Antecedentes de um projeto de gestão por competência: estudo das agremiações musicais da Polícia Militar de Minas Gerais

Marco Aurélio da Cruz Corrêa, Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos, Reginaldo de Jesus Lima, Marta Araujo Tavares Ferreira

Resumo


A gestão por competências é um modelo de gestão que visa orientar processos organizacionais, em particular aqueles relacionados à gestão de pessoas. Tem como objetivo a identificação e desenvolvimento das competências necessárias ao atingimento de metas organizacionais. Este artigo teve como objetivo investigar quais são as competências musicais demandadas dos integrantes das agremiações musicais da Policia Militar de Minas Gerais (PMMG). A intenção da pesquisa foi dar suporte para a elaboração de um projeto de gestão por competências no âmbito da PMMG. Foram realizadas uma pesquisa bibliográfica e documental, além de uma pesquisa empírica com análise de campo em dois momentos: primeiro, pelo uso de um questionário fechado aplicado a todos os integrantes das agremiações musicais da PMMG; segundo, por uma lista enviada apenas para os maestros das agremiações musicais, na qual eles indicaram as competências fundamentais ao músico das agremiações da PMMG a partir da sua percepção. Os resultados obtidos revelaram as competências genéricas dominadas pelos profissionais músicos; os tipos de competências predominantes; as influências das variáveis demográficas nas competências dos músicos; as competências fundamentais na percepção dos maestros e as competências a serem desenvolvidas. Tais resultados foram suficientes para oferecer base ao Plano Estratégico da instituição, de modo a subsidiar um Projeto de Gestão por Competências dos músicos considerando as particularidades próprias à sua profissão como músico em articulação com a atividade militar.


Palavras-chave


Projeto de Gestão por Competências; Atividades Musicais;Polícia Militar de Minas Gerais - PMMG; Músico.

Texto completo:

PDF

Referências


Bitencourt, C. C. (2001). A gestão de competências gerenciais: a contribuição da aprendizagem organizacional. 320 f. Tese (Doutorado em Administração) - Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Brandão, H. P. (2012). Mapeamento de competências: métodos, técnicas e aplicações em gestão de pessoas. (1. ed.). São Paulo: Atlas.

Brandão, H. P., & Guimarães, T. A. (2001). Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? São Paulo. RAE - Revista de Administração de Empresas, 41(1), 8-15, jan-fev.

Carbone, P. P., Brandão, H. P., Leite, J. B. D., & Vilhena, M.P. (2009). Gestão por competências e gestão do conhecimento. (3. ed., 176 p.). Rio de Janeiro: FGV.

Castagna, P. (2004). A música religiosa mineira no século XVIII e primeira metade do século XIX. [Apostila do curso de História da Música Brasileira - Instituto de Artes da UNESP]. São Paulo: UNESP. Recuperado de: http://www.academia.edu/1082746/A_M%C3%9ASICA_RELIGIOSA_MINEIRA_NO_S%C3%89CULO_XVIII_E_PRIMEIRA_METADE_DO_S%C3%89CULO_XIX

Cerqueira, D. L. (2014). Administração musical no Brasil. Uma necessidade iminente. São Paulo: Letra e Voz.

Cotta, F. A. (2006). Breve história da Polícia Militar de Minas Gerais. Belo Horizonte: Crisália.

Dutra, J. S. (2001). Gestão por competências: um novo modelo avançado para gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente.

Exército Brasileiro. (2006). Perfil profissiográfico do concludente curso de formação de sargentos qualificação militar de sargentos músicos (Portaria no 103 - EME, de 26 de julho de 2006). Recuperado de http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/copiar.php?codarquivo=1359&act=bre Disponível em 3 de março 2016.

Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2000). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Curitiba. Revista de Administração Contemporânea, 5, ed. especial, 183-196.

Fucci Amato, R. C. (2008). Habilidades e competências na prática da regência coral: um estudo exploratório. Revista da ABEM, Porto Alegre, 19, mar, 15-26.

Fucci Amato, R. C. (2010). A regência além da gerência: liderança e inteligência emocional em maestros. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), 30. São Carlos. Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos: ABEPRO / UFSCar, p. 01-14.

Fucci Amato, R. C., & Amato Neto, J. (2006). Organização do trabalho e gestão de competências: uma análise do papel do regente coral. Anais do Simpósio de Engenharia de Produção (SIMPEP), 13, Bauru: UNESP, p. 01-11.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6. ed.), São Paulo: Atlas.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Machado, D. D. (2004). A visão dos professores de música sobre as competências docentes necessárias para a prática pedagógico-musical no ensino fundamental e médio. Porto Alegre, Revista da ABEM, 37(45), set.

Minas Gerais. (2016ª). Assembleia Legislativa. Lei 21.976, de 24/02/2016. Fixa os efetivos da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais – PMMG – e do Corpo de Bombeiro Militar de Minas Gerais – CBMMG – para o ano de 2016. Diário do Executivo, 25/02/2016, p. 1, col. 2.

Minas Gerais. (2017). Centro de Atividades Musicais. Polícia Militar de Minas Gerais. Disponível em: https://www.policiamilitar.mg.gov.br/portal-pm/portalinstitucional/conteudo.action?conteudo=2165&tipoConteudo=itemMenu Acesso em 15 de abril de 2017a.

Minas Gerais. (2017). Orquestra Sinfônica. Polícia Militar de Minas Gerais. Disponível em: https://www.policiamilitar.mg.gov.br/portal-pm/orquestra/conteudo.action?conteudo=719&tipoConteudo=itemMenu Acesso em 15 de abril de 2017b.

Minas Gerais. (2016b). Polícia Militar. Comando Geral. Plano Estratégico 2016 – 2019. Caderno de Planos Táticos. Belo Horizonte: Equipe de Gestão Estratégica; Estado Maior.Miranda, S., & Borges, M. H. (2014). A profissão de músico diante da diversidade nas possibilidades de atuação. Revista da Fundarte. (27), jan-jun.

Montezano, L.; Medeiros, B. N.; Pinheiro, A. O.; Oliveira, C. A. A. M. (2018) Percepção de servidores de uma organização pública federal quanto à implantação da gestão por competências. In: XLII Encontro da Anpad - Enanpad 2018, Curitiba.

Pichoneri, D. F. M. (2011). Relações de trabalho em música: a desestabilização da harmonia. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Educação, Campinas, São Paulo.

Pichoneri, D. F. M. (2014). Trabalho e qualificação no contexto da reestruturação das orquestras. In: Valente, H. A. D., Prados, R. M. N., Schmidt, C. (Orgs.). A música como negócio: políticas públicas e direitos de autor. São Paulo: Letra e Voz.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Elsevier.

Requião, L. P. (2002). Saberes e competências no âmbito das escolas de música alternativas: a atividade docente do músico-professor na formação profissional do músico. Porto Alegre: Revista da ABEM, 7, 59-67, set.

Rimšaitè, R., & Umbrasienè, V. (2012) Guidelines of competence development in the study field of music. Vilniaus: Universitetas.

Ruas, R., Ghedine, T., Dutra, J. S., Becker, G. V., & Dias, G. B. (2005). O conceito de competência de A a Z: análise e revisão nas principais publicações nacionais entre 2000 e 2004. In: Resumos do XXIX Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração. Brasília: Anpad.

Salazar, L. S. (2010). Música Ltda.: o negócio da música para empreendedores. Recife: Sebrae.

Salles, M. A. S. D.; Villardi, B. Q. (2018) Desenvolvimento de Competências Gerenciais: Uma proposta baseada na aprendizagem vivencial dos gestores no escopo de um Sistema de Gestão de Pessoas por Competências em instituições federais. In: XLII Encontro da Anpad – Enanpad, Curitiba/PR.

Sant’Anna, A. (2002). Competências individuais requeridas, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: uma análise de organizações mineiras sob a ótica de profissionais da área de administração. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Ciências Econômicas, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Sant’Anna, A., Moraes, L. F. R, & Kilimnik, Z. M. (2005). Competências individuais, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: um estudo de diagnóstico comparativo. São Paulo. RAE-eletrônica, 4(1), art. 1, jan-jul.

Teixeira, L. H. P. (2005). Coros de empresa: desafios do contexto para a formação e a atuação de regentes corais. Porto Alegre, Revista da ABEM, 13, 57-64, set.

Valente, A. D. (2014). Ninguém aprende samba no colégio? Eu vou! Por que não? São Paulo: Letra e Voz.

Vieira, J. P. (2013). Bandas de música militares: performance e cultura na cidade de Goiás. 392 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil. Recuperado de: https://mestrado.emac.ufg.br/up/270/o/ Joelson_Dissertac%CC%A7a%CC%83o_vols_1_e_2.pdf Disponível em 2013.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova lógica. Tradução de Maria Helena C. V. Trylinski. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v10i3.13953

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org