Gestão Estratégica em Redes: Desenvolvimento e Aplicação de um Modelo na Brasil Júnior

Diego Calegari Feldhaus, Maurício Fernandes Pereira, Siqueira de Morais Neto

Resumo


Novas formas de organização, em especial as redes organizacionais, impulsionadas pela evolução das tecnologias de informação, têm mudado o paradigma social e econômico e elevado os níveis de competitividade. O presente estudo teve como objetivo desenvolver e aplicar um modelo de formulação de estratégia capaz de alinhar as empresas juniores e federações vinculadas a Brasil Júnior em torno de referenciais estratégicos compartilhados. Para isso, foi realizado um estudo exploratório, descritivo do objeto estudado. A estratégia da pesquisa foi um estudo de caso com dados secundários e primários levantados por meio de pesquisa bibliográfica, análise documental, entrevistas e seminários, com participação dos membros da coalizão dominante da organização. Os resultados demonstraram que a organização como rede exige uma gestão estratégica horizontalizada, alicerçada em propósitos compartilhados explícitos e claramente compreendidos.

DOI:10.5585/gep.v3i3.84


Palavras-chave


Empresa Júnior; Redes; Estratégia.

Texto completo:

PDF

Referências


Balestrim, Alsones; Vargas, Lilia Maria. A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Rev. adm. contemp. [online]. 2004, vol.8, n.spe, pp. 203-227.

Cândido, G. A. As redes interorganizacionais e a competitividade sistêmica: uma proposta de arquitetura organizacional; Anais do SLADE - XVII Congresso Latino-Americano de Estratégia; 2004.

Casarotto Filho, Nelson; Pires, Luis Henrique. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, 1999.

Fernandes, Karina Ribeiro (2004). Constituição de redes organizacionais como nova forma de gestão das organizações do terceiro sector. In RITS – www.rits.org.br. Acesso em: 29 de Outubro de 2009.

Hamel, Gary; Prahalad, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. 15. ed Rio de Janeiro: Campus, 2002. 377p.

Mintzberg, Henry. Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004.

Nohria, N.; Eccles, R. Networks and organizations. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

Peci, A. Emergência e proliferação de redes organizacionais: marcando mudanças no mundo de negócios. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v. 33, n. 6, p. 07-24, Nov./Dez. 1999.

Quinn, James Brian. Estrategias para el cambio. In: Mintzberg, H.; Quinn, J. B; Ghoshal, S. El processo estratégico - edición europea revisada. Madrid: Prentice Hall Iberia, 1999.

Silva, Maria Aparecida da; DOWBOR, Ladislau. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Alianças e redes organizacionais: bases para construção, formas, interdependências e modelos organizacionais inerentes. 1994. 197f. Dissertação (Mestrado) - Pontíficia Universidade Católica de São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v3i3.84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2013 Diego Calegari Feldhaus, Maurício Fernandes Pereira, Siqueira de Morais Neto



GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org