Percepção de Membros de Associações Atléticas Acadêmicas Universitárias em Relação ao Planejamento e Controle Gerencial

Eloah Exmalte De Castro Aguiar, Wesley Cirino dos Santos

Resumo


Objetivo: O objetivo geral desta pesquisa é analisar a percepção e as práticas de controle gerencial dos diretores das Associações Acadêmicas Atléticas (AAA) universitárias.

 Método: De caráter descritivo, a pesquisa foi segmentada em uma revisão da literatura e, em seguida, foi apresentado a percepção e as práticas de controle gerencial dos diretores das AAA, realizado por meio de um survey eletrônico semiestruturado, endereçado a diferentes áreas das associações. À abordagem do problema caracteriza-se pelo emprego de quantificação no tratamento das informações por meio de análise estatística.

 Originalidade/Relevância: Tendo em vista o escasso número de estudos desenvolvidos acerca do tema, ele apresenta até então pouca aplicabilidade na área esportiva. Desta forma, ganha relevância esta pesquisa, diante da capacidade desta para a contribuição e o aprofundamento do assunto.

  Resultados: Por meio de análise de estatística descritiva, destacam-se como problemas identificados à comunicação da informação financeira, da entrada e saída de caixa, dos responsáveis pelo controle financeiro e da maneira como as receitas são angariadas e os custos são gastos. Ademais, identificou-se que a percepção dos membros das AAA sobre o controle gerencial é que este é incipiente frente à necessidade de métodos de gestão que são aplicados em suas associações.

 Contribuições teóricas/metodológicas: Evidencia os pontos do estágio atual do planejamento e controle gerencial das Associações Atléticas Acadêmicas em diferentes cursos de graduação no Estado de Minas Gerais e a percepção dos estudantes em relação à temática de estudo.

 


Palavras-chave


Controle Gerencial; Associações Acadêmicas Atlética; Ferramentas gerenciais.

Texto completo:

PDF

Referências


Abernethy, M. A., & Lillis, A. M. (1995). The impact of manufacturing flexibility on management control system design. Accounting, Organizations and Society, 20(4), p. 241-258.

Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2008). Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: McGraw-Hill.

Araújo, D. S. M. S. D., & Araújo, C. G. S. D. (2000). Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Revista brasileira de medicina do esporte, 6(5), 194-203.

Atkinson, A. A., Kaplan, R. S., Matsumura, E. M., & Young, S. M. (2015). Contabilidade Gerencial: informação para tomada de decisão e execução da estratégia. São Paulo: Atlas.

Barbosa, C. G. (2014). Liderança na gestão do esporte universitário: proposta da criação de uma rede de dados. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro.

Bateman, T. S., & Snell, S. (1996). Management: Building competitive advantage. Chicago: Irwin/McGraw-Hill.

Berry, A. J., Broadbent, J., & Otley, D. (2005). Management control: theories, issues and per-formance. New York: Palgrave Macmillan.

Brownell, P. (1981). Participation in budgeting, locus of control and organizational effectiveness. The Accounting Review, 56(4), p. 844-860.

Chelladurai, P. (1994). Sport management: Defining the field. European Journal for Sport Management, 1(1), 7-21.

Chenhall, R. H., & Langfield-Smith, K. (1998). The relationship between strategic priorities, management techniques and management accounting: an empirical investigation using a systems approach. Accounting, Organizations and Society, 23(5), 243-264.

Crepaldi, S. A. (2009). Curso básico de contabilidade de custos. Atlas.

Ferreira, A., & Otley, D. (2006). Exploring inter and intra-relationships between the design and use of management control system. [Working Paper Series], Social Science Research Network, Recuperado em 15 março, 2006, de http://ssrn.com/abstract=896228

Franchi, K. M. B., & Montenegro, R. M. (2012). Atividade física: uma necessidade para a boa saúde na terceira idade. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 18(3), p. 152-156.

Frezatti, F. (2015). Orçamento Empresarial: Planejamento e Controle Gerencial . Editora Atlas SA.

Gil, A. C. (2012). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a ed. Ediitora Atlas SA.

Gosselin, M. (1997). The effect of strategy and organizational structure on the adoption and implementation of Activity-Based Costing. Accounting, Organizations and Society, 22(2), p. 105- 122.

Govindarajan, V. A. (1984). Appropriateness of accounting data in performance evaluation: an empirical examination of environmental uncertainty as an intervening variable. Accounting, Organizations and Society, 9(2), p. 125-135.

Govindarajan, V. A., & Gupta, A. K. (1985). Linking control systems to business unit strategy: impact on performance. Accounting, Organizations and Society, 10(1), p. 51-66.

Hatzidakis, G. (2006). Esporte Universitário. Atlas do Esporte no Brasil. CONFEF, Rio de Janeiro/RJ.

Hatzidakis, G. (1993). Perfil da atividade esportiva principal de atletas universitários participantes de competições esportivas universitária oficiais. Dissertação de Mestrado, UNIFEC, São Caetano do Sul.

Hoque, Z., & James, W. (2000). Linking balanced scorecard measures to size and market factors: impact on organizational performance. Journal of Management Accounting Research, 12, p. 1-17.

Mazzei, L. C., & Bastos, F. C. (2012). Gestão do esporte no Brasil: desafios e perspectivas. São Paulo: Ícone.

Merchant, K. A. (1981). The design of the corporate budgeting system: influences on managerial behavior and performance. The Accounting Review, 56(4), p. 813-829.

Oliveira, G. D. (2016). Gestão Organizacional nas Atléticas: um estudo sobre gerenciamento das Associações Atléticas Acadêmicas do DF. 69 f. TCC (Graduação)-Curso de Administração, Departamento de Administração, Universidade de Brasília, Brasília.

Pinheiro, M. (1996). Gestão e desempenho das empresas de pequeno porte: uma abordagem conceitual e empírica. Tese de Doutorado em Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. São Paulo: Universidade de São Paulo

Pitts, B. G., & Stotlar, D. K. (2002). Fundamentals of sport marketing. Morgantown: Fitness Information Technology.

Ribeiro, G. M., & Marin, E. C. (2012). Universidades públicas e as políticas de esporte e lazer. Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, 15(3).

Rocha, C.; & Bastos, F. (2011). Gestão do Esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física, 25, 91-103.

Rocha, C. M., & Chelladurai, P. (2011). Relationship between organizational support and performance of college coaches: a mediational model. European Sport Management Quarterly, 11(3), 301-319.

Silva, C. L. (2017). Gestão estratégica de custos: o custo meta na cadeia de valor. Revista da FAE, 2(2).

Slack, T., & Parent, M. M. (2006). Understanding sport organizations: the application of organizational theory. Champaign: Human Kinetics.

Starepravo, F. A. (2005). O esporte universitário paranaense e suas relações com o poder público. Dissertação de Mestrado em Educação Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v8i3.11294

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.