Gasto na função desporto e lazer pelas Prefeituras do Estado do Mato Grosso de 2002 a 2011

Edmilson Santos, Vilde Gomes Menezes, Maria José Carvalho, Riller Silva Reverdito

Resumo


Objetivo: Analisar o gasto na Função Desporto e Lazer (FDL) das prefeituras do estado do Mato Grosso de 2002 a 2011, contemplando a adesão e o volume do gasto por classe populacional.

Metodologia: Estudo de natureza descritivo-exploratória utilizando estatística descritiva. Os dados referentes à FDL foram capturados diretamente no Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro e, então, deflacionados.

Relevância: Os municípios têm sido grandes players do financiamento das políticas públicas de esporte e de lazer, mas poucos estudos têm descrito essa realidade.

Resultados e Contribuições: Há forte inclinação das prefeituras do estado do Mato Grosso em realizar gastos na FDL de forma crescente nas políticas de esporte e de lazer. O desafio agora é compreender quais variáveis impactam nesse comportamento.


Palavras-chave


Financiamento. Políticas Públicas. Esporte. Lazer.

Texto completo:

pdf

Referências


Afonso, J. R. R., Lobo, T. (1996). Descentralização fiscal e participação em experiências democráticas retardatárias. Planejamento e Políticas Públicas, 14, 3-36.

Almeida, B. S., Marchi Júnior, W. (2010). O financiamento dos programas federais de esporte e

lazer no Brasil (2004 a 2008). Movimento, 16(4), 73-92.

Almeida, M. H. T. (1995). Federalismo e políticas sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 10(28), 88-108.

Arretche, M., Vasquez, D., Gomes, S. (2012) Descentralização e autonomia: deslocando os termos do debate. In: A. G. Lavalle (Org.). O Horizonte da política: questões emergentes e agendas de pesquisa (pp. 29-62). São Paulo: UNESP.

Athayde, P. F. A. O ornitorrinco de chuteiras: determinantes econômicos da política de esporte e lazer do Governo Lula e suas implicações sociais. (2014). Tese, Universidade de Brasília.

Athayde, P. F. A., Mascarenhas, F., Salvador, E. (2015). Primeiras aproximações de uma análise do financiamento da política nacional de esporte e lazer no Governo Lula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 37(1), 2-10.

Baracho, M. A. P. (2000). A importância da gestão de contas públicas municipais sob a premissa da governance e accountability. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, 34(1), 129-161.

Castro, S. B. E. Políticas públicas para o esporte e lazer e o ciclo orçamentário brasileiro (2004-2011): prioridades e distribuição de recursos durante os processos de elaboração e execução orçamentária. (2016). Tese, Universidade Federal do Paraná.

Castro, S. B. E., Scarpin, J .E., Souza, D. L. (2017). Financiamento público e esporte educacional: uma análise do processo orçamentário do programa “Segundo Tempo” (2004-2011). Motrivivência, 29(52), 136-156.

Corrêa, A. J., Moraes e Silva, M., Mezzadri, F., Cavichiolli, F. R. (2014). Financiamento do esporte olímpico de verão brasileiro: mapeamento inicial do programa Bolsa Atleta (2005-2011). Pensar a Prática, 17(4), 1-15.

Diniz, R. S., Silva, L. P. (2016). O ICMS esportivo e o financiamento das políticas municipais de esporte em minas gerais. Movimento, 22(4), 1223-1236.

Furtado, S., Effting, E. R. M., Castro, S. B. E., Souza, D. L. (2016). O Financiamento do esporte em Santa Catarina: o caso do Fundesporte nos anos de 2011 e 2012. Motrivivência, 28(47), 145-159.

Grasso, R. M. F. P., Isayama, H. F. (2011). Financiamento e políticas públicas de esporte e lazer: uma análise da gestão no município de Santarém/PA (2005-2012). Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 25(1), 151-167.

Green, M. (2007). Policy transfer, lesson drawing and perspectives on elite sport development systems. International Journal of Sport Management and Marketing, 2(4), 426-441.

Hall, P., Taylor, R. (2003). As três versões do neo-institucioalismo. Lua Nova, 58, 193-222.

Hoekman, R., Van Der Roest, J., Van Der Poel, H. (2018). From welfare state to participation society? Austerity measures and local sport policy in the Netherlands. International Journal of Sport Policy and Politics, 10(1), 131-146.

Melo, M. A. (1998). Crise federativa, guerra fiscal e hobbestanismo municipal: efeito perversor da descentralização? São Paulo em Perspectiva, 10(3), 10-20.

Moraes, D. P. (2006). Arrecadação tributária municipal: esforço fiscal, transferências e Lei de Responsabilidade Fiscal. Dissertação, Fundação Getúlio Vargas.

Pavlík, M. Economic Characteristic of Non-Profit Sport Clubs and Their Relations with Municipalities and Sport Federations (June 4, 2013). Disponível em: Acesso em: 5 de abr. 2018.

Pavlík, M., Vries, M. S. (2014). The Voucher System as an Alternative for Allocating Sports Grants. Central European Journal of Public Policy, 8(2), 4-27.

Ribeiro, O. C. F. (2012). Um estudo das políticas públicas de lazer de Brotas/SP. Tese, Universidade Estadual de Campinas.

Rocha, C. V. (2011). Federalismo. Civitas, 11(2), 323-338.

Rodden, J. (2005). Federalismo e descentralização em perspectiva comparada: sobre significados e medidas. Revista Sociologia e Política, 24, 9-27.

Ronglan, L. T. (2015). Elite sport in Scandinavian welfare states: legitimacy under pressure? International journal of sport policy and politics, 7(3), 345-363.

Sabatier, P. (1986). Top-down and bottom-up approaches to implementation research: a critical analysis and suggested synthesis. Journal of Public Policy, 6(1), 21-48.

Santos, A. M. P. (2011). Federalismo no Brasil: uma abordagem da perspectiva dos Municípios. Revista de Direito da Cidade, 3(1), 95-123.

Santos, E. S.; Santos, A. G. (2018). Participação dos municípios do estado do Espírito Santo nos gastos da Função Desporto e Lazer. Conexões: Educ. Fís., Esporte e Saúde,16(3), 312-324.

Santos, E. S. (2017). Análise do Desempenho do Edital de 2012 do PELC. Licere, 20, 41-58.

Santos, E. S. (2018). Gasto na Função Desporto e Lazer pelos municípios do estado do Maranhão. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, 8, 138-150.

Santos, E. S. (2016). Governo do estado e descentralização Programa Segundo Tempo. Pensar a Prática, 19, 398-406.

Santos, E. S., Canan, F., Starepravo, F. A. (2018). Investments in the sport and leisure function by municipalities in Bahia from 2002 to 2011. Journal of physical education, 29, 1-10.

Santos, E. S., Hirata, E. (2017). Investimento na função desporto e lazer por níveis de Índice de Desenvolvimento Humano. Caderno de Educação Física, 15, 49-55.

Santos, E. S., Starepravo, F. A. (2018). Political-Administrative Structure of Municipal Governments in Piauí and Investment in Sport and Leisure. Licere, 21, 166-183.

Santos, E. S., Starepravo, F. A., Hirata, E. (2018). Perfil das Prefeituras que descentralizaram o PELC de 2003 a 2012. Licere, 21, 71-88.

Silva, T. D., Couto, A. M. S., Santos, M. L. A. (2014). Analysis of the administrative structure and financial sport in IPIAU-BA county. Podium: Sport, Leisure And Tourism Review, 3(3), 77-88.

Silva, T. D., Santana, T. A., Silva, R. C. (2015). O planejamento e a estrutura financeira das políticas públicas de lazer no estado da Bahia. Coleção Pesquisa Em Educação Física, 14(4), 121-130.

Souza Neto, M., Santos, E. S., Starepravo, F. A. (2015). Programa Segundo Tempo e o vazio assistencial na região Nordeste. Movimento, 21(3), 759-771.

Souza, C. (2003). Estado do campo da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), 15-20.

Sperotto, F. Gasto social nos anos 1990: o caso dos municípios gaúchos com mais de 100 mil habitantes (2009). Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, 23, 71-118.

Starepravo, F. A. (2011). Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: aproximações, intersecções, rupturas e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e científico/acadêmico. Tese, Universidade Federal do Paraná.

Taks, M., Késenne, S. (2000). Tie Economic Significance of Sport in Flanders. Journal of Sport Management, 14, (4), 342-365.

Venturim, L. F., Borges, C. N. F., Silva, D. S. (2013). Estratégias de gestão pública na prefeitura de Vitória/ES? O Pelc e a intersetorialidade das ações. Licere, 16(4), 1-38.

Veronez, L. F. C. Quando o Estado Joga a Favor do Privado: As Políticas de Esporte após a Constituição Federal de 1988. (2005). Tese, Universidade Estadual de Campinas.

Widdop, P., King, N., Parnell, D., Cutts, D., Millward, P. (2018). Austerity, policy and sport participation in England. International Journal of Sport Policy and Politics, 10(1), 7-24.

Yuval, F. (2011). Information theory and municipal policy in sport: empirical evidence from an Israeli case study. Sport in Society, 14(1), 53-68.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v8i2.11243

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.