Os Condicionantes de Desempenho dos Projetos Estratégicos em um Tribunal de Justiça

Diana Santos Pontes, Leonel Gois Lima Oliveira, Terezinha de Jesus Mendes Vasconcelos

Resumo


O presente estudo se propõe a identificar, na visão dos gerentes projetos, os condicionantes de desempenho dos projetos estratégicos presentes em um Tribunalde Justiça. A pesquisa desenvolvida foi do tipo descritiva e aplicada, quanto aos objetivos; bibliográfica e estudo de caso, quanto aos procedimentos; e qualitativa, quanto à abordagem. Em linhas gerais, os resultados revelaram que condicionantes apresentados na literatura existem na organização pública pesquisada com baixa, média ou alta intensidade; que o Escritório de Projetos Corporativo é reconhecido como forma de aperfeiçoamento no gerenciamento de projetos, havendo a necessidade de algumas de suas funções serem aprimoradas; que como meios para fortalecer os fatores que contribuem para a melhoria do desempenho e amenizar os que o afetam, podem ser destacados: priorização dos projetos a serem executados pelas unidades, aprimoramento da capacitação para gerentes de projetos e melhoria na supervisão dos projetos e na atividade de mentoring.


Palavras-chave


Gerenciamento de Projetos; Escritório de Projetos; Desempenho; Poder Judiciário.

Texto completo:

PDF

Referências


Barcaui, A. B. (2012). Project Management Office: um conceito dinâmico. In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 1, p. 3-32.

Batista, M. C. V., Moraes, R. O. (2008). Condicionantes de desempenho de projetos de desenvolvimento local: análise da experiência da agência de desenvolvimento de Timóteo – MG. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 25. Anais..., Brasília, DF, Brasil.

Carneiro, M. (2012). PMO no setor Público. In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 5, p. 104-134.

CNJ – Conselho Nacional de Justiça (2012). Relatório de Metas 2011 – por Segmento da Justiça. Brasília, CNJ.

CNJ – Conselho Nacional de Justiça (2013). Atualização das Metas de 2011 – por Segmento da Justiça. Brasília, CNJ.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Kerzner, H. (2002). Gestão de projetos: as melhores práticas. Porto Alegre: Bookman.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. 10. São Paulo: Blucher.

Kerzner, H; Saladis, F. P. (2011). Gerenciamento de projetos orientado por valor. Porto Alegre: Bookman.

Lacruz, A. J. (201). Escritório de projetos em organizações sem fins lucrativos: estudo de caso. In: Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos do PMI São Paulo, 10, Anais... São Paulo.

Lima, G. (201). PMO Global. In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 7, p. 180-204.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

Maximiano, A. C. A. (2009). Administração de Projetos: como transformar ideias em resultados. 3. Ed. São Paulo: Atlas.

Moraes, R. O. (2004). Condicionantes de desempenho de projetos de software e a influência da maturidade em gestão de projetos. 2004. 153 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Recuperado em 29 de dezembro de 2012, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-14072004-154749/pt-br.php

Moutinho, J. A., Kniess, C. T. (2012). Contribuições de um escritório de gerenciamento de projetos em um laboratório de P&D de uma universidade pública. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 3 (2), 282-293.

Nogueira, J. M. M. (2011). A ausência do Poder Judiciário enquanto objeto de estudo da Administração Pública brasileira. Díke – Revista Eletrônica, 1 (1), 1-17.

Prado, D. (2010). Maturidade em gerenciamento de projetos. 2. Série Gerência de Projetos – Volume 7. Belo Horizonte, INDG.

PMI - Project Management Institute. (2013). Um guia do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos (Guia PMBOK). 5. Newtown Square.

Santos, D. P., Oliveira, K. P., & Silveira, M. C. (2013). Coordenação e Alinhamento entre escritórios de projetos: um estudo de caso na Administração Pública mineira. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 4 (2), 128-152.

Silva, E. C., & Gil, A. C. (2013). Inovação e gestão de projetos: os “fins” justificam os “meios”. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 4 (1), 138-164.

Silveira, G. (2012). Mapa de funções do PMO In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 15, p. 371-394.

Sotille, M. (2012). Justificando o PMO nas organizações. In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 2, p. 33-57.

Valle, A. B., Soares, C. A. P., Finocchio Júnior, J., & Silva, L. S. F. (2010). Fundamentos do gerenciamento de projetos. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 9. São Paulo: Atlas.

Vianna Júnior, A. (2012). Tipologia dos Escritórios de Projetos. In: Barcaui, A. B. PMO: escritórios de projetos, programas e portfólio na prática. Rio de Janeiro: Brasport. cap. 4, p. 80-103.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v6i1.308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Diana Santos Pontes, Leonel Gois Lima Oliveira, Terezinha de Jesus Mendes Vasconcelos



GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
http://www.revistagep.org