, G. M. (Org.). A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo: Aderaldo &Rothschild/Anpocs, 2008, p. 296-333.

______. Da intimidade aos quiprocós: uma discussão em torno da análise de conteúdo. Cadernos CERU, n. 16, v.1, nov. 1981, p. 69-80.

______. Gênero e Educação Infantil. Texto apresentado no Congresso Paulista de Educação Infantil (COPEDI). 06 a 09 de 2006, Lindóia.

SAID, E. A pena e a espada. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

SANTOS, G. G. O género e a carreira académica: Uma análise das barreiras organizacionais. Comportamento organizacional e gestão, v. 10, n. 2, 2004, p.241-260.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 16, n. 2, jul/dez 1990, p. 5-22.

SILVA, I. O.; LUZ, I. R.; FARIA FILHO, L. M. Grupos de pesquisa sobre infância, criança e educação infantil no Brasil: primeiras aproximações. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 43, 2010, p. 84-98.

SIROTA, R. Emergência de uma sociologia da infância: evolução do objeto e do olhar. Cadernos de Pesquisas, n. 112, mar. 2001, p. 7-31.

SUEHIRO, A. C. B. et al. Produção científica da revista Psico-USF de 1996 a 2006. Psico-USF,v. 12, n. 2, jul./dez. 2007, p. 327-334.

VIANNA, C.; FINCO, D. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cad. Pagu,n. 33, dez. 2009, p. 265-283.

WILLIAMS, R. Keywords. New York: Columbia University Press, 2010.

YAMAMOTO, O. et al. A produção científica na psicologia: uma análise dos periódicos brasileiros no período de 1990 e 1997. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 12, n. 2, 1999, p. 549-565.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n49.8427

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica
ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br