Utilização dos princípios da manufatura enxuta e ferramenta de mapeamento de fluxo de valor para a identificação de desperdícios no estoque de produto acabado

Ezequiel Heinen Sehnem, Liane Mahlmann Kipper, Juliana Ipê da Silva, Fábio de Freitas, Gustavo Trindade Choaire

Resumo


Por muito tempo os princípios e ferramentas da manufatura Lean foram utilizadas somente em linhas de produção, mas com a otimização desse sistema produtivo constatou-se que os benefícios do Mapeamento de Fluxo de Valor (MFV) poderiam ser aplicados em toda a organização. Assim, o objetivo deste artigo foi realizar o MFV no processo de estocagem de produto acabado de uma empresa do setor tabagista. Para isto a metodologia utilizada foi um estudo de caso em uma empresa de grande porte com o intuito de mapear o fluxo de valor do processo de estocagem de produto acabado. A partir do Mapeamento do Fluxo de Valor, foram identificadas oportunidades de melhorias como a avaliação da real necessidade do Cooling e da separação de volumes por container. A parir dos estudos realizados e representados no MFV com símbolo do Kaizen, a criação de uma planilha automática para agilizar o procedimento de embarque foi proposta, assim como o estado futuro com as proposições de melhoria para o processo.


Palavras-chave


Manufatura Enxuta; Gestão de Estoque; Mapa de Fluxo de Valor; Desperdícios.

Texto completo:

pdf

Referências


Antunes, J., Alvarez, R., Klippel, M., Bortolotto, P., & PELLEGRIN, I. (2008). Sistemas de produção: sistemas e práticas para projeto e gestão da produção enxuta.

Becker Mendes de Oliveira, R., Alves Corrêa, V., & Nicolini do Patrocínio Nunes, L. E. (2013). Uso da simulação computacional com o mapeamento do fluxo de valor para auxiliar na tomada de decisão. Exacta, 11(1).

Camelo, G. R., Coelho, A. S., Borges, R. M., & Souza, R. M. (2010). Logística enxuta: a abordagem Lean na cadeia de suprimentos. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção.

Cottyn, J., Van Landeghem, H., Stockman, K., & Derammelaere, S. (2011). A method to align a manufacturing execution system with Lean objectives. International Journal of Production Research, 49(14), 4397-4413.

Dal Forno, A. J., Pereira, F. A., Forcellini, F. A., & Kipper, L. M. (2014). Value Stream Mapping: a study about the problems and challenges found in the literature from the past 15 years about application of Lean tools. The International Journal of Advanced Manufacturing Technology, 72(5-8), 779-790.

Carillo JR, E. (1997). Gerenciamento da Logística e Cadeia de Abastecimento. São Paulo: IMAM.

Carillo JR, E. (2000). Gerenciamento da Logística e Cadeia de Abastecimento. São Paulo: IMAM.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Lee, E., Grooms, R., Mamidala, S., & Nagy, P. (2014). Six easy steps on how to create a lean sigma value stream map for a multidisciplinary clinical operation. Journal of the American College of Radiology, 11(12), 1144-1149.

Li, Y., Tao, F., Cheng, Y., Zhang, X., & Nee, A. Y. C. (2017). Complex networks in advanced manufacturing systems. Journal of Manufacturing Systems, 43, 409-421.

Lima, A. D. C. (2007). Práticas do pensamento enxuto em ambientes administrativos: aplicação na divisão de suprimentos de um hospital público.

Lima, P. A. M., & Loos, M. J. (2017). Aplicação de fluxo contínuo como contribuição no aumento da produtividade e diminuição do Lead time de uma Indústria Metalúrgica. Revista Gestão Industrial, 13(1).

Machado, C. M. L. (2014). Ferramenta computacional para apoio à minimização dos desperdícios do processo produtivo.

Machado, C. M., Scavarda, A., Vaccaro, G., Kipper, L. M., & Khan, M. S. (2015). Healthcare lean operations: Building an effective management framework. organization, 1, 4.

Marafon de Paoli, F., Cezar, W., & da Silva Santos, J. C. (2016). Implantação da manufatura enxuta e a cultura organizacional: estudo de múltiplos casos. Exacta, 14(1).

Modarress, B., Ansari*, A., & Lockwood, D. L. (2005). Kaizen costing for lean manufacturing: a case study. International Journal of Production Research, 43(9), 1751-1760.

Paredes, F. J. G., & Godinho Filho, M. (2017). Lean e QRM: diferentes ou semelhantes? Revisão da literatura. Exacta, 15(1), 137-153.

Pinto, R. A. Q., Tortato, U., Da Veiga, C. P., & Catapan, A. (2013). Gestão de estoque e lean manufacturing: estudo de caso em uma empresa metalúrgica. Revista Administração em Diálogo-RAD, 15(1).

Rother, M., & Shook, J. (2003). Aprendendo a enxergar. São Paulo: Lean Institute Brasil.

Saurin, T. A., Ribeiro, J. L. D., & Marodin, G. A. (2010). Identificação de oportunidades de pesquisa a partir de um levantamento da implantação da produção enxuta em empresas do Brasil e do exterior. Gestão e produção. São Carlos, SP. Vol. 17, n. 4 (out./dez. 2010), p. 829-841.

Shingo, S. (1996). O sistema Toyota de produção. Bookman Editora.

Swenseth, S. R., & Olson, D. L. (2016). Trade-offs in lean vs. outsourced supply chains. International Journal of Production Research, 54(13), 4065-4080.

Tayyab, M., & Sarkar, B. (2016). Optimal batch quantity in a cleaner multi-stage lean production system with random defective rate. Journal of cleaner production, 139, 922-934.

Tortorella, G. L., Miorando, R., & Marodin, G. (2017). Lean supply chain management: Empirical research on practices, contexts and performance. International Journal of Production Economics, 193, 98-112.

Venkataraman, K., Ramnath, B. V., Kumar, V. M., & Elanchezhian, C. (2014). Application of value stream mapping for reduction of cycle time in a machining process. Procedia Materials Science, 6, 1187-1196.

Vinodh, S., & Joy, D. (2012). Structural equation modelling of lean manufacturing practices. International Journal of Production Research, 50(6), 1598-1607.

Wu, P., & Low, S. P. (2014). Barriers to achieving green precast concrete stock management–a survey of current stock management practices in Singapore. International Journal of Construction Management, 14(2), 78-89.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.

Zylstra, K. D. (2008). Distribuição Lean: a abordagem enxuta aplicada à distribuição, logística e cadeia de suprimentos. Bookman editora.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.v18n1.8629

Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2020 Todos os direitos reservados.