Presença de Competências Empreendedoras em Tomadores de Microcrédito Produtivo Orientado

Pedro Gilberto Arnaut, Djair Picchiai

Resumo


O conceito de microcrédito foi criado por Yunus em 1976, e uma de suas premissas é de que não falta ao indivíduo pobre aptidões para empreender, o que lhe falta são recursos. Outra premissa é que é possível garantir a adimplência dos tomadores de microcrédito sem os recursos tradicionais de garantia utilizados pelos bancos. O objetivo deste artigo foi verificar se os empreendedores que formam o público alvo do microcrédito produtivo orientado, produto criado para alocar recursos às camadas de baixa renda, possuem as competências necessárias para o sucesso em seu empreendimento. Foi realizada pesquisa quantitativa com aplicação de questionários junto aos tomadores de microcrédito produtivo orientado da cidade de Campo Limpo Paulista. Como resultado, concluiu-se que os tomadores de microcrédito apresentam deficiências em algumas competências, que podem comprometer o sucesso de seu empreendimento.


Palavras-chave


Microcrédito. Empreendedorismo. Competências Empreendedoras.

Texto completo:

PDF

Referências


Baum, J. R., Locke, E. A. & Smith, K. G (2001). A muldimensional model of venture growth. Academy of Management Journal, 44(2), 292-303.

Barone, F. M., Lima, P. F., Dantas, V. & Rezende, V. (2002). Introdução ao microcrédito. Brasília: Conselho da Comunidade Solidária.

Bird, B. (1995). Towards a theory of entrepreneurial competency. Advances in Entrepreneurship, Firm Emergence and Growth, 2, 51-72.

Bracht, D. E. & Werlang, N. B. (2015). Competências empreendedoras: uma investigação com produtores rurais catarinenses. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 4(1), 101-124.

Brasil (2012). Empreendedores individuais podem contratar microcrédito produtivo. Recuperado em 14 dezembro, 2015 em http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2012/07/empreendedores-individuais-podem-contratar-microcredito-produtivo.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Programa Nacional do Microcrédito Produtivo Orientado. Recuperado em maio 2015 em http://portal.mte.gov.br/pnmpo/esclareca-suas-duvidas/.

Brasil. Lei 11.110 de 25 de abril de 2005.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Programa Nacional do Microcrédito Produtivo Orientado – PNMPO. Recuperado em 10 dezembro, 2014 em http://portal.mte.gov.br/pnmpo/.

Brasil. Resolução 3.721 do Conselho Monetário Nacional, de 30 de abril de 2009.

Churchill, N. C. & Lewis, V. L. (1983). The five stages of small business growth, Harvard Business Review, 61(3), 1-12.

Cooley, L (1990). Entrepreneurship training and the strengthening of entrepreneurial performance. Mphil Thesis, Cranfield Institute of Technology, Cranfield, UK.

Dornelas, J. C. A (2003). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Filion, L. J. (1999). Emprendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração da USP – RAUSP, 34(2), 5-28.

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. C. C. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, 5(edição especial),183-196.

Global Entrepreneurship Monitor, GEM (2014). Empreendedorismo no Brasil – 2014. Relatório Nacional. Curitiba: IBQP.

Grossman, M. (2005). The impact challenge: conducting impact assessments for the Empretec Programme. University of Oxford and UNCTAD. United Kingdon. Recuperado em 11 dezembro 2015 em http://users.ox.ac.uk/~lina0771/Documents/Impact%20Assessment%

Background%20Paper.pdf.

Lana, J., Orlandi, C., Camargo, M., Branco, M. & Lenzi, F. C. (2013). A relação das competências empreendedoras e da conduta intraempreendedora no setor de serviços educacionais. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(2), 77-95.

Lenzi, F. C., Santos, S. A., Casado, T. & Kuniyoshi, M. S. (2015). Empreendedores corporativos: um estudo sobre a associação entre tipos psicológicos e competências empreendedoras em empresas de grande porte de Santa Catarina. Revista de Administração da UNIMEP, 13(12), 117-141.

Man, T. W. Y. & Lau, T (2000, setembro). Entrepreneurial competencies of SME owner/managers in the Hong Kong services sector: A qualitative analysis. Journal of Enterprising Culture, 8(3), 235-254.

Man, T. W. Y. & Lau, T. (2001). Entrepreneurial competencies of Small and Medium Enterprises in the Hong Kong services sector. Hong Kong: Pao Yue-Kong Library.

Management Systems International, MSI (2015). Entrepreneurship Development Program. Recuperado em 23 dezembro 2015 em http://www.msiworldwide.com/approach/trainings-courses/entrepreneurship-development-program/.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

McClelland, D. C. (1971). Entrepeneurship and achivement motivation: approaches to the Science of socio-economic development, ed. P. Leygel, Paris, UNESCO.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist. Recuperado em 14 dezembro, 2014 em http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/

download;jsessionid=E11AEE77DB05F6C7A115756B40F7B6F0?doi=10.1.1.315.7091&rep=rep1&type=pdf.

McClelland, D. C. (1987). Characteristics of successful entrepreneurs. Journal of Creative Behavior, 21(3), 219-233.

Nassif, V. M. J. & Prando. D. J. A. R. A. (2012). A universidade desenvolve competências empreendedoras? um mapeamento das práticas de ensino numa universidade brasileira. Administração: Ensino e Pesquisa, 13(3), 597-627.

Santandreu-Mascarell, C., Garzon, D. & Knorr, H. (2013). Entrepreneurial and innovative competences, are they same? Management Decision, 51(5), 1084-1095.

Santos, J. O., Godoi, A. F., Bertoncelo, V. R. & Sincerre, B. P (2015) . Ensaio sobre o microcrédito e as metodologias de análise de crédito: aspectos relacionados à sua origem, desenvolvimento e o modelo de escoragem comportamental – Behavioural Scoring. Revista de Administração de Roraima, 5(1), 134-155.

Snell, R. & Lau, A (1994). Exploring local competences salient for expanding small business. Journal of Management Development, 13(4), 4-15.

Soares, M. M. & Melo Sobrinho, A. D. de (2007). Microfinanças: o papel do Banco Central do Brasil e a importância do cooperativismo de crédito. Brasília: BCB.

Souza, V. A. B (2013). Competências empreendedoras no processo de formação do extensionista rural. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Spencer, L. M. & Spencer, S. M. (1993). Competence at work: models for superior performance. New York: John Wiley & Sons.

Timmons, J. A. (1989). The entrepreneurial mind. Andover: Brick House.

United Nations, UNCTAD (2009). Empretec Programme: The Entrepreneurs’s Guide. Recuperado em 04 dezembro, 2015 de http://unctad.org/en/Docs/diaeed20093_en.pdf

Yunus, M. & Jolis, A. (2004). O banqueiro dos pobres: a revolução do microcrédito que ajudou os pobres de dezenas de países. São Paulo: Ática.

Zancanella, J. C., Oliveira, A. R., Cunha, N. R. S. & Lima, A. A. T. F. C. (2010, janeiro/março). Avaliação de implementação do programa nacional de microcrédito produtivo orientado (PNMPO), em Minas Gerais, na percepção dos dirigentes das instituições habilitadas. APGS, 2(1), 86-108.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v7i1.401

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Pedro Gilberto Arnaut, Djair Picchiai

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org