Compre o seu futuro! O cenário atual da mercantilização da educação profissional no Brasil

Francisco das Chagas Silva Souza, Verônica Dantas de Araújo Albano

Resumo


Neste artigo, objetivamos discutir a ampliação da Educação Profissional em instituições privadas de ensino. A metodologia constou de pesquisas nos sites de seis empresas que ofertam cursos de formação profissional com a finalidade de compreender como se apresenta o discurso da empregabilidade, da qualificação e da competência como estratégia de marketing para atrair ‘alunos-clientes’. Baseados em revisão de literatura acerca do tema privatização da educação profissional no Brasil, consideramos que a ampliação do setor privado na educação brasileira decorre do aprofundamento da política neoliberal, que reduz a participação do Estado nos investimentos e dissemina a ideia da inserção no mercado mediante a aquisição de cursos de capacitação, geralmente curtos, fornecidos pelas instituições de ensino, sobretudo privadas, muitas das quais com a obtenção de financiamentos públicos.


Palavras-chave


Empregabilidade; Neoliberalismo; Privatização; Qualificação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, A. Anos 2000: continuidade ou ruptura do desmonte neoliberal? Revista POLI - Saúde, Educação e Trabalho, Rio de Janeiro, v. 6, n. 31, nov./dez. 2013, p. 14-19.

ANTUNES, R.; PRAUN, L. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 123, jul./set. 2015, p. 407-427.

ANUÁRIO BRASILEIRO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2017. São Paulo: Moderna, 2017.

ARAÚJO, R. M. L.; RODRIGUES, D. S. Referências sobre práticas formativas em Educação Profissional: o velho travestido de novo ante o efetivamente novo. In: ARAÚJO, R. M. L.; RODRIGUES, D. S. (Orgs). Filosofia da práxis e a didática na Educação Profissional. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 7-43.

BALL, S. J. Privatizações da educação e novas subjetividades: contornos e desdobramentos

das políticas (pós)neoliberais. Entrevista concedida a Sanny Silva da Rosa. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, abr./jun. 2013, p. 457-466.

BALL, S. J. Educação Global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BATISTA, E. L. Educação Profissional no Brasil: análise do projeto industrial burguês para a formação de trabalhadores nos primórdios do século XX. In: BATISTA, E. L.; MULLER, M. T. (Orgs.). A Educação Profissional no Brasil. Campinas: Alínea, 2013. p. 155-180.

BRÁZ, A. S. Mercado de trabalho: há vagas, mas faltam profissionais - Por quê?. Jornal do Brasil, 12 out. 2014. Disponível em: http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2014/10/12/mercado-de-trabalho-ha-vagas-mas-faltam-profissionais-por-que/ Acesso em: 8 jun. 2017.

CALDERÓN, A. I. Universidades mercantis: a institucionalização do mercado universitário em questão. São Paulo em perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, jan./mar., 2000, p. 61-72.

CHARLOT, B. Educação e globalização: uma tentativa de colocar ordem no debate. Sísifo, Lisboa, n. 4, out./nov. 2007, p. 129-136.

DAVIES, N. O financiamento da educação e seus desafios. ECCOS – Revista Científica Uninove, São Paulo, v. 6, n. 1, 2004, p. 43-63.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador cidadão produtivo ou o ser humano emancipado? Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, jan./ago. 2003, p. 45-60.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T.; GENTILI, P. (Orgs.). Escola S. A.: quem ganha e quem perda no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), 1996. p. 9-49.

______. Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos liberais. In: SANFELICE, José Luís; SAVIANI, Dermeval; LOMBARDI, José Claudinei. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados, Histedbr, 2002. p. 45-59.

GUIMARÃES, C. Anhanguera-Kroton: capital financeiro avança sobre a educação. Revista POLI - Saúde, Educação e Trabalho, Rio de Janeiro, v. 6, n. 35, jul./ago. 2014, p. 16-18.

HADDAD, S.; GRACIANO, M. Educação: direito universal ou mercado em expansão. São Paulo em perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 3, jul./set. 2004, p. 67-77.

JORNAL NACIONAL. De um lado, desemprego; de outro, vagas sobrando em empresas. Globo, Rio de Janeiro, 11 jul. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/07/de-um-lado-desemprego-de-outras-vagas-sobrando-em-empresas.html Acesso em: 8 jun. 2017.

KUENZER, A. Z. Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2000.

KUENZER, A. Z. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas, São Paulo: Autores Associados, Histedbr, 2002. p. 77-95.

LOBATO, P. H. Sobra falta de qualificação profissional no mercado de trabalho. Em.com.br, 26 out. 2012. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2012/10/26/internas_economia,325693/sobra-falta-de-qualificacao-profissional-no-mercado-de-trabalho.shtml Acesso em: 8 jun. 2017.

MELO, T. G. S.; MOURA, D. H. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec): expansão e privatização da Educação Profissional. Holos, Natal, v. 6, 2016, p. 103-119.

OLIVEIRA, R. A (des)qualificação da educação profissional brasileira. São Paulo: Cortez, 2003.

OLIVEIRA, R. P. A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, out. 2009, p. 739-760.

OLIVEIRA, S. A. Z. P.; ALMEIDA, M. L. P. Educação para o mercado x educação para o mundo do trabalho: impasses e contradições. Revista Espaço Pedagógico. Passo Fundo, v. 16, n. 2, jul/dez. 2009, p. 155-167.

PARO, V. H. Parem de preparar para o trabalho!!! Reflexões acerca dos efeitos do neoliberalismo sobre a gestão e o papel da escola básica. In: FERRETTI, C. J. et al. (Orgs). Trabalho, formação e currículo: para onde vai a escola. São Paulo: Xamã, 1999. p. 101-120. Disponível em: https://social.stoa.usp.br/articles/0016/3148/Vitor_Paro_Parem_de_preparar_para_o_trabalho.pdf Acesso em: 18 jun. 2018.

PINO, M. D. Política educacional, emprego e exclusão social. In: FRIGOTTO, G; GENTILI, P. (Orgs.). A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. São Paulo: Cortez, 2001. p. 65-87.

RODRIGUES, J. A educação e os empresários: o horizonte pedagógico do capital. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. (Orgs.). A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 101-113.

SHIROMA, E. O. O estado como cliente: interesses empresariais na coprodução da inspeção escolar. Trabalho Necessário, Niterói, v. 13, n. 22, 2015, p. 57-79.




DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.n51.8835

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 EccoS – Revista Científica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

EccoS – Revista Científica 

ISSN da versão online: 1983-9278
ISSN da versão impressa: 1517-1949
www.revistaeccos.org.br