Orientação empreendedora e a capacidade de inovação de micro e pequenas empresas do setor de serviços

Renato Luís Artifon, Alessandra Cassol, Julio Araujo Carneiro da Cunha, Ariel Bonett

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar a relação entre orientação empreendedora (OE), capacidade de inovação e munificência ambiental em micro e pequenas empresas prestadoras de serviço da cidade de Concórdia (Santa Catarina). Para medir a OE, utilizaram-se as dimensões proatividade, inovatividade e assunção de riscos descritas por Miller (1983). Para a munificência, foram adotados os conhecimentos de Dess e Beard (1984). Também foi adotada a abordagem metodológica quantitativa, com a elaboração de uma survey com questionários aplicados em uma amostra de 350 MPEs de serviços, nos quais os respondentes são gestores e colaboradores diretamente ligados ao proprietário. Os dados foram tratados por meio da análise multivariada, com modelagem de equações estruturais. Com base nos resultados obtidos, foi possível confirmar a relação positiva entre a OE e a capacidade de inovação, no entanto não se comprovou a moderação da munificência ambiental na relação entre orientação empreendedora e capacidade de inovação.


Palavras-chave


Orientação empreendedora; Capacidade de inovação; Munificência ambiental; Micro e pequenas empresas.

Texto completo:

PDF

Referências


Aldrich, H. E. (1979). Organizations and Environments. Englewood Cliffs: Prentice Hall.

Anand, V., Glick, W. H., & Manz, C. C. (2002). Capital Social: Explorando a Rede de Relações da Empresa. RAE, 42(4), 57-71.

Babbie, E. (2003). Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Barbetta, P. A. (2003). Estatística Aplicada às Ciências Sociais. Florianópolis: UFSC.

Bell, M. & Pavitt, K. (1993). Technological Accumulation and Industrial Growth: Contrasts Between Developed and Developing Countries. Industrial and Corporate Change, 2(2), 157-211.

Brewer, J., & Hunter, A. (2006). Foundations of multimethod research. Thousand Oaks: Sage.

Carvalho, C. E. (2011). Relacionamento entre ambiente organizacional, capacidades, orientação estratégica e desempenho: Um estudo no setor hoteleiro brasileiro (Tese de doutorado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu).

Carvalho, C. E., & Rosseto, C. R. (2012). Dinamismo, complexidade e munificência ambientais: construção e validação de escalas para sua mensuração. In Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro.

Chesbrough, H. (2011). Open Services Innovation – Rethinking your business to grow and compete in a new era. San Francisco: Jossey-Bass, a Wiley Imprint.

Covin, J. G., & Slevin, D. P. (1991). A Conceptual Model of Entrepreneurship as Firm Behavior. Entrepreneurship Theory and Practice, 16(1), 7-26.

Covin, J. G., & Slevin, D. P. (1989). Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, 10(1), 75-87.

Dess, G. G., & Beard, D. W. (1984). Dimensions of organizational task environments. Administrative Science Quarterly, 29(1), 52-73.

Emery, F. E., & Trist, E. (1965). Causal texture of organizational environments. Human Relation, 18, 21-32.

Djellal, F., Gallouj, F., & Miles, I. (2013). Two decades of research on innovation in services: Which place for public services? Structural Change and Economic Dynamics, 27, 98-117.

Escobar, M. A. R., Lizote, S. A., & Verdinelli, M. (2012). A. Relação entre orientação empreendedora, capacidade de inovação e munificência ambiental em agências de viagens. Turismo: Visão e Ação, 14(2), 269-286.

Ferrão, J. (2002). Inovar para desenvolver: o conceito de gestão de trajetórias territoriais de inovação. Revista internacional de desenvolvimento local, 3(4), 17-23.

Filion, L. J., Luc, D., & Fortin, P. A. (2003). L’essaimage d’entreprises: vers de nouvelles pratiques entrepreneuriales. Montréal: Transcontinental.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), 39-50.

Freeman, C. (1979). Technology policy and economic performance. Londres: Printer publishers London and New York.

Garcia, R., & Calantone, R. (2002). A critical look at technological innovation typology and innovativeness terminology: A literature review. Journal of Product Innovation Management, 19(2), 110-132.

Gimenez, S. C., & Gimenez, F. A. P. (2010). Atitude empreendedora e estratégia em pequenos e médios hotéis. Revista Turismo Visão e Ação, 12, 49-72.

Gudmundsson, S. V., & Lechner, C. (2012). Entrepreneurial orientation, firm strategy and small firm performance. International Small Business Journal, 32(1), 36-60

Hair, J. F., Jr., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. (2014). A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLSSEM). Los Angeles: Sage.

Hair, J. F., Jr., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. (2013). A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: Sage.

Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., Black, W. C., & Babin, B. J. (2009). Análise multivariada de dados (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F., Jr., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005).

Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F., Jr., Tatham, R. L., Anderson R. E., & Black, W. (1998).

Multivariate Data Analysis (5. ed.) Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall.

Hannan, M. T., & Freeman, J. (1977). The Population Ecology of

Organizations. American Journal of Sociology, 82(5), 929-964.

Hung-Hsin, C., & Lee, P.-Y. (2009). The driving drivers of dynamic competitive capabilities: a new perspective on competition. European Business Review, 21(1), 78-91.

Ian, D., Parkman, S. S., & Holloway, H. S. (2012). Creative industries: aligning entrepreneurial orientation and innovation capacity. Journal of Research in Marketing and Entrepreneurship, 14(1), 95-114.

Jenning, B., Van Der Meer, S., Balasubramaniam, S., Strassner, J., Botvich, D., Foghlu, M. O., & Donnelly, W. (2007). Towards autonomic management of communications networks. IEEE Commun. Mag., 45(10), 112-121.

Jogaratnam, G., Tse, E. C., & Olsen, M. D. (1999). An empirical analysis of entrepreneurship and performance in the restaurant industry. Journal of Hospitality & Tourism Research, 23(4), 339-353.

Katsikeas, C. S., & Morgan, R. E. (1994). Differences in perception of exporting problems based on firm size and export market experience. European Journal of Marketing, 28(5), 17-35.

Khandwalla, P. N. (1976). Some top management styles, their context and performance. Organisation and Administration Sciences, 7(4), 21-51.

Kreiser, P. M., Marino, L. D., & Weaver, K. M. (2002). Assessing the Psychometric Properties of the Entrepreneurial Orientation Scale: A Multi-Country Analysis. Entrepreneurship Theory and Practice, 26, 17-94.

Liao, S. H., Wu, C.-C., Hu, D. C., & Tsuei, G. A. (2009). Knowledge Acquisition, Absorptive Capacity, and Innovation Capability: An Empirical Study of Taiwan’s Knowledge-Intensive Industries. Word academy of science, 53, 160-167.

Lumpkin, G. T., & Dess, G. G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academic of

Management Review, 21(1), 135-172.

Malhotra, N. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Mariano, A. L. (2011). Orientação empreendedora, ambiente e desempenho organizacional: um estudo nas unidades operativas do Senac na região sul do país (Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu).

Martens, C. D. P. (2009). Proposição de um conjunto consolidado de elementos para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software (Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre).

Martens, C. D. P., Freitas, H. M. R., & Boissin, J. P. (2011). Elementos da inovatividade no setor software: estudo exploratório em organizações empreendedoras do Rio Grande do Sul. Revista de Administração e Inovação, 8(1), 248-279.

Mavondo, F. T., Chimhanzi, J., & Stewart, J. (2005). Learning orientation and market orientation: relationship with innovation, human resource practices and performance. European Journal of Marketing, 39(11-12), 1235-1263.

Mello, S. C. B., Paiva, F. G., Jr., Souza, A. F. Nt., & Lubi, L. H. O. (2004). Maturidade empreendedora e expertise em compasso de inovação e risco: um estudo em empresas de base tecnológica. Anais do EnANPAD.

Mello, S. C. B., Paiva, F. G., Jr., Souza, A. F. Nt., & Lubi, L. H. O. (2006). Orientação empreendedora e competências de marketing no desempenho organizacional: um estudo em empresas de base tecnológica. O&S, 13(36), 185-202.

Miller, D., & Friesen, P. H. (1982). Innovation in conservative and entrepreneurial firms: two models of strategic momentum. Strategic Management Journal, 3(1), 1-26.

Miller, D. (1983). The correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management Science, 29(7), 770-791.

Mintzberg, H. (1973). The nature of managerial work. New York: Harper & Row.

Moresi, E. A. D. (2001). Inteligência organizacional: um referencial integrado. Ciência da Informação, 30(2), 35-46.

Nelson, R., & Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Oliveira, B., Toledo, A., & Lopes, E. (2013). Evolução da Experiência no Varejo de Serviços: Um Exemplo do Setor de Telecomunicações Brasileiro. Revista Brasileira de Marketing, 12(1), 223-250.

Pérez-Luño, A., Wiklund, J., & Cabrera, R. V. (2011). The dual nature of innovative activity: How entrepreneurial orientation influences innovation generation and adoption. Journal of Business Venturing, 26, 555-571.

Porter, M. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior (15. ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Rauch, A., Unger, J., & Rosenbusch, N. (2007). Entrepreneurial Stress And Long Term Survival: Is There A Causal Link? Frontiers of Entrepreneurship Research, 27(4).

Reichert, F. M., Camboim, G. F., & Zawislak, P. A. (2015). Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, 16(5), 161-194.

Robinson, P. B., Stimpson, D. V., Huefner, J., & Hunt, H. K. (1991). An attitude approach to the prediction of entrepreneurship. Entrepreneurship Theory & Practice, 15(4), 13-30.

Rossetto, C. R., & Rossetto, A. M. (2005). A Teoria institucional e Dependência de Recursos na adaptação organizacional: Uma visão complementar. RAE-Eletrônica, 4(1).

Santos, A. C. M. Z., & Alves, M. S. P. C. (2009). Dimensões da orientação e seus diferentes impactos no desempenho de empresas instaladas em incubadoras tecnológicas da região sul do Brasil. In Anais do Encontro Anual da Anpad, São Paulo.

Satolani, M. F., Corrêa, C. C., & Fagundes, M. B. B. (2008). Análise no ambiente institucional e organizacional da piscicultura no estado de Mato Grosso do Sul. Revista de Economia e Agronegócio, 6(2), 215-234.

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Sebrae (2013). Santa Catarina em Números. Florianópolis: Sebrae. Retirado de https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Relatorio%20Estadual.pdf

Sharfman, M. P., & Dean, J. W., Jr. (1991). Conceptualizing and measuring the organizational environment: A multidimensional approach. Journal of Management, 17(4), 681-700.

Shirokova, G., Bogatyreva, K., Beliaeva, T., & Puffer, S. M. (2016). Entrepreneurial orientation and firm performance in different environmental settings: contingency and configurational approaches. Journal of Small Business and Enterprise Development, 23(3).

Sundbo, J., & Gallouj, F. (1998). Innovation as a loosely coupled system in services (SI4S Topical Paper, n. 4). Oslo, Noruega.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: The nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic

Management Journal, 28(13), 1319-1350.

Utterback, J. M., & Abernathy, W. J. (1975). A dynamic model of process and product innovation. Omega, 3(6), 639-656.

Wiklund, J., & Shepherd, D. (2005). Entrepreneurial orientation and small business performance: a configurationally approach. Journal of Business Venturing, 20(1), 71-91.

Yu, A. S. O., & Klement, C. F. F. (2006). Inovação na indústria hoteleira: complementação entre inovações tecnológicas e inovações baseadas em serviços. Revista acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 1(3), 3-4.

Zahra, S., & Covin, J. G. (1995). Contextual influences on the corporate entrepreneurship performance relationship: A longitudinal analysis. Journal of Business Venturing, 10, 43-58.

Zawislak, P. A., Gamarra, J. T., Alves, A. C., Barbieux, D., & Reichert, F. M. (2014). The different innovation capabilities of the firm: further remarks upon the Brazilian experience. Journal of Innovation Economics, 13, 129-150.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v11i1.13328

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org