Gestão de mudanças para implantação de Centro de Serviços Compartilhados em uma empresa de petróleo

Daniela de Souza Lima Ferreira, Nikiforos Joannis Philyppis Jr.

Resumo


Atualmente, as mudanças organizacionais vêm ganhando cada vez mais espaço, pois as empresas estão investindo em mudanças a fim de obter melhorias e aumentar a sua competitividade no mercado atual. No entanto, uma análise da literatura sobre o assunto mostra que, apesar das mudanças serem necessárias e constantes, seu nível de sucesso ainda é pequeno. Portanto, é necessário que as organizações se preocupem em realizar uma gestão adequada da mudança para garantir seu sucesso. Assim o objetivo do presente trabalho é o de relatar um estudo de caso do processo de gestão de mudança em uma empresa do ramo de distribuição de combustíveis com a implementação de um Centro de Serviços Compartilhados (CSC). Primeiramente, foi feita uma revisão bibliográfica da literatura sobre gestão de mudanças e mudança organizacional. Em segundo lugar, a revisão focou os poucos artigos sobre Centro de Serviços Compartilhados. É apresentado o processo de gestão da mudança na empresa a fim de comparar com a revisão de literatura sobre gestão de mudanças com o que foi relatado no estudo de caso. O caso de sucesso da empresa apresenta indícios de que o uso das técnicas presentes na literatura e as boas práticas de gerenciamento de mudanças podem ser um fator de sucesso para implementação de projetos em empresas do setor de Óleo e Gás, mais especificamente, da área de distribuição e comercialização de combustíveis.


Palavras-chave


Gestão de Mudanças. Mudança Organizacional. Centro de Serviços Compartilhados. Melhores Práticas. Gestão de Projetos.

Texto completo:

PDF

Referências


Adizes, I. (1995). Gerenciando as mudanças: o poder da confiança e do respeito mútuos na vida pessoal, familiar, nos negócios e na sociedade. (2a ed.). São Paulo: Pioneira.

Affonso, H. J. (2010). Centro de Serviços Compartilhados (CSC): Impactos na implementação do modelo na estratégia, na estrutura e na gestão de empresas do setor privado. Revista de Projetos, Dissertações e Teses em Administração da Universidade FUMEC, 5(1), 13-204.

Anderson, D., & Anderson, L. S. (2001). Beyond change management: advanced strategic for today´s transformational leaders. San Francisco: Jossey-Bass.

Bamford, D. R. and Forrester, P. L. (2003) ‘Managing planned and emergent change within an operations management environment’, International Journal of Operations & Production Management, 23(5), pp. 546–564.

Basil, D. C., & Cook, C. W. (1974). The management of change. Maidenhead, McGraw-Hill, 243 p.

Bogéa, G. (2017). A importância da gestão de mudança nas organizações. Recuperado em 10 junho, 2018, de http://www.oggirh.com.br/br/articles/a-importancia-da-gestao-de-mudanca-nas-organizacoes.

Bortolotti, S. L.V., Souza, R. A., & Andrade, D. F. (2012). Resistência uma ferramenta útil na mudança organizacional. IX Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – SEGET, 2-16. Recuperado em 5 junho, 2018, de https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos08/263_263_Artigo__Resistencia_a_mudanca_SEGET.pdf.

Burnes, B. (1996) ‘No such thing as . . . a “one best way” to manage organizational change’, Management Decision, 34(10), pp. 11–18.

Cameron, K. S., & Quinn, R. E. (1999). Diagnosing and Changing Organizational Culture: based on the competing values framework. New York: Addison-Wesley Publishing Beckhard.

CCM. (2017). Resistência à mudança organizacional. Recuperado em 13 junho, 2018, de https://br.CCM.net/contents/94-resistencia-a-mudanca-organizacional.

Ceribeli, H. B., & Merlo, E. M. (2013). Mudança organizacional: um estudo multicasos. Revista Pensamento contemporâneo em administração, 7(2), 134-154.

CSC. (sem data). Você sabia?. Recuperado em 20 de junho, 2018, de http://CSConline.com.br/midia/voce-sabia.html.

de Amorim, M. R. L. de., & Teles, B. A. W. (2013). Superando dificuldades na implantação dos sistemas de informação nas organizações. Revista Foco, 6(1), 31-45.

Dubrin, A. J. (2003). Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Dunphy, D. and Stace, D. (1993) ‘The strategic management of corporate change’, Human Relations, 46(8), pp. 905–920.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Cap. 4, pp. 44-54). São Paulo: Atlas.

Guerreiro, R. V., & Soavinsky, E. R. W. (2013). A utilização de centros de serviços compartilhados como estratégia competitiva. Administração de Empresas em Revista, 12(13), p. 137-152.

Hayes, J. (2002). The Theory and practice of change management. New York: Palgrave.

Hoag, B. G., Ritschard, H.V., & Cooper, C. L. (2002). Obstacles to effective organization change: the underlying reasons. Leadership & Organization Development Journal, Vol. 23, No. 1, pp. 6-15.

Kanter, R. M., Stein, B. A., & Jick, T. D. (1992). The Challenge of Organizational Change: How companies experience it and leaders guide it. New York: The Free Press.

Keller, S., & Aiken, C. (2009). The inconvenient truth about change management. Mckinsey Quarterly, Chicago, Mckinsey & Company.

Kirkbridge, P. (1998). Gerir mudança. In: STACEY, R. Pensamento estratégico e gestão da mudança: perspectivas internacionais sobre dinâmica organizacional. Lisboa: Dom Quixote.

Kotter, J. P. (1996). Leading change. Boston: Harvard Business School Press.

Kotter, J. P. (1999). Liderando a mudança: por que fracassam as tentativas de transformação. In: MUDANÇA: Harvard Business Review. Trad. Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Campus.

Kotter, J. P. (2000). Liderando mudança (3a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Kotter, J. P. (2001). Oito erros fatais. In; JÚLIO, Carlos A. Inovação e mudança: autores e conceitos imprescindíveis. São Paulo: Publifolha.

Lakshmi, M. N., & Kumar, T. V. (2016). Effective Shared Services Change Management–Critical Success Factors. Recuperado em 22 novembro, 2018, de https://www.serialsjournals.com/articles.php?volumesno_id=1133&journals_id=268&volumes_id=848&fbclid=IwAR0xkm6Bx30xslwceHn3QCNJfPH72l tW9MNIJuWhwLHfXLAgmuBQ3GGWPn0.

Lófti, S., Castro, M. C., & Gomes, V. V. (2014). Centro de serviços compartilhados: principais conceitos e práticas. FDC Executive, p. 2-4. Recuperado em 19 junho, 2018, de http://acervo.ci.fdc.org.br/AcervoDigital/FDC%20Executive/2014/FE1404.pdf.

Marques, J. R. (2015). Qual o conceito e os tipos de mudanças organizacionais. Recuperado em 15 agosto, 2018, de https://www.ibccoaching.com.br/portal/rh-gestao-pessoas/qual-conceito-tipos-mudancas-organizacionais/.

Marques, J. R. (2017). Tipos de mudança organizacional mais praticados nas empresas. Recuperado em 10 junho, 2018, de http://www.jrmcoaching.com.br/blog/tipos-de-mudanca-organizacional-mais-praticados-nas-empresas/.

Marques, J. R. (2018). Gestão da mudança em organizações. Recuperado em 15 agosto, 2018, de http://www.ibccoaching.com.br/portal/rh-gestao-pessoas/gestao-mudanca-organizacoes/.

Montes, E. (2018). Realizar o controle de mudanças. Recuperado em 13 junho, 2018, de https://escritoriodeprojetos.com.br/realizar-o-controle-integrado-de-mudancas.

Revista melhor. (2018). 4 razões para implementar um centro de serviço compartilhado na empresa. Recuperado em 13 agosto, 2018, de http://revistamelhor.com.br/4-razoes-para-implantar-um-centro-de-servico-compartilhado-na-empresa/.

Robbins, S. P. (2005). 1943 – Comportamento organizacional (11ª edição). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Ruas, R. (2001). Desenvolvimento de Competências Gerenciais e Contribuição da Aprendizagem Organizacional. In: Fleury, M. T. e Oliveira Jr., M. de M. (orgs.) Gestão Estratégica do Conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas.

Schulman, D., Harmer, M., & Lusk, J. (2001). Shared Services: agregando valor às unidades de negócios. São Paulo: MAKRON Books.

Sellmann, M. C. Z., & Marcondes, R. C. (2010). Change management in dynamic environments: a study in the telecommunications industry. Cadernos EBAPE.BR, 8(4), 753-781

Senge, P. (2001). As cinco disciplina. In: JÚLIO, Carlos A. Inovação e mudança: autores e conceitos imprescindíveis. São Paulo: Publifolha.

Setting. (2014). O processo de mudança organizacional. Recuperado em 10 junho, 2018, de https://www.setting.com.br/blog/processos/processo-mudanca-organizacional/.

Sims, S. J., & Sims, R. (2002). Employee involvement is still the key to successfully managing change. In: SIMS, Ronald R. Changing the way we manage change. Westport: Quorum Books.

Souza, P. T. S. de., & Teixeira, M. C. (2016, setembro). Resistência à mudança como fator restritivo ao desenvolvimento organizacional – Estudo de caso de um laboratório de análises clínicas. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 8. pp. 107-143.

Stickland, F. (1998). Dynamics of change, the: insights into organizational transition from the natural world. London: Rutledge.

Stefanini. (2013). Centro de serviços compartilhados e suas vantagens. Recuperado em 19 junho, 2018, de https://stefanini.com/br/2013/09/centro-servicos-compartilhados-vantagens/.

Todnem By, R. (2005). Organisational change management: A critical review. Journal of change management, 5(4), 369-380.

Tonon, G. (2017). Implantação do CSC: riscos e benefícios. Publicado em 13 de dezembro de 2017. Recuperado em 17 Junho, 2018, de https://www.mereo.com/pt/blog/implantacao-do-CSC-riscos-e-beneficios-2/.

Varandas, C. (2014). CSC: melhores práticas para implementação e gestão do Centro de Serviços Compartilhados. Recuperado em 20 junho, 2018, de http://www.administradores.com.br/eventos/CSC-melhores-praticas-para-implementacao-e-gestao-do-centro-de-servicos-compartilhados/2571/.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso - Planejamento e método (2a ed.). São Paulo: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v10i2.10815

Apontamentos



Direitos autorais 2019 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org